Seleccione Edição
Login

Homenagem aos policiais assassinados

O presidente de França, François Hollande, em homenagem aos três policiais assassinados na semana passada nos recentes atentados jihadistas

  • Chegada dos caixões dos três policiais franceses assassinados em Paris ao pátio da sede da polícia francesa.
    1Chegada dos caixões dos três policiais franceses assassinados em Paris ao pátio da sede da polícia francesa. AFP
  • O presidente de Francia, François Hollande, na homenagem. “Clarissa, Franck e Ahmed morreram para que continuemos a ser livres", disse o presidente sobre as vítimas.
    2O presidente de Francia, François Hollande, na homenagem. “Clarissa, Franck e Ahmed morreram para que continuemos a ser livres", disse o presidente sobre as vítimas. AFP
  • Ahmed Merabet, Franck Brisolaro e Clarissa Jean-Philippe "compartilhavam a vontade de proteger aos cidadadãos e tinham um ideal, o de servir à República", afirmou Hollande.
    3Ahmed Merabet, Franck Brisolaro e Clarissa Jean-Philippe "compartilhavam a vontade de proteger aos cidadadãos e tinham um ideal, o de servir à República", afirmou Hollande. AFP
  • O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, no funeral.
    4O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, no funeral. EFE
  • Moça chora enquanto assiste à homenagem aos policiais assassinados em Paris.
    5Moça chora enquanto assiste à homenagem aos policiais assassinados em Paris. Reuters
  • O presidente francês, François Hollande, entrega postumamente a Ordem Nacional da Legião de Honra, uma das principais condecorações francesas, aos policiais Ahmet Merabet y Franck Brinsolaro, mortos no ataque contra o semanário satírico 'Charlie Hebdo', e à agente municipal Clarissa Jean-Philippe, morta por disparos realizados por Amedy Coulibaly, que fez reféns em um supermercado judaico.
    6O presidente francês, François Hollande, entrega postumamente a Ordem Nacional da Legião de Honra, uma das principais condecorações francesas, aos policiais Ahmet Merabet y Franck Brinsolaro, mortos no ataque contra o semanário satírico 'Charlie Hebdo', e à agente municipal Clarissa Jean-Philippe, morta por disparos realizados por Amedy Coulibaly, que fez reféns em um supermercado judaico. Reuters
  • Familiares de um dos policiais assassinados em París, durante a homenagem celebrada no pátio da sede da polícia na capital francesa.
    7Familiares de um dos policiais assassinados em París, durante a homenagem celebrada no pátio da sede da polícia na capital francesa. AFP
  • Os assassinos, nas palavras de Hollande, "não tinham nem cor nem religião", estavam movidos pelo "ódio, um ódio que detesta o que França representa, a diversidade, o pluralismo, o laicismo, um ideal de paz".
    8Os assassinos, nas palavras de Hollande, "não tinham nem cor nem religião", estavam movidos pelo "ódio, um ódio que detesta o que França representa, a diversidade, o pluralismo, o laicismo, um ideal de paz". AFP
  • Policiais franceses fazem homenagem a seus colegas assassinados na semana passada em Paris.
    9Policiais franceses fazem homenagem a seus colegas assassinados na semana passada em Paris. REUTERS
  • Fita negra colada à insígnia de um policial durante a homenagem aos três policiais assassinados na semana passada em Paris.
    10Fita negra colada à insígnia de um policial durante a homenagem aos três policiais assassinados na semana passada em Paris. AFP
  • A sede da Polícia de Paris, do lado de fora.
    11A sede da Polícia de Paris, do lado de fora. AFP
  • Familiares dos três policiais assassinados nos ataques terroristas da semana passada assistem ao funeral em Paris (França).
    12Familiares dos três policiais assassinados nos ataques terroristas da semana passada assistem ao funeral em Paris (França). EFE