Crimeia abraça a Rússia de Putin

Mais de 96% dos crimeios votam por se unir à Rússia, segundo a Comissão Eleitoral local O Parlamento da república autônoma ucraniana solicita a incorporação oficial

Pilar Bonet
Simferopol -
Multidão comemora com bandeiras russas em Simferopol.
Multidão comemora com bandeiras russas em Simferopol.Vadim Ghirda (AP)

Os 96,77% dos votantes do referendo convocado pela república autônoma da Crimeia votaram neste domingo, com todos os votos contados, a favor da incorporação do território à Rússia, segundo informou a Comissão Eleitoral deste território situado no Mar Negro. Apenas 2,51% votaram por continuar sendo parte da Ucrânia mas com mais atribuições do que hoje. A Crimeia tem sido o epicentro de uma das maiores crises internacionais desde a desintegração da URSS, em 1991.

Segundo o canal de televisão oficial da Crimeia, que emite conjuntamente com o canal de televisão russo Rossiya 24, a participação no referendo superou 89,5% em Sebastopol, a cidade sede da Frota do Mar Negro russa; na capital, Simferopol, a participação foi de 88,5% e chegou a 82,7% no resto na península. O canal reiterava que 40% dos tártaros, a comunidade mais resistente ao referendo, haviam votado. Todos esses dados são impossíveis de verificar, porque o número de observadores se limitava a várias dezenas de pessoas que concordavam que não viam nada anormal na consulta. Além disso, os cidadãos não incluídos nas listas podiam votar em um local a parte, no mesmo colégio eleitoral.

Duas questões foram submetidas à votação em um censo eleitoral de alho mais que 1,5 milhão de pessoas. Na primeira, se perguntava sobre a incorporação à Rússia na qualidade de província, e, na segunda, sobre a permanência da Ucrânia sobre a base da Constituição local de 1992. Segundo o censo da Crimeia, 58,3% dos habitantes da península são russos, e 24,3% são ucranianos e 12,4% são tártaros.

No último dia 6 de março, o Parlamento da Crimeia aprovou uma declaração de independência e seus dirigentes ressaltaram que o sucesso da primeira opção significa que a Crimeia se declara independente. Segundo uma lei de 2001, a Rússia pode incrementar suas dimensões mediante a incorporação dos Estados (ou territórios pertencentes a esses Estados) mediante um acordo bilateral internacional. Dado que a Crimeia, segundo sua própria lógica, se converte em independente, isso significa que Moscou, também a partir da sua própria lógica, pode firmar um acordo com Simferopol. Uma delegação do Parlamento local solicitou na manhã desta segunda-feira oficialmente a incorporação da península à Federação Russa.

O procedimento da "fusão" implica vários passos, mas pode ser acelerado em função das necessidades do Kremlin e dos separatistas. As formalidades para completar o processo deveriam incluir o reconhecimento da independência da Crimeia por parte da Rússia. A isso seguiria a preparação e a assinatura de um tratado bilateral. Depois, teria que submeter esse tratado ao Tribunal Constitucional para ver se o documento está de acordo com a Lei Fundamental da Federação Russa. Em caso positivo, o tratado russo-crimeio se submeteria a uma votação das Câmaras do Parlamento (Duma Estatal, Senado e o Conselho da Federação) e da assinatura do presidente. Supondo que todos esses requisitos sejam cumpridos com a máxima velocidade, o processo levaria alguns dias, mas dado o caráter extraordinário com que está se submetendo, talvez demore menos.

Esta semana, várias entidades de Moscou estão programadas para canalizar os processos de incorporação à Rússia, entre elas prefeituras e instituições culturais. Os funcionários dependentes das instituições oficiais da Crimeia já cobraram o salário antecipado de março e em grivnas (moeda ucraniana), mas foram advertidos que o próximo pagamento, em abril, será realizado em rublos (moeda russa), segundo fontes informadas.

Independente de como e quando foi elaborado o plano do Kremlin para absorver a Crimeia, os roteiros dessa ação foram modificados. Uma variante, que hoje parece estar morta, era uma alteração legislativa na Rússia (proposta formalmente pelo partido social-democrata Rússia Justa), que permitia incorporar novos territórios sem a permissão do país aos quais eles pertençam. Tamanha legitimação de anexações territoriais causou um grande mal-estar aos vizinhos e aos aliados da Rússia, que a qualquer momento poderiam estar expostos aos caprichos do Kremlin e dos aliados do presidente Vladimir Putin que, com ele à frente, içaram a bandeira do neoimperialismo russo, versão pós-soviético.

Apesar de os observadores convidados à Crimeia não terem visto soldados russos em frente aos colégios eleitorais, é certo que eles mantiveram suas posições, ontem. Em frente à unidade A3835 do Ministério de Defesa da Ucrânia, situada na entrada de Bakhchysarai, obstáculos metálicos, uma placa de pare e quatro uniformizados com trajes de camuflagem, capacetes, máscaras, coletes antibalas e fuzis automáticos Kalashnikov com capacidade para 120 balas impediram esta reportagem de entrar na unidade, onde, no último 6 de março, era possível frequentar e conversar com os oficiais ucranianos.Os soldados, que falavam russo sem o sotaque da Crimeia, mandaram que nós nos afastássemos sem sequer chegarmos ao portão. Um dos oficiais da unidade, contactado pelo telefone, negou-se a responder a pergunta sobre se era possível sair e votar no referendo.

O Medzhlis dos tártaros da Crimeia - organismo de autogoverno sem ligação com as estruturas oficiais - recomendou que sua comunidade boicotasse o referendo e não participasse de nenhum dos trâmites da sua preparação. Em Bakhchysarai, que é a capital histórica dos tártaros, a situação era "tensa", segundo Shevket Hamzin. No distrito número seis, três jovens tártaros afirmaram que boicotaram o referendo e explicaram que o colégio eleitoral 12.009 foi instalado em garagens porque o jardim de infância que costuma se transformar em colégio eleitoral negou-se a acolher as urnas. Três oficiais da polícia ucraniana apareceram no colégio citado, todos vestidos de uniforme, com o tridente (símbolo oficial da Ucrânia) no gorro. Os três disseram que haviam votado pela incorporação à Rússia porque este país é "mais próximo".

"O importante não é o uniforme, mas o que levemos dentro de nós", disseram. Em Sebastopol, um capitão da marinha ucraniana informou que não permitiu que os soldados de unidades sitiadas saíssem para votar.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS