AS TENSÕES ENTRE VENEZUELA E ESTADOS UNIDOS

Caracas abre as portas para recuperar as relações diplomáticas com os EUA

Um encarregado de negócios venezuelano chegou a Washington e em breve um representante norte-americano irá para a Venezuela

Maduro em um ato militar em Caracas em 1 de julho.
Maduro em um ato militar em Caracas em 1 de julho.LEO RAMIREZ / AFP

Os Estados Unidos e a Venezuela abriram as portas para uma nova tentativa de recompor, dentro do possível, as tensas relações que mantêm há anos. Em meio a uma discrição absoluta chegou a Washington esta semana o novo encarregado venezuelano de negócios, Maximilien Sánchez Arveláiz. Seu correspondente norte-americano, Lee McClenny, chegará a Caracas “nos próximos dias”. A notícia foi confirmada na noite de quinta-feira tanto pelo Departamento de Estado dos EUA como pelo ministro de Relações Exteriores da Venezuela, Elías Jaua, durante sua permanência em Washington para participar de uma reunião de chanceleres da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Essa nova tentativa de recompor relações que não superaram os níveis mais baixos desde que ambos os países retiraram seus embaixadores, em 2010, coincide com o aumento das críticas de antigos aliados chavistas à gestão do presidente Nicolás Maduro, da qual alguns antigos altos funcionários começam a se demitir.

“A partir de hoje [quinta-feira] já temos um novo encarregado de negócios da Venezuela nos EUA, o companheiro Maximilien Arveláiz, que vem com a tarefa de continuar abrindo o caminho para se conseguir uma relação de alto nível de respeito com o Governo dos EUA”, anunciou Jaua. Caracas, por sua vez, já deu a “autorização” a Lee McClenny, designado pelo Departamento de Estado e cujo nome foi divulgado nesta sexta-feira. Ele “deve chegar à Venezuela nos próximos dias”, acrescentou Jaua. Um porta-voz do Departamento de Estado em Washington confirmou a identidade do novo encarregado de negócios.

O movimento coincide com o aumento das críticas a Maduro entre os chavistas

Segundo Jaua, ainda é muito cedo para falar de uma “normalização” das relações, que têm sofrido constantes altos e baixos desde os anos do Governo do falecido Hugo Chávez, sem chegar a se recuperar com a presidência de Nicolás Maduro. “Não gostaria de ser otimista, porque em outras oportunidades fizemos isto. Mas, sim, é um novo esforço para elevar as relações entre nossos países”, explicou Jaua. “Estamos sempre fazendo um esforço da parte da Venezuela, e temos de reconhecer que, nos últimos dias, também da parte dos EUA para restabelecer uma relação de respeito mútuo baseada na não ingerência nos assuntos internos”, afirmou. É com essa tentativa que se encaixa a chegada do novo encarregado de negócios, embora o chanceler venezuelano tenha qualificado de “coincidência” que o representante norte-americano viaje quase ao mesmo tempo para Caracas.

Apesar de tudo, não deixa de ser um gesto significativo. Arveláiz é o nome que Maduro havia anunciado como o escolhido para assumir o cargo de embaixador em Washington em 25 de fevereiro, pouco depois de irromperem os protestos sociais que puseram o seu Governo em xeque. Sua decisão foi divulgada, além disso, uma semana depois de Caracas expulsar três diplomatas norte-americanos que, segundo o Governo venezuelano, haviam atiçado os protestos. A medida teve a contrapartida imediata de Washington, que ordenou a saída de três membros da Embaixada venezuelana na capital norte-americana.

Pouco mais de um mês depois –e após renovadas acusações de Caracas sobre a suposta ingerência norte-americana nos protestos–, Maduro renovava a Washington sua oferta de trocar embaixadores, em um artigo opinativo no The New York Times. A resposta não demorou: não seria dada a aprovação ao representante diplomático venezuelano porque Washington considerava que Caracas deveria se concentrar no diálogo interno e não desviar a atenção para os EUA. Agora Arveláiz está em Washington e, embora seja somente como encarregado de negócios e não com o posto de embaixador, sua chegada significa que o Governo de Barack Obama deu o aval ao seu nome.

"Estamos fazendo um esforço para retomar uma relação de respeito mútuo”, disse o chanceler Elías Jaua

A notícia chegou no mesmo dia em que o secretário de Estado, John Kerry, enviava uma mensagem de felicitação ao povo venezuelano quando se comemoram os 203 anos de sua independência, celebrada um dia depois da festa nacional norte-americana do 4 de Julho. “As dificuldades e os desacordos em nossa relação oficial durante os últimos anos não mudam o compromisso dos EUA com os venezuelanos enquanto tentam conseguir um futuro mais democrático e próspero”, afirmou Kerry.

O mais visto em ...Top 50