Reuniões em Viena

Negociação nuclear com o Irã é prorrogada até 30 de junho de 2015

As potências concordam em descongelar 1,7 bilhão de reais por mês dos ativos iranianos

reuters-live (reuters_live)

As negociações em relação a um acordo nuclear com o Irã serão prorrogadas até 30 de junho de 2015 diante das dificuldades de se alcançar um pacto no prazo estipulado — que expira hoje, segunda-feira, à meia-noite —, segundo anunciou Philip Hammond, ministro das Relações Exteriores britânico em declarações divulgadas pela agência France Presse. Além disso, as potências envolvidas na negociação descongelarão 565 milhões de dólares por mês (cerca de 1,7 bilhão de reais) dos ativos iranianos bloqueados. Os demais detalhes do acordo e a retomada das conversas entre o Irã e as grandes potências dependem do fim das reuniões realizadas em Viena (Áustria), segundo revelou a agência Reuters a uma fonte relacionada com o processo sob a condição de manter o anonimato.

MAIS INFORMAÇÕES

“Alguns progressos foram feitos”, afirmou, por outro lado e antes do anúncio de Hammond, um diplomata envolvido nas discussões. “Mas precisamos discutir algumas questões com nossas capitais. Vamos nos reunir de novo antes do Ano Novo. É um processo em andamento”, acrescentou.

Outras fontes citadas pela France Presse garantiam, também anteriormente ao anúncio do ministro britânico, que o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, e o ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, já tinham abordado juntos os possíveis cenários para retomar as negociações. A duração dessa prorrogação das conversas poderia ser fixada em “seis meses ou um ano”, vaticinavam fontes iranianas.

A possibilidade de um adiamento foi aventada nas conversações durante o fim de semana. Um responsável europeu chegou a afirmar que as perspectivas de chegar a um acordo final pareciam “fisicamente impossíveis”. Os obstáculos, segundo fontes diplomáticas, continuam sendo a capacidade de enriquecimento de urânio que o Irã vai manter e o ritmo com que serão suspensas as sanções impostas ao país. Como ambas as partes desejam evitar o fracasso da negociação, é previsível que se anuncie uma nova extensão até final de dezembro”.

As seis grandes potências — Estados Unidos, Reino Unido, França, China, Rússia e Alemanha — tentam fechar um acordo aceito pelo Irã em 24 de novembro de 2013 para congelar seu programa nuclear em troca de que o Ocidente começasse a suspender as fortes sanções impostas ao país persa. Os negociadores querem garantir que o Irã não tenha capacidade para fabricar armas nucleares, um objetivo que Teerã sempre negou perseguir.

O fim de décadas de enfrentamento com o Ocidente e o eventual levantamento das sanções suporia a incorporação ao mercado internacional de um país com cerca de 80 milhões de habitantes e importantes reservas de hidrocarbonetos. Os governantes iranianos precisam acabar com essa situação para renovar sua infraestrutura petroleira (e industrial) e poder oferecer um futuro a sua população jovem.