China se apoia na Rússia para aumentar seu peso internacional

A nova relação entre as duas potências se baseia na ideologia e na conveniência

Putin saúda Xi na sua chegada à cúpula da APEC.
Putin saúda Xi na sua chegada à cúpula da APEC.GREG BAKER (AFP)

A foto dos líderes presentes na cúpula da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC, na sigla em inglês), esta semana, em Pequim, dizia tudo. O presidente chinês, Xi Jinping, como anfitrião, no centro. À sua direita, aquele que rapidamente se tornou seu melhor aliado, o russo Vladimir Putin. Ambos se mostraram inseparáveis em quase todas as aparições públicas dos governantes. O chefe de Estado russo chegou a oferecer seu casaco à primeira-dama chinesa, Peng Liyuan, durante a cerimônia de boas-vindas, em um gesto que deu origem a toda sorte de comentários.

“É o momento de colher os frutos da árvore da amizade”, afirmou Xi durante um encontro bilateral com Putin, paralelamente à cúpula, no qual os dois países assinaram um acordo determinando que a Rússia fornecerá 30 bilhões de metros cúbicos de gás natural para a China. O pacto complementa o gigantesco acordo que ambos fecharam em maio, pelo qual a Rússia enviará gás natural para o norte da China pelo valor de 400 bilhões de dólares ao longo de 30 anos, e que se tornou o resultado mais emblemático da sintonia entre os dois vizinhos.

Putin e Xi se enxergam  como uma alternativa ao modelo ocidental e ao domínio dos EUA

De certo modo, os vínculos – motivados por afinidades ideológicas, convergências econômicas e necessidades geoestratégicas – lembram aqueles que as duas potências regionais mantiveram quando eram regimes comunistas nos anos cinquenta. Mas a relação atual é muito diferente daquela em que Josef Stalin insistia em marcar o passo à frente de Mao Tsé-tung. Hoje Pequim é o “irmão mais velho” que se encontra em posição dominante.

“Antes a China era o país fraco e a Rússia, a antiga União Soviética, o forte. Pequim tinha que se preocupar com o que Moscou fazia ou deixava de fazer. Agora, os dois inverteram suas posições”, afirma o analista e especialista em relações internacionais chinês Gao Feng.

Mais informações

A segunda maior potência econômica mundial é o principal parceiro comercial da Rússia, com quem o comércio alcançou 90 bilhões de dólares em 2013 e, no primeiro semestre deste ano, cresceu 3,4% em relação ao ano anterior. A China continua crescendo – ainda que a um ritmo menos acelerado do que nos últimos anos – e continua na busca constante por fontes de matérias-primas, especialmente no setor de energia, o que pode ser oferecido pelo vizinho do norte, que precisa encontrar novos clientes diante da deterioração de suas relações com o Ocidente por causa da crise ucraniana.

Mas o nexo não é meramente econômico. Xi e Putin têm visões ideológicas parecidas. Os dois presidentes compartilham um ponto-de-vista nacionalista – ainda que tenham o cuidado de evitar esse tipo de retórica em suas relações mútuas, reservando-a para outras potências menos afinadas – e um modelo de liderança de “homem forte” disposto a desafiar as interferências estrangeiras. Ambos flertam com a ideia de se apresentarem como alternativa ao modelo ocidental e ao domínio dos Estados Unidos como grande potência. Xi fala com frequência do “sonho chinês” – que, nesta semana, na cúpula da APEC, ele estendeu a um “sonho para a Ásia-Pacífico” -, no qual seu país terá um papel de modelo para a região. Sua aliança com a Rússia reforça a China como líder regional.

Diferentemente do que ocorria na era soviética, agora Pequim é o "irmão mais velho"

Os dois países, que frequentemente já votavam em uníssono no Conselho de Segurança da ONU, reforçaram grupos como os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e instituições regionais que definhavam, como a Organização de Cooperação de Xangai (SCO, na sigla em inglês) ou a quase desconhecida Conferência para a Interação e as Medidas de Criação de Confiança na Ásia (CICA, na sigla em inglês). Em ambas, a China é o país mais influente.

Para Gao, a sintonia atual é um simples relacionamento de conveniência: “São duas linhas paralelas, que se apoiam mutuamente mas têm seus próprios interesses”. É possível que os dois países aprofundem ainda mais sua relação bilateral em áreas como a cooperação militar ou até no Oceano Ártico, “para a exploração de fontes de energia ou para se algum dia for estabelecida alguma rota de navegação”. Mas o analista afirma que, ainda que a Rússia “se encontre sob pressão” para se aproximar ainda mais da China por causa do nível de suas disputas com o Ocidente, Pequim “tenta manter uma distância razoável e quer que a relação continue no nível em que está”.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: