Feminismo

Ameaça ‘hacker’ a Emma Watson era falsa

Empresa de marketing viral diz estar por trás do anúncio e que o fez para envolver os homens na causa da igualdade de direitos

A atriz e modelo Emma Watson.
A atriz e modelo Emma Watson.

Não há antídoto contra erros virais. Os internautas sempre voltam a cair nessas armadilhas, muito difíceis de detectar. O último caso se refere ao site emmayouarenext.com, onde havia uma contagem regressiva para o momento em que seriam divulgadas fotos da atriz Emma Watson nua – algo que já ocorreu recentemente com a revelação de um grande número de imagens íntimas de famosas como Kim Kardashian e Jennifer Lawrence. A ameaça era supostamente uma represália ao emotivo discurso feminista que a estrela proferiu no sábado na sede da ONU, por ocasião da campanha Heforshe. Mas era tudo mentira.

A página mostra nesta quarta-feira uma mensagem de uma companhia falsa, chamada Rantic, que se diz “contratada pelos publicitários das celebrities”. “O vazamento de nus de famosas foi uma invasão da privacidade que indica que a internet precisa ser censurada”, diz o texto, que vem acompanhado de um link com uma carta aberta à Casa Branca. A Rantic se apresenta como uma empresa de marketing que teria participado de diversas campanhas e videoclipes virais. E inclusive indica o nome do seu diretor-executivo: Brad Cockingham, que aparentemente também não existe.

Mais informações

A apresentação da sua conta no Twitter é ainda mais ambígua, e também imaginativa. Ali os integrantes da empresa se definem como “deuses das mídias sociais”. Nessa conta, criada na própria quarta-feira, eles lançam mensagens como “trabalhando com a NASA aprendemos uma coisa: não mande macacos consertar suas coisas”.

Tudo indica que por trás da Rantic está a Socialvevo, autora de outro famoso boato referente à série de desenhos animados Uma Família da Pesada. Depois da morte de um dos personagens num episódio, apareceu outro site com uma contagem regressiva após a qual esse personagem faria um anúncio. Sites especializados asseguram que esses virais são criados para conseguir dinheiro com o número de visitas.

A empresa fictícia se aproveitou, neste caso, da enorme repercussão do discurso de Emma Watson em favor da campanha Heforshe, uma iniciativa que quer envolver os homens na causa da igualdade de direitos para mulheres.