Copa do Mundo 2014 | BRASIL-CHILE

O Chile acusa o Brasil de espionar de helicóptero o treino da seleção

Uma aeronave da Globo, parceira da CBF, obriga a interrupção do treinamento a portas fechadas do técnico Sampaoli

A seleção do Chile treina em Belo Horizonte.
A seleção do Chile treina em Belo Horizonte.TORU HANAI / REUTERS

A TV Globo, rede de televisão mais poderosa do Brasil, enviou um helicóptero para 'espionar' o treinamento da seleção do Chile, ontem pela manhã. Os treinos do time, realizados a portas fechadas durante todo o campeonato, sob a supervisão do esquivo treinador Jorge Sampaoli, não tinham começado quando a sessão foi interrompida violentamente pelo surgimento do helicóptero sobre o campo, no complexo da Toca da Raposa, na Pampulha. O técnico parou o treino na mesma hora, em meio a uma confusão que acabou com a federação chilena lavrando uma queixa formal contra a Rede Globo por espionagem.

“A questão do helicóptero não foi muito longe”, disse Mauricio Isla, lateral chileno. “Quem mais se assustou foi o técnico, porque estava trabalhando a tática e não queria que a equipe rival soubesse como vamos planejar a partida. Nós queríamos atingir o helicóptero com a bola, mas não alcançávamos”.

A partida que a seleção do Chile vai disputar amanhã contra a seleção do Brasil no estádio do Mineirão será a mais dramática das oitavas de final. O técnico brasileiro, Luiz Felipe Scolari, admitiu que a equipe andina é a última que ele queria enfrentar. A Globo é parte interessada no assunto. O conglomerado midiático, parceiro fundamental da Confederação Brasileira de Futebol, têm muito em jogo com a Copa do Mundo. Com uma média de mais de 90 milhões de espectadores por dia, a emissora tem os direitos de retransmissão das partidas, estimados em mais de 900 milhões de reais. O custo exige uma amortização condicionada ao fluxo de publicidade inerente à permanência da seleção anfitriã no campeonato. Até a estabilidade política do país, ligada ao esfriamento da tensão social nas ruas, parece depender dos bons resultados da equipe do Brasil. O partida contra o Chile, portanto, não é só uma partida de futebol.

A desproporção histórica entre as seleções do Chile e do Brasil aumenta a pressão sobre os poderosos. Os jogadores chilenos, como Alexis Sánchez, mostram-se estranhamente provocadores. “Vamos ganhar”, disse o atacante do Barcelona. “Viemos à Copa para fazer história. Ganhamos do campeão do mundo, tivemos um tropeço com a Holanda, mas isso serviu para melhorar nossos erros. Esperamos ganhar essa Copa.”

“O chileno”, continuou Sánchez, “não tem fé nas grandes potências mundiais. Precisamos ter a mentalidade de ganhadores, como Arturon Vidal ou Gary Medel. Temos que ir em frente. O mesmo deve fazer Mauricio Isla, que é um dos melhores laterais do mundo, mas ele mesmo não acredita”.

Sánchez se dirigiu a seu colega, sentado a seu lado na coletiva de imprensa. “Eu sempre digo, ‘acredite, cara, você é um dos melhores do mundo’. Ele diz: ‘Sim, sim, sim...’ Mas não acredita. E se ele não acredita, quem vai acreditar? Estamos destinados a grandes coisas. Mas às vezes é preciso acreditar na história”.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete