Milicianos pró-russos abatem avião e matam 49 militares ucranianos

O ataque aconteceu quando a aeronave estava pousando no aeroporto de Lugansk

Restos do avião derrubado no aeroporto de Luhansk.
Restos do avião derrubado no aeroporto de Luhansk.Evgeniy Maloletka (AP)

As milícias favoráveis aos russos abateram neste sábado um avião militar de carga ucraniano e mataram seus 49 ocupantes. O ataque ocorreu quando o avião do Exército ucraniano aterrissava no aeroporto de Luganks (leste do país), segundo informou um porta-voz militar. É um dos ataques mais graves do atual período de instabilidade e confrontos atravessado pela região. Desde o início da operação militar contra os separatistas do Leste, em 2 de maio passado, eles conseguiram abater seis aeronaves do Exército ucraniano em Donetsk e Lugansk, as duas províncias que se levantaram contra Kiev no início de abril e que declararam sua independência depois do referendo de 11 de maio passado.

O avião, um Ilyushin IL-76 de transporte militar, foi derrubado com um canhão antiaéreo durante o pouso. A agência ucraniana TSN destacou que entre os passageiros do avião estavam paraquedistas da Brigada Aeromóvel 25 e tripulantes.

Mais informações

O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, prometeu “uma resposta adequada aos terroristas” devido ao ataque. “Todos os envolvidos em um ato terrorista cínico dessa envergadura serão punidos. A Ucrânia precisa de paz, mas os terroristas terão uma resposta adequada”, disse o presidente ucraniano, em declaração da assessoria de imprensa do governo. Poroshenko, que depois de ser eleito presidente em 25 de maio prometeu acabar com a rebelião pró-russa “em horas, não em dias”, convocou uma reunião extraordinária do Conselho de Segurança Nacional e Defesa.

A queda da aeronave em Lugansk aconteceu horas depois que as tropas do Governo ucraniano retomaram dos pró-russos o controle da cidade de Mariúpol e vários postos de controle na fronteira com a Rússia, e também depois que o Departamento de Estado norte-americano confirmou o envio por Moscou de tanques e armamento pesado aos rebeldes ucranianos nos últimos três dias.

Novas negociações sobre o gás

Enquanto isso, Rússia e Ucrânia voltaram a se reunir em Kiev neste sábado para buscar uma saída para a disputa em relação ao abastecimento de gás russo ao território ucraniano, confirmou o porta-voz oficial da companhia de gás russa Gazprom, Serguéi Kupriyánov.

“Agora estamos preparando uma nova reunião em Kiev, que acontecerá de forma diferente das consultas anteriores. (...) A postura russa nas negociações com a Ucrânia sobre o gás é clara e consequente. Queremos buscar compromissos, mas é inútil tentar nos pressionar”, disse Kupriyánov à agência Interfax.

Fontes do Governo ucraniano e da Comissão Europeia adiantaram hoje a vários veículos internacionais que a Rússia deu um passo atrás e aceitou outra reunião de negociação antes de cumprir seu ultimato e cortar o abastecimento de gás para a Ucrânia se não receber até segunda-feira parte do dinheiro devido por Kiev.