Cães e gatos também sofrem de depressão

Eles são afetados pela mudança de rotina. Anote estas dicas para diminuir o estresse

O retorno para casa depois de férias gratificantes é difícil para todos. Terminou o ócio 24 horas por dia, o despertador toca de novo às sete da manhã, é preciso se levantar para ir ao trabalho e conviver com o estresse e a pressa. Mas e nossos mascotes? Como a mudança de hábitos afeta cães e gatos? Alguns se adaptam sem problema a rotinas e outros podem chegar a ficar deprimidos, deixar de comer e provocar destroços na casa quando seus donos se ausentam. Certas dicas podem evitar tristezas, ansiedades e problemas de conduta em nossos companheiros de quatro patas.

Estas são as mais importantes:

Gatos anti-férias, melhor em casa. Os felinos são animais muito apegados a seu território e sair de casa durante uns dias de férias não costuma ser a melhor opção para eles. Embora não se possa generalizar, é comum que um gato fique estressado quando abandona sua rotina e seu ambiente. “Tanto uma viagem quanto a permanência em um hotel para gatos ou uma mudança de casa temporária, pode significar para o gato momentos de ansiedade, medo e estresse”, explica Marco Villén, veterinário.

Alternativas felinas. O melhor é que o gato fique em casa e uma pessoa de confiança passe a cada dois ou três dias para revisar seu estado e dar água e comida. “Embora os gatos sintam falta das pessoas com as quais convivem quando estas viajam, compensa evitar o grau de estresse que significa abandonar seu território, ambiente e rotina habituais”, adverte Villén.

Cães que não suportam a ausência de seus donos. Os cães são mais adaptáveis que os gatos às mudanças de casa e rotina, mas se forem levados juntos nas férias, é preciso tentar deixá-los sozinhos umas horas por dia. Assim, ao voltar, quando você sair de casa e eles ficarem sozinhos por causa de suas obrigações diárias, sua ausência não se converterá em um calvário para o cachorro. Ao redor de 20% destes animais, sobretudo os que vivem em casas e zonas urbanas, padecem de ansiedade por separação, segundo Villén. Se o cão está todo o dia com seus donos durante as férias e perde o costume de passar um tempo sozinho, vai ser difícil se acostumar à desaparição pontual de sua família humana durante o resto do ano.

Recuperar a rotina de forma gradual. Na medida do possível, o melhor é voltar para casa uns dias antes de se integrar totalmente ao turbilhão dos horários de trabalho e das obrigações. Desta forma, poderemos dar uma margem a nosso animal para que se acostume ao novo ambiente. “Nossos companheiros de quatro patas precisam de um ambiente previsível; com horários ordenados e metódicos, como a hora do passeio, da comida ou da brincadeira”, aconselha o veterinário Marco Villén.

Feromônios que relaxam cães e gatos depois das férias. Quando nosso animal demonstra estar alterado, nervoso, inquieto ou perdido depois do descanso das férias, podemos relaxá-lo e propiciar seu bem-estar com a aplicação de certos cheiros. O olfato é um dos sentidos mais desenvolvidos em cães e gatos. Certos aromas influenciam seu estado de ânimo e podem tanto alterar quanto relaxar. A partir desta base, foram elaborados produtos com feromônios ou partículas olfativas selecionadas para relaxar e trazer bem-estar a nossos animais. Estes cheiros em vidrinhos de perfume fazem os cães e gatos lembrarem momentos gratificantes, como quando eram amamentados por suas mães. São comercializados em vários formatos, como colares, spray ou difusor, e custam ao redor de 50 reais.

Se há falta de apetite ou mudanças de conduta, procure o veterinário. Se o cão ou o gato estão saudáveis, o habitual é que a adaptação à rotina seja rápida e sem incidentes (ao redor de uma semana). Apesar disso, se ao voltar das férias com o animal, você começar a detectar mudanças de comportamento, como falta de apetite ou depressão, que continuam por vários dias, consulte um especialista.

Depois de aproveitar com o cachorro de alguns dias de férias no interior ou na praia, é aconselhável revisar seu pelo por causa de parasitas externos, como pulgas ou carrapatos. As orelhas, sobretudo se forem longas e peludas, podem ter dobras que, se parasitas penetrarem no interior do ouvido, podem provocar lesões.

Muita quantidade do mais evidente: carinho, amor e paciência. A necessidade mais óbvia de nossos animais pode acabar sendo, em alguns momentos, a que mais esquecemos e a que é mais importante: carinho, amor e paciência não têm preço para eles. Com estes ingredientes, eles superam qualquer problema. Devemos ser generosos.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: