Bem-vinda, Costa Rica

Os ‘ticos’ se garantem nas oitavas, fulminam a Inglaterra e deixam outros dois campeões, Itália e Uruguai, diante do abismo A Itália tem duas caras em função do jogo de Pirlo

Bryan Ruiz marca o gol da Costa Rica.
Bryan Ruiz marca o gol da Costa Rica.RUBEN SPRICH (REUTERS)

O futebol é tão universal que, às vezes, espalha sorrisos onde ninguém espera. Essa é a sua magia, a de um jogo que preserva arcanos insondáveis. Seu último segredo era a Costa Rica, que hoje comemora com confete e serpentina a saga da sua seleção. Uma proeza completa, como sempre é garantir a classificação para as oitavas em apenas duas rodadas. Como se fosse pouco, pelo caminho fulminou um campeão mundial, a Inglaterra, já eliminada, e deixou outros dois, Itália e Uruguai, na corda bamba, precisando jogar tudo em uma só cartada no seu confronto direto da semana que vem. Isso sim que é zebra. A Costa Rica, grande revelação até agora, era a cinderela de um grupo tão nobre, cujos três adversários somam sete títulos mundiais. Mas aí aparecem os ticos, habitantes de um país que não chega a cinco milhões de habitantes e com uma equipe que participa da Copa apenas pela quarta vez. O séquito costa-riquenho e sua torcida nas arquibancadas comemoraram com uma emoção contagiante. O futebol nem sempre é dos plutocratas, e a Costa Rica emergiu nesta Copa como um fulgurante cometa.

Se já havia sido assombrosa sua virada contra o Uruguai, mais fascinante ainda foi sua elogiável resposta à Itália, um time clássico entre os clássicos, o atual vice-campeão da Europa, o representante máximo do calcio e de toda a sua liturgia. A Itália que brilhou contra a Inglaterra virou pedra frente a um rival com uma fé ilimitada, um entusiasmo infinito, muita ordem em campo, a solidariedade como bandeira e alguns jogadores interessantes, como Keylor Navas, Bryan Ruiz, Campbell e Bolaños. Todos, sem exceção, cresceram diante de uma Itália resguardada, acompanhando a efervescência do seu técnico, o colombiano Jorge Luis Pinto, a quem muitos atribuem esse milagre autoral.

Existem jogadores tão determinantes que seu selo marca toda uma equipe. Por isso, há duas Itálias, a de Pirlo e outra totalmente diferente. A primeira, com seu fenomenal meio-campista ativado, é mais harmônica e incisiva; se o jogador da Juventus se desconecta, sua seleção, ainda que menos mesquinha do que antigamente, vive em um quarto escuro. O caso de Pirlo é extraordinário, joga cada vez melhor à medida que passam os anos. Como já tem 35, é por si só um tratado de futebol.

Frente à Costa Rica, Prandelli colocou Motta e De Rossi como escoltas de Pirlo, que parecia sem foco, empurrado na direção de Balotelli, numa zona em que ele se sente forasteiro. A Azzurra se tornou estéril, de chutão em chutão na direção do seu único atacante. Um monólogo inútil até que Pirlo esqueceu o que dizia a prancheta, deu um passo atrás e passou a fazer lançamentos milimétricos, deixando Balotelli na antessala do gol. O milanista se deslocou na primeira ocasião, um arremate singelo, com a bola quicando, por cima de Keylor Navas, e na segunda vez foi o goleiro do Levante quem conteve o seu chute. O melhor da Itália com o melhor Pirlo.

Quando mais a Costa Rica sentia o fluxo rival, um acaso a colocou na partida, o contrário do que costuma acontecer. Campbell, um velocista, disparou rumo à meta de Buffon, e Chiellini o derrubou descaradamente. O árbitro olhou para o outro lado. Quando os costa-riquenhos ainda reclamavam, Ruiz, seu capitão, um canhoto de classe que disputa a Premier League pelo Fulham, caçou um cabeçada no segundo pau, a dois cabelos do Buffon e a um passo do intervalo.

Prandelli reagiu colocando Cassano no lugar do improdutivo Motta, e assim conseguiu limpar o meio de campo em favor de Pirlo e De Rossi, ao mesmo tempo em que ganhou um jogador explosivo perto de Balotelli. O conjunto italiano exigia ainda mais firmeza do seu adversário, que, apesar da sua pouca experiência na esfera internacional, aguentou-se firme e sempre teve um valor seguro em seu goleiro Navas. O grupo de Prandelli ainda acelerou o jogo várias vezes, e seu repertório já não se limitava mais ao jogo direto pela via central. Mas faltavam respostas convincentes para a Itália, e ela foi cada vez mais previsível, sem tanto entrosamento de Pirlo com a bola. Seu oponente, com muita proteína, fechou as saídas e manteve a forma até a apoteose. Bem-vinda, Costa Rica. No paraíso do futebol, às vezes há lugar para todos.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: