POLÍTICA MONETÁRIA

A dívida espanhola atinge mínima histórica graças às medidas de Draghi

O euro também mantém sua queda diante do dólar e as Bolsas prolongam as altas

Um investidor olha seu monitor, na Bolsa de Frankfurt.
Um investidor olha seu monitor, na Bolsa de Frankfurt.Michael Probst (AP)

Esta sexta-feira é um dia de ressaca nos mercados depois do anúncio de ontem sobre as novas medidas do BCE para tirar a Zona do Euro do atoleiro. Nas Bolsas, os investidores evitaram o ajuste e os principais índices ficaram estáveis depois das fortes altas resultantes do ato dramático do presidente do instituto emissor, Mario Draghi. Em relação às moedas, o euro continuou perdendo posições diante do dólar, mesmo que não de forma tão pronunciada, e foi cotado a 1,29 unidades por dólar. Diante dessa situação de calmaria depois da tormenta, o destaque foram os mercados de dívida, nos quais os países periféricos prorrogaram sua melhoria encurtando distâncias com os sócios fortes da UE.

Ainda que a dívida pública não entre no novo pacote de estímulos de Draghi, que restringe a compra de ativos da dívida em poder do banco, as rentabilidades exigidas para os títulos da Espanha continuam baixando. No meio da manhã, os juros dos bônus de 10 anos no mercado secundário, que é onde se negocia a dívida espanhola emitida pelo Tesouro, caíram a 2,092%. No dia 27 de agosto chegaram a registrar 2,08%, o índice mais baixo da história. Também caiu a rentabilidade para os demais prazos.

Com essa queda, o prêmio de risco espanhol, que é o ágio exigido pelos bônus do Tesouro diante de seus similares alemães, que são referência por sua estabilidade, continuaram caindo. No mesmo momento, esse indicador da confiança nas finanças de um país situou-se em 113 pontos básicos, seis menos do que ontem, e acumula uma redução de 20 pontos básicos na semana. O prêmio de risco não chegava a esses níveis tão baixos desde maio de 2010, quando a Zona do Euro começava a entrar na crise da dívida com o resgate à Grécia em abril daquele ano.

No caso da Itália, os bônus a 10 anos do país realmente registraram novos recordes para baixo ao serem trocados nesta sexta-feira com juros de 2,296%.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS