Michael Jackson, a estrela (e o negócio) que nunca se apaga

Deixou de ter uma dívida equivalente a 1,12 bilhão de reais para redobrar os seus ganhos. Ao completar cinco anos de sua morte, a herança do rei do pop chegou a 4,55 bilhões de reais

A marca do rei do pop, na calçada da fama, em Los Angeles.
A marca do rei do pop, na calçada da fama, em Los Angeles.mark peterson (cordon press)

"Mente por ele, espiona por ele, mata por ele, morre por ele./ Para eles não importa, eles me usam pelo dinheiro”. Essas são duas estrofes da música Money, lançada por Michael Jackson em 1995. Quase duas décadas depois, suas intuições não podiam ter sido mais certeiras. Ao completar cinco anos  de sua morte, a constelação de polêmicas familiares e batalhas judiciais e, sobretudo, a lucrativa máquina de fazer dinheiro às suas custas, mantêm um enorme vigor. A série é imparável.

São comuns os casos de famosos cuja figura se torna um negócio após sua morte. Mas, o de Jackson, é paradigmático pela velocidade na qual passou de um patrimônio negativo para um repleto de bens. Em 2013, o cantor, que agora teria 55 anos, teve, de longe, a morte mais rentável do mundo. Segundo a revista Forbes, o conglomerado ao seu redor lucrou entre os meses de junho de 2012 e junho 2013 cerca de 355 milhões de reais, superando a viva que gera mais dinheiro — Madonna, com 276 milhões de reais — e o segundo morto mais lucrativo — Elvis Presley, com 121 milhões de reais.

“Fez mais dinheiro morto do que em vida”, admitiu há um ano John Branca, um dos encarregados do cumprimento do testamento deixado pelo rei do pop, motivo de disputa entre vários dos oito irmãos e irmãs do cantor desde seu colapso fatal após tomar uma dose letal de anestésicos e outras drogas. Entre as acusações contra Branca: a de haver falsificado a última vontade de Jackson, que deixou toda a sua fortuna para seus três filhos, sua mãe, de 84 anos, e obras de caridade.

A mãe do cantor recebe 2,8 milhões de reais por ano, e os filhos cerca de 18,2 milhões de reais

Quando faleceu, Jackson acumulava uma dívida de quase 1,12 bilhão de reais, que agora se converteu em um lucro de 3,34 bilhões de reais. Os ganhos procedem principalmente de dois espetáculos do Cirque du Soleil inspirados em sua figura, do documentário rodado enquanto preparava a sua última turnê, This is it, e das vendas extraordinárias —mais de 50 milhões de cópias— de seus álbuns. Além disso, há o sucesso atual de Xscape, o CD póstumo com novas músicas lançado em maio de 2014 pela Sony, a mesma gravadora com a qual a estrela rompeu relações no começo do século, e com a qual seus representantes fizeram as pazes após sua morte.

Os especialistas garantem que centenas de sobras de músicas do intérprete de Thriller foram conservadas, com material suficiente para oito novos álbuns, o que indica que — seguindo o caminho de outros mortos ilustres, como Elvis e Jimi Hendrix — a flutuante espiral de lançamentos pode durar anos. E ninguém quer ficar de fora do jogo. Os quatro irmãos que fizeram parte do grupo Jackson 5, que atingiu a fama no final da década de 1960 —Tito, Jermaine, Marlon e Jackie —, e que em 2012 realizou uma turnê internacional com 27 shows, disseram esta semana que gostariam de participar de pelo menos algum desses trabalhos póstumos. “Quero manter seu legado vivo. Quero que os fãs continuem escutando a música de Michael e de toda a família. Queremos dar a eles o máximo que pudermos”, afirmou Jackie, de 63 anos.

Durante boa parte de sua vida, Michael manteve uma relação de atrito com seus irmãos e irmãs, que não gostaram nada, obviamente, de terem sido excluídos do testamento. Uma situação que trataram de reverter de imediato, mas que foi suavizada recentemente, conforme cresceram os lucros a partir da exploração artística do vínculo com a estrela da família.

Os herdeiros de Jackson: seus filhos Blanket, Paris e Prince, e sua mãe, Katherine.
Os herdeiros de Jackson: seus filhos Blanket, Paris e Prince, e sua mãe, Katherine.everett collection

A matriarca Katherine mantém a custódia dos três netos, Prince Michael (de 17 anos), Paris Michael Katherine (de 16 anos) e Prince Michael II, mais conhecido como Blanket (de 12 anos). Os quatro foram enormemente beneficiados pela herança gerada, ao ponto extremo de ostentar ainda mais seu modo de vida, repleto de luxos e excentricidades. A octogenária avó recebe um pagamento anual de 2,8 milhões de reais por ano, e os netos cerca de 18,2 milhões de reais. Há alguns anos, eram menos de 12 milhões de reais, mas o crescimento do patrimônio lhes permitiu viver com mais liberdade.

O The New York Post publicou, há duas semanas, os gastos dos herdeiros. Além de uma folgada manutenção diária, destacou os cerca de 759.000 reais em três viagens de férias anuais para destinos como Havaí e Las Vegas, em hotéis de luxo, os 450 reais por hora, investidos nas aulas de caratê de Blanket, e os mais de 106.300 reais em joias e outros presentes dados por Prince a suas namoradas. Mas, segundo o jornal, o principal objetivo do primogênito seria recomprar o fantástico rancho de Neverland, onde Jackson morou entre 1988 e 2005. Desde então, a propriedade está nas mãos de credores. Seu valor atual gira em torno de 75,9 milhões de reais. Prince já está começando a economizar para isso, embora a tarefa se torne bem mais fácil após completar 33 anos, quando, assim como seus irmãos, poderá assumir legalmente metade da herança, que está avaliada em 4,55 bilhões de reais. Aos 40 anos, eles receberão o restante.

Os seus irmãos querem usar um holograma do rei do pop em dois shows. Ele continua sendo a estrela

Os rendimentos da marca Michael Jackson também permitiram que sua mãe adquirisse recentemente a mansão de 1.100 m² em Calabasas, nos arredores de Los Angeles, onde morava de aluguel junto com os três netos. A mesma que foi assaltada por alguns dos irmãos de Jackson em 2012, liderados por Janet, aproveitando a ausência da matriarca, como forma de exigir, mais uma vez, a revisão da herança.

Naqueles dias, a avó havia “abandonado” as crianças durante nove dias e Paris Jackson compartilhava sua preocupação por meio do Twitter. Depois, foi divulgado que os irmãos Jackson a mantinham incomunicável em um centro médico de Tucson “para que descansasse”. O caso trouxe de volta o debate sobre a situação pessoal dos filhos do cantor, a influência negativa de alguns de seus tios e a duvidosa capacidade da avó de cuidar de seus netos. Um juiz, inclusive, chegou a interferir, e concedeu temporariamente a custódia a um filho de Tito Jackson.

A posterior tentativa de suicídio de Paris, em junho de 2013, jogaria mais lenha na fogueira. Desde então, ela mora em um centro especializado em jovens com problemas de depressão que custa cerca de 30.000 reais por mês. Depois disso, ela não foi mais vista, com a exceção de alguns encontros com sua mãe, Debbie Rowe, - a segunda esposa do cantor e também mãe de Prince – com quem passou alguns dias no último Natal. Em abril, Rowe disse à imprensa que quer a custódia de seus dois filhos e também de Blanket, cuja mãe é desconhecida.

Paris junto com sua mãe, Debbie Rowe, em uma foto postada em sua conta no Instagram, no Natal.
Paris junto com sua mãe, Debbie Rowe, em uma foto postada em sua conta no Instagram, no Natal.

O clã Jackson mantém outras batalhas legais. Em outubro, Katherine e os três filhos perderam o processo que iniciaram contra a produtora de shows AEG – responsável pelo que seria a volta de Michael Jackson aos palcos – que foi acusada de negligência ao contratar Conrad Murray, o médico que deu ao cantor uma dose fatal de propofol, o que causou sua morte. O profissional foi condenado a quatro anos de cadeia, e já cumpriu metade da pena. Em abril, vieram à tona novos problemas, quando a Fazenda americana cobrou aos executores do patrimônio uma dívida de 1,56 bilhão de reais em impostos pendentes por haver depreciado enormemente o preço de seus ativos.

Ainda que pareça contraditório, a figura de Jackson está mais viva do que nunca: em maio, ele reapareceu em forma de holograma na noite de gala de entrega de prêmios da Billboard. Seus irmãos querem utilizar essa mesma tecnologia para ressuscitá-lo em duas apresentações programadas para setembro. Depois de tudo, ele continua a ser o motor financeiro da família.