Atirador ataca o Parlamento do Canadá e deixa um soldado morto

Homem ataca a tiros o Parlamento de Ottawa e mata um soldado antes de ser abatido

Policiais e paramédicos socorrem homem ferido no tiroteio.
Policiais e paramédicos socorrem homem ferido no tiroteio.MICHEL COMTE (AFP)

O Canadá perdia a inocência esta manhã depois das dez, quando pelo menos um homem armado atacava a tiros o Parlamento de Ottawa pouco depois de abater um soldado que guardava o National War Memorial, monumento próximo ao legislativo canadense. O centro da cidade, em outras circunstâncias um lugar calmo e onde reina a ordem, foi fechado pela polícia e tomado por forças de segurança fortemente armadas que, a princípio, procuravam mais de um autor já que aconteceram vários incidentes.

Mais informações

O atacante, cuja identidade ainda é desconhecida, foi abatido no interior do Parlamento do Canadá, segundo informou a polícia, que também confirmou que investigava se tinham acontecido dois ou três incidentes (o do Parlamento; o do do monumento e outro mais em um shopping center, que no final foi descartado), por isso procuravam mais suspeitos. Pelo menos duas pessoas estavam feridas, uma delas poderia ser um guarda do Parlamento.

O desta manhã é o segundo ataque que acontece no Canadá em uma semana. Na segunda-feira, um jovem de 25 anos, descrito pela polícia como alguém “claramente vinculado a uma ideologia terrorista” e investigado por seus laços com o jihadismo, matou um soldado e deixou outro ferido depois de atropelá-los deliberadamente com seu carro em uma cidade de Quebec. O incidente de Quebec coincidia com a partida de seis aviões de combate canadenses ao Kuwait para participar nos bombardeios que a coalizão internacional está realizando contra o autonomeado Estado Islâmico no Iraque. No começo do mês, a Câmara dos Comuns aprovava a participação nos ataques aéreos contra o EI. Ainda não se sabe se o incidente do atropelamento dos militares está relacionado ou não com o ataque ao Parlamento.

Perto das dez da manhã, um homem que chegou ao lugar de carro escondendo um rifle debaixo de uma manta abatia a tiros um soldado que fazia guarda no monumento à guerra em frente ao parlamento canadense, segundo relatavam os meios de comunicação locais. A partir daí houve uma escalada dos fatos que levaram à evacuação de urgência do primeiro-ministro canadense, Stephen Harper, que se encontrava reunido com legisladores de seu partido – o conservador – quando um homem armado entrou no edifício e passou correndo ao lado da porta em que se encontrava o mandatário.

“O primeiro-ministro estava reunido quando aconteceu uma forte explosão seguida de vários disparos”, disse Tony Clement, membro do Gabinete de Harper. Toda a área, conhecida como Parliament Hill e onde é habitual ver crianças jogando futebol nas áreas verdes, ficou fechada por forças policiais fortemente armadas.

No interior do edifício do Parlamento era possível escutar disparos e um repórter do jornal The Globe and Mail subiu um vídeo ao YouTube no qual era possível ouvir tiros e vários agentes da polícia disparando. Com informações frenéticas sendo divulgadas no Twitter, o porta-voz de Harper, Jason MacDonald, confirmou que o mandatário estava a salvo. Muitos jornalistas que cobriam a jornada parlamentária de hoje encontravam-se presos dentro do Parlamento, que estava sendo registrado minuciosamente pela polícia.

Citada pelo Globe and Mail, Carol Devine, a dona de uma joalheria de um hotel próximo ao Parlamento relatava que ninguém podia entrar ou sair do edifício. “É uma sensação muito estranha”, disse a mulher. “Sinto-me como no 11 de setembro, esse dia também estava trabalhando aqui e havia no hotel uma delegação dos EUA. Sinto a mesma sensação estranha daquele dia.”

O Canadá tinha elevado seu nível de alerta terrorista na terça-feira depois do incidente do jovem jihadista apesar de que não existia “uma ameaça específica”, segundo insistiram fontes oficiais, que atribuíram a precaução “ao aumento do burburinho online” de grupos radicais, incluindo o Estado Islâmico e a Al Qaeda.

No vizinho Estados Unidos, o presidente Barack Obama falou com o primeiro-ministro Harper, segundo confirmou o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest. “Tiveram oportunidade de conversar”, disse Earnest sem dar mais detalhes durante sua habitual entrevista coletiva. O FBI mandou que fosse elevado o nível de alerta em todas suas sedes e o Comando de Defesa Aeroespacial Norte-Americano (NORAD, por sua sigla em inglês), fazia o mesmo depois do ataque em Ottawa. “O NORAD está dando todos os passos apropriados e prudentes para estar em condições adequadas para responder rapidamente a qualquer incidente que afete a aviação no Canadá”, afirmou o Comando em sua conta oficial da rede social Twitter.

O Canadá não é totalmente estranho ao terrorismo e nos anos setenta sofreu com sequestros políticos por parte da Frente de Liberação de Quebec durante o que se conhece como a Crise de Outubro. O país tranquilo também viveu vários tiroteios, ambos em centros educativos, um na Escola Politécnica em 1989 e outro no Dawson College em 2006.

O prefeito de Ottawa, Jim Watson, assegurou em uma entrevista coletiva que era “um dia triste e trágico para nossa cidade e nosso país”. A seu lado, porta-vozes da polícia afirmavam que a situação continuava “fluída” e que a investigação continuava. “Todos queremos respostas” e as autoridades trabalham para proporcioná-las, confirmou o prefeito. Foi pouca a informação que a polícia pôde proporcionar durante a entrevista coletiva, a não ser admitir que o ataque pegou a todos “de surpresa”, segundo reconheceu Gilles Michaud, da Polícia Montada do Canadá.

Em um comunicado, o primeiro-ministro Harper, sublinhou “a importância de que o Governo e o Parlamento continuem funcionando” apesar do violento incidente. Mas Ottawa estava em estado de choque e o coração do Governo canadense havia sido tocado para sempre.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: