PRISA reduz sua dívida em 2 bilhões de reais nos últimos quatro meses

A empresa aprova sua saída da Bolsa de Nova York

O grupo PRISA reduziu sua dívida em 704 milhões de euros (2,08 bilhões de reais) nos últimos quatro meses, valendo-se de diversas operações, segundo comunicado divulgado pela empresa, que edita o EL PAÍS. O grupo anunciou nesta terça-feira à Comissão Nacional do Mercado de Valores da Espanha a recompra de mais de 133 milhões de euros (392,3 milhões de reais) da sua dívida financeira, com um desconto de 25% sobre o valor nominal. Esta recompra se soma às operações já anunciadas em 22 de maio, num valor de 165 milhões de euros (com desconto de 27,62%), e em 7 de agosto, superando os 406 milhões de euros (com deságio de 25,05%).

Do mesmo modo, o PRISA anunciou o início dos trâmites para deixar de ter ações do tipo ADS (American depositary shares) negociadas na Bolsa de Nova York. Junto com isso, aprovou a retirada da companhia do registro da Comissão de Títulos e Câmbio (SEC) dos EUA. O grupo tem a intenção de manter seu programa de ADRs (American depositary receipts) nos EUA, em ações que continuarão sendo negociadas nos mercados OTC (over the counter, ou “sobre o balcão”).

O Conselho de Administração do PRISA tomou essa decisão apoiando-se, entre outros fatores, na avaliação do volume de operações relativamente baixo dos seus papéis nos EUA, na conversão definitiva das ações sem voto de classe B em ações ordinárias classe A e na conseguinte economia de custos, conforme indica a nota.

O PRISA estima que a exclusão dos títulos ADS se dará na prática a partir de 22 de setembro, último dia da sua negociação na Bolsa de Nova York.

As ações ordinárias classe A do PRISA continuarão sendo negociadas nos mercados secundários da Espanha (Bolsas de Madri, Barcelona, Bilbao e Valência, e através do Sistema Espanhol de Interconexão Mercantil). Portanto, o PRISA continuará sujeito aos deveres de informação e transparência, às obrigações de governança corporativa e às normas contábeis espanholas.