México

Casa da primeira-dama mexicana é alvo de polêmica

Residência foi construída por uma empresa com ligação com consórcio sob suspeita

Cena de um vídeo que mostra a casa de Angélica Rivera.
Cena de um vídeo que mostra a casa de Angélica Rivera.

A vinculação da casa da primeira-dama do México, Angélica Rivera Hurtado, com uma construtora relacionada ao consórcio que venceu a recém-anulada licitação para o trem-bala que ligaria a capital do país a Querétaro está causando a polêmica entre os mexicanos. Inicialmente o próprio Peña Nieto foi apontado como dono do imóvel, mas o porta-voz do Governo, Eduardo Sánchez, informou que a casa pertence a Rivera, uma famosa atriz de telenovelas. Ambos estão casados com separação de bens desde novembro de 2010.

Mais informações

A investigação que revelou tal vínculo, feita por uma equipe da jornalista Carmen Aristegui, mostra que o imóvel, no bairro de Colinas de Chapultepec, foi construído pela empresa Ingeniería Inmobiliaria del Centro, controlada por Juan Armando Hinojosa, dono do Grupo Higa – uma empreiteira que ganhou várias licitações no Estado do México durante o mandato de Peña Nieto como governador. O Grupo Higa também é dono da Constructora Teya, uma firma associada à empresa ferroviária chinesa que obteve a licitação para construir o trem-bala até Querétaro.

Essa licitação, no valor de 4,8 bilhões de dólares (12,7 bilhões de reais), foi revogada na quinta-feira passada pelo presidente do México, pouco antes de ele iniciar uma viagem à China. As autoridades do gigante asiático se mostraram “surpresas” com a anulação, mas observaram que a decisão não teve relação com a sua proposta. O Governo mexicano declarou que pretende indenizar a companhia chinesa e que espera que esta volte a apresentar uma proposta.

Interior de um dos cômodos da residência da atriz Angélica Rivera, esposa de Enrique Peña Nieto.
Interior de um dos cômodos da residência da atriz Angélica Rivera, esposa de Enrique Peña Nieto.

O contrato de compra do imóvel da primeira-dama, segundo fontes governamentais, foi fechado em janeiro de 2012, onze meses antes de Peña Nieto tomar posse como presidente. Os terrenos, que pertenciam à construtora desde 2009 e 2010, são vizinhos a um edifício registrado há vários anos em nome de Rivera. “O objetivo de adquiri-los era ampliar o espaço da sua casa”, diz a nota governamental. “A senhora Angélica Rivera é economicamente solvente e contava com recursos suficientes para adquirir esses imóveis. A longa carreira profissional de Rivera lhe permitiu consolidar seu patrimônio pessoal”, afirma o comunicado oficial. A casa, obra do arquiteto Miguel Ángel Aragonés, tem sete quartos, academia de ginástica, hidromassagem e garagem subterrânea. No começo deste ano, a moradia foi apresentada à sociedade em uma ampla reportagem fotográfica na revista ¡Hola!. Naquele artigo, Rivera mostrava o imóvel como seu futuro lar, quando o mandato do marido terminar.

A esposa de Peña Nieto pagou 30% do valor à empreiteira com um cheque nominal da sua conta bancária pessoal. “A referida aquisição foi a prazo, e, com o propósito de documentar a dívida, ela assinou notas promissórias de acordo com o disposto em lei. É pertinente destacar que, desde então, a senhora Angélica Rivera Hurtado saldou pontualmente sua dívida por meio de pagamentos verificados de cheques da sua conta pessoal; o pagamento mais recente foi em outubro deste ano. Uma vez que se cubra o montante total da dívida, a parte vendedora outorgará a escritura em favor da senhora Angélica Rivera Hurtado”, conclui a nota oficial.