A mensagem do medo seduz a Colômbia

O candidato uribista Óscar Zuluaga triunfa no primeiro turno com um discurso de pulso firme O presidente Santos deverá buscar alianças à esquerda

Oscar Iván Zuluaga, nesta segunda-feira em Bogotá.
Oscar Iván Zuluaga, nesta segunda-feira em Bogotá.Leonardo Muñoz / EFE

A primeira coisa que fez nesta segunda-feira o vencedor do primeiro turno da eleição colombiana, o uribista Óscar Iván Zuluaga, foi anunciar que, se tomar posse como presidente em 7 de agosto, suspenderá as negociações de paz com a guerrilha FARC, iniciada em novembro de 2012 por seu rival, o presidente Juan Manuel Santos. Zuluaga toma a iniciativa de ditar aquele que será o tema central das três semanas que faltam para o segundo turno, em 15 de junho, e reforça sua postura de pulso firme contra as FARC. Essa estratégia lhe rendeu um bom resultado eleitoral frente a Santos, que, como candidato, tem dificuldades para defender um processo de paz ao qual vinculou sua reeleição e sua carreira política.

O ideário uribista acerca do processo de paz – Santos vendeu a Colômbia às FARC, faz muitas concessões, permite a impunidade – parece ter ressoado junto ao eleitorado, que deu 29,3% dos votos a Zuluaga, ou seja, 458.000 votos a mais do que para Santos. Muitos cidadãos temem que, com o processo de paz, os líderes das FARC possam participar da política sem passar pela prisão, um medo ao qual o uribismo direcionou suas mensagens de campanha. Zuluaga, depois de dizer que paralisaria o processo até haver um cessar-fogo unilateral da guerrilha, mostrou-se aberto a que haja reduções de penas, dando uma aparência de moderação. “Em nome da paz, estamos dispostos a procurar uma pena reduzida, da ordem dos seis anos", afirmou em entrevista coletiva.

Mas, para Ariel Ávila, pesquisador da Fundação Paz e Reconciliação, trata-se apenas de uma tentativa de “atrair indecisos e se mover para o centro”. “Essas condições que ele coloca praticamente destruiriam o processo”, diz.

O processo de paz, assim como a desconfiança de muitos acerca das verdadeiras intenções da guerrilha depois de três tentativas frustradas de negociação, atrapalha cada vez mais a candidatura de Santos e catapulta a da Zuluaga, numa campanha muito polarizada e tensa. “Zuluaga ganhou porque se sintonizou muito bem com uma visão dos colombianos que acreditam que a paz se consegue continuando a guerra, até levar as guerrilhas a se submeterem à lei”, diz María Victoria Llorente, diretora da Fundação Ideias para a Paz. Essa analista acredita que os resultados do domingo, em um primeiro turno que registrou a abstenção mais alta em 20 anos, refletem o fato de que “este processo com a guerrilha interessa a pouquíssimos colombianos”.

Zuluaga antecipou que, se ganhar as eleições em 15 de junho, suspenderá provisoriamente as negociações e somente as retomará com a condição de que a guerrilha encerre seus ataques e todos os atentados contra a população civil e a infraestrutura econômica. Isso alteraria as condições sob as quais está ocorrendo o diálogo – em que as partes negociam em meio à guerra – e ficariam no limbo os acordos que já foram firmados em Havana e que são os que mais avançaram em cinquenta anos de um conflito que causou 220.000 mortos e quase seis milhões de deslocados.

O grande erro de Santos, segundo concordam os analistas, é que não soube vender com convicção o processo de paz. “Não mandou claramente as mensagens. Este não é um processo no qual se está chegando a acordos obscuros entre uma elite que governa e uma elite guerrilheira, mas sim um acordo que busca beneficiar colombianos que estiveram esquecidos durante décadas”, afirma Llorente. Nisso coincide a analista Laura Gil: “Santos nunca pôde criar uma narrativa de uma Colômbia em paz. Acabou vencendo a mensagem do medo e de que as Farc governam este país, e as pessoas acreditaram nisso”, diz.

As contradições das Farc no campo militar e no político beneficiaram Zuluaga em detrimento de Santos. Pedro Medellín, assessor editorial da revista Semana, sustenta que “as Farc foram muito sórdidas, não ajudaram o presidente Santos a construir um discurso positivo e favorável à paz”. Os colombianos veem a negociação como sendo muito prolongada, e a guerrilha, com seus ataques recentes à polícia, nos quais também matou civis, põe em dúvida sua própria vontade de alcançar a paz.

No triunfo de Zuluaga também pesou ter sabido manejar muito bem os escândalos nos quais esteve implicado, quando se divulgou um vídeo onde aparecia um hacker acusado de espionar o processo de paz com as Farc. Embora a Procuradoria colombiana continue investigando e argumente que não se trata de uma montagem, a defesa de Zuluaga se impôs aos eleitores. “Teve uma campanha muito eficiente. Os escândalos terminaram favorecendo-o porque se apresentou como uma vítima”, disse Medellín.

Santos e Zuluaga se lançaram à tentativa de convencer os outros três candidatos que não passaram ao segundo turno – a conservadora Marta Lucía Ramírez, a esquerdista Clara López e o da Aliança Verde, Enrique Peñalosa— de que os apoiem. É provável que Ramírez apoie Zuluaga por sua proximidade ideológica. Mas Santos, em troca, necessita convencer a esquerda (dois milhões de votos) e a centro-esquerda, que apoia Penãlosa (um milhão de votos), e não vai ser fácil.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50