A Unasul adia sua visita a Caracas para reativar o diálogo

Uma delegação chefiada pelo ministro brasileiro de Relações Exteriores planejava viajar à Venezuela nesta quinta-feira

A segurança Bolivariana prende um grupo de manifestantes da oposição.
A segurança Bolivariana prende um grupo de manifestantes da oposição.F.L / AP

Um mês depois de seu início, o diálogo de paz na Venezuela caiu por terra. O ministro brasileiro de Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, anunciou em Brasília a suspensão da visita que faria nesta quinta-feira à Venezuela com seus homólogos da Colômbia, María Ángela Holguín, e do Equador, Ricardo Patiño, em uma missão da União Sul-Americana das Nações (Unasul) para retomar as conversações entre o Governo de Nicolás Maduro e a oposição reunida na Mesa de Unidade Democrática (MUD). O Vaticano e a Unasul promovem a mesa de diálogo, iniciada em 10 de abril passado como resposta à crise política gerada pelos protestos nas ruas, que já entram em seu quarto mês.

A declaração do Itamaraty anuncia que a visita será realizada em data a definir “em breve”. A missão chegará à capital venezuelana entre domingo e segunda-feira próximos, de acordo com fontes políticas.

Embora a versão oficial atribua a mudança de planos a problemas de agenda dos ministros Figueiredo e Patiño, o adiamento reflete as dificuldades enfrentadas por um processo que nasceu frágil, com escassa convicção de seus atores e grande ceticismo por parte da opinião pública.

Somente na quarta-feira a oposicionista MUD anunciou, por meio de seu secretário executivo, Ramón Guillermo Aveledo, que não participaria das reuniões programadas com o Governo em protesto ao que qualificou como o “estancamento” do diálogo e a “repressão desproporcional” lançada na semana passada contra os estudantes que manifestavam na rua.

Mais informações

Segundo fontes internas da MUD, a delegação oposicionista que participa, com um alto custo político, das conversações com o Executivo sofre um forte e crescente mal-estar porque os acordos alcançados entre ambas as partes, na prática, não resultaram em nada. Entre os fiascos está o acordo para se tomar alguma medida humanitária com relação a Ivan Simonovis, ex-delegado de polícia de Caracas preso há quase 10 anos, que a oposição define como preso político. Simonovis foi examinado por uma comissão bipartidária de médicos que constatou a deterioração de sua saúde, um pré-requisito para libertá-lo segundo um acordo alcançado na mesa. Contudo, a ordem de soltura não foi emitida. “Parece que há um Governo que se senta à mesa e outro que está nas ruas”, declarou a este jornal Ramón José Medina, coordenador da MUD.

Outro contratempo com que terão que lidar as testemunhas e os facilitadores internacionais é a escalada dos conflitos nas ruas, avivados pela atuação de agentes de segurança que, no dia 8, detiveram 243 estudantes em uma batida policial e desmantelaram os acampamentos onde pernoitavam. Nesta quarta-feira, véspera da anunciada visita da Unasul, a Guarda Nacional e a Polícia Bolivariana prenderam 103 jovens – entre eles, 11 menores de idade e 38 estudantes da Universidade Central da Venezuela (UCV), a mais importante do país – participantes de uma passeata na zona leste de Caracas que se desviou de seu destino original, a sede da Procuradoria Geral da Venezuela, para evitar choques.

Com essas prisões, já são mais de 3.000 as pessoas detidas na Venezuela desde o início dos protestos em 12 de fevereiro, uma média de 26 por dia. Mais de 2.000 enfrentam a ameaça de processo judicial e 225 continuam detidas.

Em vista de tudo isso, a agenda dos chanceleres da Unasul e do núncio mudou radicalmente pouco antes da visita programada a Caracas. O que seria uma missão de testemunhas para a quarta rodada de conversações deverá se transformar em um esforço de persuasão para que as partes voltem à mesa. Entre domingo e segunda-feira, se não surgir outro contratempo, eles vão se reunir separadamente com representantes do Governo e da oposição.

“O diálogo precisa continuar”, disse nesta quinta-feira o núncio apostólico em Caracas, Aldo Giordano, durante a reunião com opositor Ramón Guillermo, a quem expressou sua preocupação com o congelamento das conversações. O próprio presidente, Nicolás Maduro, havia anunciado na terça-feira, em seu programa semanal de rádio, a visita do secretário de Estado da Santa Sé, Pietro Parolin, para participar na rodada de negociações que acabou sendo suspensa.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50