Em campo contra a Suíça, na arquibancada contra o Brasil

Argentinos e brasileiros se enfrentam em uma batalha de gritos de torcida, antecipando um clima de competição máxima, que pode se confirmar numa final

Torcedores argentinos apoiam sua seleção durante o jogo contra a Suíça.
Torcedores argentinos apoiam sua seleção durante o jogo contra a Suíça.D. A. / EFE

Um sujeito vestido com a camiseta azul celeste de Messi começa de repente a gritar "Suíça! Suíça! Suíça!" na arquibancada do Itaquerão. A cena notável, durante a partida decisiva para argentinos e suíços, reservou várias nuances que destacam, na verdade, como a Argentina desperta amor e ódio entre os brasileiros – e o jovem com a camiseta de Messi era, obviamente, um brazuca. O jogo, que definiria a vaga para a quartas de final, levou mais de 63.000 torcedores para a zona leste de São Paulo. "Estou indo torcer contra a Argentina", dizia um jovem cearense, com uma camiseta vermelha, sem ter a menor ideia de quem eram os craques da seleção que iria apoiar. "Temos de dar um Google para aprender pelo menos o hino suíço", se divertiam duas mocas brasileiras no metrô, que, segundo elas, precisavam ver a Argentina perder.

Mas muitos brasileiros seguiram para a arena com a ideia de torcer por um time sul-americano, afinal de contas, que ganhem os países do novo continente! Um deles arrumou até uma camiseta metade verde e amarela e a outra, com as cores da Argentina.

A torcida argentina, porém, muito numerosa e entusiasmada, repetia um grito de guerra para lá de provocador: "Brasil, decime qué se siente. Tener en casa a tu papá. Te juro que bien pasen los años, nunca lo vamos a olvidar. Que Diego los gambeteó. Que Cani los vacunó. Están llorando desde Italia hasta hoy. A Messi lo vas a ver. La Copa nos va a traer. Maradona es más grande que Pelé".

Pulando incansavelmente, e brincando o tempo todo, eles dançavam, agitando suas flâmulas, perucas e camisetas, antes do jogo começar.

A autoconfiança dos hermanos mexeu com os brios dos que iriam apoiá-los.

Para revidar, um grupo de brasileiros (melhor dizer, corinthianos), começou a cantar: "Se você é argentino, me explica como é, ter apenas duas Copas, uma a menos que o Pelé!"

Dentro do estádio, os argentinos voltavam a apoiar sua seleção sem deixar de provocar os brasileiros. Foi então que os brasileiros começaram a responder gritando: "Suíça! Suíça! Suíça!". Os argentinos devolviam – "Colômbia! Colômbia!", em alusão ao adversário do Brasil nesta sexta, quando se define o próximo semifinalista.

Foi assim na maior parte do jogo, que terminou, aos 90 minutos, num empate. A Suíça não foi um adversário tão fácil como esperavam os barra brava, que preferiram manter um silêncio comedido dentro do estádio. E os brasileiros aproveitaram essa deixa para aumentar o volume dos gritos pela Suíça – inclusive, os vestidos de Messi, que começaram a mudar de time – com a esperança de calar os celestes de vez.

Mas em campo, a Argentina revidou. Saiu um gol de Ángel di María, faltando três minutos para o fim da prorrogação. E os argentinos, chorando extasiados, voltaram a crescer e a gritar pela celeste, que afinal, estava classificada.

De volta, também, os gritos provocando o Brasil... Coube, então, à torcida verde-amarela fechar a partida em coro: "Argentina, pode esperar! A sua hora vai chegar!". Os dois times podem se cruzar na final da Copa, caso sejam vitoriosos nos próximos jogos. Um clássico que promete uma guerra de torcidas imperdível.

No EL PAÍS, dezenas de jornalistas trabalham para levar a você as informações apuradas com mais cuidado e para cumprir sua missão de serviço público. Se quiser apoiar nosso jornalismo e ter acesso ilimitado, pode fazê-lo aqui por 1 euro no primeiro mês e 10 euros a partir do mês seguinte, sem compromisso de permanência.

Inscreva-se