Ofensiva jihadista

Al Maliki descarta um Governo de emergência para frear os jihadistas

O anúncio foi feito um dia após a visita de John Kerry a Bagdá e Erbill

Al Maliki recusa a formação de um Governo de unidade de emergência no Iraque. (reuters_live)
Agências

O primeiro-ministro iraquiano, o xiita Nuri al Maliki, descartou nesta quarta-feira a formação de um Governo nacional de emergência para fazer frente à ofensiva jihadista do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL), que desde dezembro pôs em xeque o Exército iraquiano no noroeste. "O apelo para formar um Governo de emergência nacional é um golpe de Estado contra a Constituição e o processo político", disse o primeiro-ministro em um discurso televisionado.

Este anúncio foi feito dois dias após o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, se reunir em uma visita surpresa com Al Maliki em Bagdá, e um dia após visitar Erbil (norte do país), onde falou com o dirigente curdo, Masud Barzani, para impulsionar um Governo de unidade no país, fragmentado em facções xiitas, sunitas e curdas. "Quando [os três grupos] participarem para eleger o Governo, o Iraque será mais forte e seguro", sublinhou Kerry, que viajou a Bruxelas para se unir aos demais representantes da OTAN e abordar a crise no Iraque.

Quase a metade dos 300 soldados especiais norte-americanos prometidos pelo presidente Barack Obama para apoiar o Exército iraquiano, e frear a ofensiva jihadista, chegaram nesta quarta-feira pela manhã à capital, segundo fontes do Pentágono citadas pela BBC, que afirmou que 40 efetivos já se encontram frente à guerra. "O resto chegará em questão de dias", afirma a corrente britânica.

A ONU anunciou na terça-feira que cerca de "1.000 civis morreram desde o dia 17 de junho" em combates entre forças do Exército e os rebeldes do EIIL. Além disso, desde que começaram os confrontos, os desalojados já superam o meio milhão, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR).

O avanço extremista para a capital, Bagdá, provocou a queda nas mãos do EIIL de várias cidades emblemáticas como Tikrit — cidade natal do desaparecido Saddam Hussein — e Baiji, localidade que abriga a maior refinaria petrolífera do país.

Mas o conflito estende-se para além das fronteiras iraquianas. O principal objetivo do EIIL é instaurar um Estado islâmico ou califado em um território que abarca parte de Síria, Iraque, Jordânia, Líbano, Palestina e Israel. Desde o domingo passado, a Jordânia começou a mobilizar suas tropas para a fronteira com Iraque (leste do país) para frear o avanço jihadista que tinha sido feito com o controle de vários postos fronteiriços.

Está previsto que, no próximo dia primeiro de julho, o Parlamento iraquiano eleja seu presidente e posteriormente o chefe do Governo, prazos com os quais o xiita Al Maliki, com uma maioria (embora não suficiente) obtida nas eleições do mês passado, se comprometeu.

Milhares de voluntários xiitas se alistam para combater o EIIL. (atlas)

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50