A AMEAÇA JIHADISTA

Berlim arma a luta contra o jihadismo

O Governo Merkel, numa guinada na política externa, enviará material bélico aos curdos do Iraque

Merkel explica a decisão de armar aos curdos

A Alemanha há anos se acostumou a ser um gigante econômico encerrado no corpo de um anão político. Mas algo está se movendo em sua política externa. Já não se trata apenas de que seus líderes apontem em solenes discursos a necessidade de se envolver mais nos desafios que se apresentam à comunidade internacional, algo que o presidente da República, Joaquim Gauck, fez em numerosas ocasiões. A decisão do Governo da chanceler Angela Merkel, referendada nesta segunda-feira pelo Parlamento, de armar os curdos iraquianos para lutar contra os jihadistas do Estado Islâmico (EI) implica um passo real nessa vontade manifestada sobre o papel.

“Temos que escolher. Ou não assumimos nenhum risco, não entregamos armas e aceitamos que o terror se propague. Ou apoiamos aqueles que de forma desesperada, mas também valente, lutam com poucos recursos contra a barbárie do terror do EI”, disse a chanceler (primeira-ministra) Merkel na tribuna do Bundestag, em uma reunião extraordinária.

MAIS INFORMAÇÕES

É verdade que o Governo não tinha obrigação de convocar essa sessão, mas a esmagadora maioria da grande coalizão entre democratas-cristãos e sociais-democratas não deixava margem para uma surpresa desagradável a Merkel e seus aliados.

A decisão de ajudar aos curdos do norte do Iraque com mísseis antitanques, lançadores de granadas, fuzis de assalto, pistolas e granadas de mão, a serem distribuídas a 4.000 peshmergas, foi adotada na tarde de domingo em uma reunião presidida por Merkel, com a presença da ministra de Defesa, a democrata-cristã Ursula von der Leyen, e do ministro de Relações Exteriores, o social-democrata Frank-Walter Steinmeier.

Ele mesmo apontou os riscos que a operação acarreta, como o de que as armas acabem em mãos erradas ou que os curdos as utilizem para formar um Estado próprio, em vez de se defenderem dos ataques dos jihadistas sunitas. Esses riscos são os mesmos que ontem a oposição da Esquerda e dos Verdes lhe jogaram na cara. “O Iraque precisa de menos armas, não de mais”, arremeteu o líder esquerdista Gregor Gysi. Mas Steinmeier replica que o apoio aos curdos é necessário porque o avanço do EI significa não só “uma tragédia humana de dimensões insuspeitadas, mas também uma ameaça à existência do Iraque”.

O envio de armas no valor de 70 milhões de euros (206 milhões de reais), que começarão a chegar ao Iraque em duas semanas, implica um risco para o Governo alemão não só do ponto de vista militar como também da política interna. Diferentes pesquisas mostraram nos últimos dias que entre 60% e 80% dos alemães se opõem ao envio de armas para os curdos. Como argumento para vencer essa resistência, Merkel alertou ontem que o potencial desestabilizador de uma região inteira pode acabar afetando a Europa e a Alemanha. O Executivo, por via das dúvidas, descarta qualquer tipo de intervenção armada das forças alemãs e salienta que o envio de material conta com o aval das autoridades de Bagdá.

A guinada anunciada pelo Governo alemão coloca Berlim no pelotão dos países europeus que ofereceram ajuda militar para frear esse novo ramo do jihadismo que opera principalmente no Iraque e na Síria. Não é a primeira vez que a Alemanha moderna envia armas a uma zona em conflito – já fez isso em 1991 para apoiar o Kuwait, invadido pelo Iraque de Saddam Hussein, e ocasionalmente para Israel –, mas significa um passo adiante na busca por um papel de liderança internacional, num país que foi duramente criticado em 2011 ao se alinhar a nações como a Rússia e a China, abstendo-se na votação de uma resolução da ONU sobre a intervenção na Líbia. Angela Merkel também encabeçava o Governo que tomou essa decisão, embora na época estivesse coligada aos liberais do FDP, enquanto agora está em coalizão com os sociais-democratas do SPD. Os líderes da UE salientaram na cúpula do fim de semana passado o seu apoio à luta contra o EI e respaldaram os países que se decidam unilateralmente, como agora a Alemanha, a enviar material militar.

“A novidade da situação atual é a disposição alemã de se envolver em um conflito que não afeta especialmente nenhum sócio estreito”, responde Volker Perthes, presidente executivo do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança. Seria essa decisão parte de uma nova política externa alemã? “Sim, absolutamente. O ministro de Relações Exteriores e outros líderes repetiram em diversas ocasiões que não podemos nos restringir a observar de fora as crises internacionais. Esse princípio só é crível quando se reage rapidamente aos conflitos”, resume Perthes.

Arquivado Em: