Seleccione Edição
Login

Venezuela, Leopoldo López contra Henrique Capriles

A polarização que domina a Venezuela contaminou as análises políticas com uma lógica de bons e maus

É na realidade possível que no curto prazo desmorone o governo chavista? Pode ocorrer na Venezuela o que acaba de ocorrer na Ucrânia ou o que aconteceu recentemente no mundo Árabe? Está o modelo bolivariano social e politicamente esgotado? As condições que vive Maduro são similares às que derrubaram Fujimori no Peru e outros governos do continente? As informações que chegam da Venezuela, sobretudo dos opositores, deixam a impressão de que o governo de Maduro está a ponto de cair, fruto dos protestos de rua. No entanto, derrubar governos a partir de movimentos civis não é fácil.

A polarização que domina a Venezuela contaminou as análises políticas com uma lógica de bons ou maus, empobrecendo o debate intelectual sobre o que está acontecendo nesse país. Depois de uma década, denunciar as maldades antidemocráticas do chavismo tornou-se repetitivo e irrelevante. É público que nos atuais protestos de rua não só estão presentes descontentamentos sociais, senão uma luta entre as estratégias dos dois principais líderes opositores sobre como enfrentar o chavismo. A estratégia de López inclina-se por provocar a queda em curto prazo do governo de Maduro e a de Capriles orienta-se em acumular forças para enfrentar e derrotar o chavismo em futuros processos eleitorais. Qual destes líderes têm a razão?

Todo protesto rompe a normalidade de quem participa e de quem não participa, isto torna impossível manter, de forma indefinida, milhares de pessoas mobilizadas permanentemente. A luta de rua tem por isso um período de ascensão e um período de descenso que ocorre por esgotamento natural. Um protesto social só pode ser sustentado de forma prolongada se há um fator motivacional de grande potência que seja retroalimentado por uma repressão tão brutal como a da Ucrânia. A crise econômica e a insegurança são fatores potentes para motivar um protesto social normal, mas não para tombar um governo. As eleições são o mecanismo mais efetivo para descarregar descontentamentos sociais e a Venezuela teve quase uma eleição anual durante os últimos 15 anos.

A oposição tem sobrevalorizado o fator externo em sua luta, sem considerar que a pressão internacional faz ruído, mas não desmorona governos, a não ser que se trate de uma intervenção militar, que é impensável na Venezuela. Há uma maioria de governos de esquerda na América Latina e estes seguirão apoiando Maduro por considerar que se ele chegou pelos votos, só pelos votos deve sair do poder. Este argumento não tem nada a ver com a solidariedade esquerdista, senão com defender a própria estabilidade de seus governos.

Os governos bolivarianos manipulam as instituições, aplicam a justiça segundo seu desejo, limitam a liberdade de expressão, mas não matam e usam a repressão de forma moderada. Quando uma repressão é brutal, nem pode ser ocultada, nem é necessário exagerar. Tendo em conta os quinze anos de polarização extrema que existe na Venezuela, a violência política continua sendo pouco relevante. Nem o governo quer matar, nem os opositores estão dispostos a provocar a ponto de serem mortos. A realização sucessiva de eventos eleitorais impediu que a violência se generalizasse.

Se López persiste na sua estratégia de revolta popular para que “Maduro vá embora já”, os protestos tenderão a ser cada vez menos em massa, menos pacíficos, mais violentos e mais impopulares. Os grupos de choque de López enfrentarão os grupos de choque de Maduro pelo controle da rua, até retomar uma situação cotidiana desgastante que produzirá mortos a contagotas, de lado e lado, da mesma forma que já está começando a ocorrer. Os protestos podem servir para acumular forças, denunciar e debilitar o chavismo, mas não poderão por si só derrocar o governo de Maduro. A oposição não conta com nenhum instrumento de poder para gerar um desenlace e isto só seria possível caso se produzisse uma divisão no Exército ou nas filas chavistas. No entanto, a estratégia de “insurreição” de López gera medo no revanchismo das filas chavistas e o medo é um fator de unidade e não de divisão. Portanto, López está criando mais coesão no chavismo em vez de dividi-lo.

As crises econômicas fazem perder eleições, mas não desmoronam governos automaticamente. O chavismo como fenômeno político foi um processo de inclusão social e de construção de novas elites. Ambas situações ocorreram mediante uma reorientação desordenada da renda petroleira com mecanismos que podem ser considerados corruptos, ineficientes e populistas, mas este tipo de mecanismos são historicamente similares aos que deram base a muitas outras elites e forças políticas no passado em todo o continente. Trata-se de uma força social que nasceu politicamente com Chávez e isto gera umas lealdades que não se degradam tão rapidamente por efeito da crise econômica ou porque se violem liberdades.

A oposição venezuelana cometeu graves erros no passado, seguiram uma estratégia invertida que se iniciou com o golpe de Estado e continuou com greve, protestos de rua, eleições, denúncia de fraude e retiro das eleições até fragmentar-se em dezenas de pequenos grupos. Esse erro implicou que os opositores dessem de presente a Chávez o controle total do Exército, do petróleo, do Parlamento, da Justiça e do Poder Eleitoral. Depois corrigiram, uniram-se, regressaram às eleições, ascenderam em resultados e cometeram um novo erro ao converter em derrota seu excelente resultado frente a Maduro. Sua obsessão por denunciar “fraudes” eleitorais incertos termina em deslegitimar as eleições, que são o único instrumento que têm para chegar ao governo. Não é o mesmo enfrentar uma fraude que competir em desvantagem.

Sem dúvida Maduro é um péssimo governante, a Venezuela vive uma terrível crise e o chavismo está-se esgotando, mas sua força social é suficiente para mantê-lo em pé. O problema central da oposição venezuelana não é inventar uma insurreição, mas converter-se em maioria superando as arbitrariedades antidemocráticas, dar seguranças ao chavismo de que não terá revanche, ganhar eleições e reunificar a Venezuela com chavistas incluídos. O meio século de castrismo seria impossível sem a cooperação da oposição recalcitrante do anticastrismo de Miami e o bloqueio dos Estados Unidos. Capriles tem razão, deve acumular forças. A estratégia de López paradoxalmente pode dividir a oposição e dar-lhe força a Maduro. O debate principal não é sobre a maldade do chavismo, senão sobre a estratégia da oposição, porque a sorte de Venezuela, só os venezuelanos podem decidir.