Seleccione Edição
Login

Simeone: “Nós vamos engolir em seco, esperar e nos encolher”

Diego Costa entra na lista contra o Málaga e o técnico diz que o Atlético enfrenta com confiança os duelos decisivos: "Não é pressão, é responsabilidade, é um momento muito bonito"

Simeone, durante a coletiva de imprensa. EFE

Um dia antes de outro duelo transcendental, diante do Málaga, Simeone expôs na sala de imprensa a mesma fórmula que empregou o Atlético ao longo de toda a temporada. Trabalho, dedicação, esforço. Nada de condescendência própria. "Vivo o futebol como vivo a vida. Na vida a pessoa tem que dar sem esperar o que podem te dar em troca. Como profissionais nos entregámos e nossa intenção é seguir dando sem saber se vamos receber”, expôs o técnico. O Atlético será campeão da Liga Espanhola neste domingo se vencer o Málaga e o Barça não ganhar do Elche.

Mostrou-se tranquilo em relação ao estado físico de Diego Costa, que sofreu uma lesão e a quem, a princípio, deixará na reserva na partida de manhã, apesar de ele ter se exercitado junto a seus colegas e entrado na lista para o duelo contra os andaluzes. "Está melhor, sentiu-se mais cômodo. Faremos um teste", explicou o preparador do Atlético.

El Cholo, apelido dado ao técnico Simeone, destacou algumas vezes os sinais de identidade de sua equipe. “Nossa maneiras de trabalhar está baseada no trabalho coletivo. Em muitos encontros se mostraram as características individuais, mas depois que o trabalho coletivo apareceu. Amanhã continuaremos tentando competir com a mesma intenção de sempre”, destacou, ao mesmo tempo que negou que estar no topo do campeonato a esta altura esteja afligindo seus homens: "Não é pressão, é responsabilidade, é um momento muito bonito, queremos e aspiramos chegar a situações importantes, portanto a vivemos dessa forma".

Sobre o novo cenário que se desenhou na Liga Espanhola depois do tropeço do Real Madrid em Valladolid, o treinador argentino evitou o papel de protagonista que é dado a seus dois adversários. Ele prefere se manter em um discreto segundo plano: “É o que vende, é normal que se fale muito deles pelo que representam, na direção do Madrid e do Barcelona. Como diz um amigo meu, nós vamos engolir em seco, esperar e nos encolher”.

O técnico voltou a se agarrar à ideia de que sua equipe depende de si própria: “Eu não espero nada das outras partidas. Se eu ganho, não não me alcançam”. E, como conclusão, advertiu que já não restaram a ele ingressos para a final da Champions League, no próximo dia 24 em Lisboa, que a equipe disputará contra o Real Madrid: "Aviso que não tenho entradas. É nessas horas que aparece aquele amigo que não te visita há mil anos".

MAIS INFORMAÇÕES