FÓRMULA 1 | GP DA MALÁSIA

Hamilton repete pole e Alonso largará em quarto

Como em Melbourne, o britânico largará em primeiro Vettel e Rosberg, segundo e terceiro, seguidos pelo espanhol A água e os problemas de visibilidade marcam a prova Acidentes de Ericsson, Grosjean e Magnussen

Rosberg, Hamilton e Vettel, depois da classificação.
Rosberg, Hamilton e Vettel, depois da classificação.ROSLAN RAHMAN (AFP)

Nem mesmo as péssimas condições em que foi disputada a classificação do Grande Prêmio da Malásia conseguiram mudar as coisas. Como no Grande Prêmio da Austrália, o britânico Lewis Hamilton voltou a colocar sua Mercedes na primeira posição do grid de largada em Sepang e assim demonstrou que o poderio da escuderia alemã é o mesmo tanto no seco como na água. Contudo, a segunda posição do campeão mundial Sebastían Vettel mostrou que a recuperação da Red Bull é real e que a equipe de Adrian Newey volta a estar preparada para enfrentar os carros prateados. Compartilham a segunda linha Nico Rosberg e o espanhol Fernando Alonso, que foi superado pelo alemão no último segundo. Na água, o asturiano melhora... mas ficou a seis décimos do líder e dependente de uma investigação depois de se chocar com Kvyat na Q2 (finalmente, nenhum dos dois foi punido).

Para Hamilton, de 29 anos, esta é a 33ª pole de sua carreira. Na Austrália, onde foi disputado o primeiro Grande Prêmio da temporada, fez também o melhor tempo, mas logo teve um problema no motor que lhe obrigou a abandonar a prova na segunda volta. Seu companheiro Rosberg aproveitou a situação para controlar a corrida com facilidade e ganhar com uma superioridade esmagadora sobre o restante dos rivais. Em Sepang, com previsão de chuva para a corrida, as coisas podem ser igualadas. O que parece claro é que a Mercedes mantém sua hegemonia, mas tanto a Red Bull como a Ferrari estão se aproximando. E com água pode acontecer qualquer coisa.

“Sempre que chove tudo se complica e o caos aparece. Além disso, teve o incidente com a Toro Rosso e isso me obrigou a passar pelo box”, afirmou Alonso. “O carro perdeu a convergência e nas curvas à esquerda era muito custoso virar. Amanhã no seco tudo pode ser mais divertido. Se chove teremos que estar lá. O carro se comportou bem. Na chuva o trabalho ao volante se acentua. Estar em quarto está bom. Tirando as Mercedes, que nos tiram um segundo, podermos estar atrás deles”.

É a 33ª pole da carreira do britânico

A primeira sessão já tinha colocado em prova todas as equipes. Os engenheiros acertaram no geral ao utilizar os pneus intermediários e em correr para alcançar seu melhor tempo, porque a chuva voltou a aparecer na parte final dessa sessão e alguns tiveram que se apurar para conseguir um tempo que os classificaria. Foi o caso das McLaren, que optaram por sair com pneus para chuva extrema e perderam três segundos em sua primeira tentativa, o que os obrigou a uma retificação imediata. Tanto Button como Magnussen se salvaram com um milagre. Ficou muito claro que a distância na água não é tanta entre os Mercedes e os Red Bull. Rosberg, que foi o melhor, e Vettel foram separados somente por cinco décimos. Alonso, no entanto, ficou a 1,7 segundos.

Na segunda rodada, com água abundante na pista, todos optaram pelo pneu para chuva extrema... exceto as duas Ferrari e a Williams de Valtery Bottas. Alonso não pode concluir sua primeira tentativa, pois ao fechar em uma curva à esquerda encostou no russo Daniil Kvyat (Toro Rosso) e teve que entrar nos boxes com uma abertura em uma barra da suspensão dianteira. Afortunadamente, a bandeira vermelha apareceu e isso concedeu tempo aos mecânicos para resolver o problema. Alonso voltou a sair, mas desta vez com pneus para chuva extrema. Raikkonen fez o mesmo. A FIA anunciou que o incidente seria investigado no final da sessão de classificação, embora não tenha dado em nada, ao contrário de outros casos: Bottas foi punido com três posições por bloquear Ricciardo, e passou a largar em 18º ao invés de 15º. Também, as duas Williams ficaram fora e as Lotus confirmaram os problemas que estão passando neste principio de temporada.