ESPECIAL ALMODÓVAR
Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Ironia pop

Depois de colaborar com Almodóvar em 'Fale com ela', Caetano Veloso comenta a obra do diretor, na ocasião em que ele recebeu o prêmio Príncipe de Astúrias das Artes, em 2006

Pedro Almodóvar se transformou em um artista síntese das complexas relações que se apresentaram, a partir dos anos 60 do século XX, entre a cultura séria e a arte popular de massa. Não só criou um cinema que é ao mesmo tempo popular e profundo, como também fez de seu cinema um perpétuo comentário sobre essa questão.

Fellini era popular e profundo, Godard é um perpétuo comentário sobre o fato do que o cinema pode vir a ser. Mas os filmes de Pedro não pretendem ser tão impopulares como música dodecafônica ou as fórmulas quânticas – seus filmes também não estão presos em suas narrativas. Sua obra está mais próxima do rock do que do jazz.

Mais informações
Mostra de Cinema de São Paulo celebra Pedro Almodóvar
“Talvez tenha que inventar uma nova vida para mim”, diz Almodóvar
A melhor homenagem às grandes atrizes
“As canções tristes não me deixam triste... Me deixam eufórico”
O último sonho
Grandes momentos de Almodóvar

É a vitória da inteligência livre guiando uma sensibilidade intensa: o sonho dos músicos da minha geração. Quando vi A lei do desejo, o primeiro filme dele que assisti, compreendi imediatamente que seria assim. Seus filmes são a oportunidade ideal para observar o quanto de silêncio comicamente reverente existe nos espectadores franceses, e o quanto de risadas vazias existe nos espectadores norte-americanos. E nos fazem compreender como, nos dois casos, tudo é comovedor.

São também a expressão do espírito espanhol, com uma versão particular de seu sentido de humor, impregnada de ironia pop. Nos Estados Unidos disseram que Fale com ela é o melhor filme da década, um dos melhores de todos os tempos, um em um século, e sei lá mais o quê. E agora ele ganha o prêmio Príncipe de Astúrias. É uma glória merecida. E sobretudo, é a confirmação da universalidade de seu gênio, uma experiência sobre a qual todos nós, de cultura ibérica, devemos pensar muito.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS