Seleccione Edição
Login

O Banco Central injeta 30 bilhões de reais na economia no Brasil

O órgão muda as exigências dos bancos para liberar outros 15 bilhões em empréstimos para estimular o crescimento do país

A presidenta do Brasil, Dilma Rousseff
A presidenta do Brasil, Dilma Rousseff REUTERS

O Banco Central (BC) do Brasil injetará 30 bilhões de reais para os bancos emprestarem para famílias e empresas, em uma das medidas anunciadas nesta sexta-feira para estimular o cada vez mais discreto crescimento da economia. Além disso, o Banco Central também mudou os critérios relativos à exigência mínima de capital para dar crédito em operações de compra no varejo, o que liberará na economia real mais de 15 bilhões de reais, segundo a entidade.

“Vamos ver como esses 15 bilhões de reais se colocam na economia. Não somos adivinhos, o banco verificará onde existe demanda, já que não tem que reservar parte do capital dos empréstimos. A possibilidade de uso desses recursos é imediata”, disse o chefe do Departamento de Normas do BC, Sérgio Odilon dos Anjos, segundo apurou a imprensa local.

A alta da inflação e a baixa confiança de famílias e empresas somam-se no Brasil à desaceleração do crédito dos bancos: em 2010 o crescimento dos empréstimos era de 20,6%, enquanto a previsão para 2014 é de 12%.

A desaceleração do crédito foi muito criticada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, que recentemente, em uma reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), destacou que há “escassez” de crédito para o consumo no Brasil.

Além disso, a economia brasileira se retraiu 0,18% em maio em comparação com abril, o seu pior desempenho este ano, segundo um índice divulgado pelo Banco Central considerado como prévia do produto interno bruto (PIB). O chamado Índice de Atividade Econômica (IBC-BR), que o Banco Central utiliza para tentar antecipar o comportamento do PIB, registrou em maio sua segunda retração este ano, após haver caído 0,09% em fevereiro e depois de dois meses consecutivos de baixo crescimento: 0,12% em abril e 0,05% em março.