Gross: “Neste ano sairei de Cuba, vivo ou morto”

O advogado de Alan Gross, o funcionário norte-americano preso em Havana, se reuniu com o chanceler cubano e disse que seu cliente está com a saúde debilitada

Alan Gross, preso em Cuba.
Alan Gross, preso em Cuba.J. L. Berenthal (AP)

Alan Gross, o funcionário norte-americano preso em Havana desde 2009, fará 65 anos no próximo dia 2 de maio. E prometeu a si mesmo que antes que mais um ano se passe, sairá da prisão onde cumpre uma condenação de quinze anos por crimes contra a soberania de Cuba e voltará para casa, nos Estados Unidos, vivo ou morto. “Vai ser meu último aniversário aqui. (Isso) significa o que significa. Não é uma ameaça, é uma declaração de esperança, uma declaração de determinação e uma declaração de impaciência”, disse Gross através de um comunicado difundido nesta quarta-feira por seu advogado, Scott Gilbert.

Gross trabalhava em Cuba como funcionário da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid, nas suas siglas em inglês), na implementação de programa para melhorar as comunicações e o acesso à Internet da comunidade judaica cubana. Em 2009 foi preso, acusado e condenado dois anos depois “por violar as leis cubanas, ao implementar um programa subversivo financiado pelo Governo dos Estados Unidos, mediante o estabelecimento de sistemas de comunicações ilegais e encobertos, com o uso de tecnologia não comercial”. Gross já cumpriu 4 anos e quatro meses da condenação a 15 anos de prisão que lhe foi imposta.

No comunicado, o advogado de Gross se refere às precárias condições de saúde de seu cliente nestes termos: “Desde seu encarceramento, perdeu mais de 110 libras (50 quilos). É mantido sob vigilância em uma pequena cela com outros dois presidiários e as luzes estão acesas durante 24 horas por dia. Perdeu a visão parcial no olho direito e sofre de dor nos quadris e nas costas”. No último dia 11 de abril, Gross iniciou uma greve de fome que se prolongou por nove dias para forçar os governos de Havana e de Washington a acordar sua libertação, e para protestar contra o programa ZunZuneo, revelado dias antes pela agência de notícias Associated Press.

A rede social ZunZuneo, conhecida como “o Twitter cubano”, foi desenvolvida de forma clandestina pela agência norte-americana para a qual trabalhava Gross, Usaid, entre os anos 2009 e 2012, com o objetivo de acelerar a queda do regime castrista através da difusão de mensagens de texto com conteúdo político que desencadeassem uma espécie de “primavera cubana”. O plano, queixou-se Gross, deixa a sua situação em Cuba ainda mais perigosa.

Pouco antes de tornar público o documento, o advogado de Gross realizou uma reunião de quase duas horas com o chanceler cubano, Bruno Rodríguez, para discutir a situação de seu cliente. Segundo informou Gilbert, durante o encontro “Rodríguez reiterou o interesse de seu governo em que servidores públicos de alto nível se reúnam com seus homólogos dos Estados Unidos para discutir os termos de uma solução para o caso”. O chanceler cubano diria que “Cuba não poria condições prévias nessa negociação”. Até agora, no entanto, o Governo de Raúl Castro sustentou que considerará a libertação de Gross se Washington também aceitar revisar e condenar as sentenças dos três cubanos que ainda cumprem condenações por espionagem nos Estados Unidos.

Em contraste com a versão de advogados e familiares, o Governo cubano sustenta que a saúde de Alan Gross é estável e que recebe um tratamento “digno e decoroso” em um hospital de Havana, desde que foi preso. “(Gross) encontra-se enclausurado em um hospital, não porque sua situação de saúde seja ruim, mas porque ali se garante a atenção especializada por parte da equipe médica altamente qualificada”, explicou a diretora geral dos Estados Unidos no Ministério das Relações Exteriores de Cuba, Josefina Vidal Ferreiro, em uma nota oficial publicada no último dia 9 de abril pelo diário oficialista Granma.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: