Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

“Bandido que mexe com polícia acaba assim”

José Guilherme da Silva morreu com um tiro na cabeça logo após ser preso e algemado em um camburão da PM. Sua morte foi registrada como suicídio, mas sua família contesta a versão oficial

“Bandido que mexe com polícia acaba assim”

“Antes ver a senhora chorando do que ver a minha mãe. Bandido que mexe com polícia acaba assim”. A senhora, aqui no caso, é a dona-de-casa Cláudia Bertaioli da Silva, de 42 anos, que se deparou com o corpo de seu filho com um tiro na cabeça logo após ele ser preso, algemado e trancado em um camburão da PM na cidade de Limeira, no interior de São Paulo. A frase que ela ouviu no dia 14 de setembro do ano passado foi dita por um dos policiais que prendeu o servente de pedreiro José Guilherme da Silva, de 20 anos.

A morte de Silva foi registrada como suicídio, mas seus familiares questionam a informação oficial e dizem que foi executado pelos policiais que o prenderam.

O jovem foi detido ao entrar na contramão de uma rua com sua motocicleta, na qual estava com um amigo. Policiais do batalhão de trânsito o pararam e pediram seus documentos. Quando estavam fazendo a abordagem, chegou uma mensagem por meio da central da polícia informando que dois rapazes tinham acabado de cometer um assalto a um mercado e balear uma pessoa. Ao ouvirem o relato, os policiais perceberam que Silva e seu companheiro poderiam ser esses assaltantes. Passaram a revistá-los, algemaram os dois e começaram, segundo testemunhas, uma sessão de espancamento. Ambos foram jogados ao chão e receberam vários chutes no tórax e na cabeça.

Quando a mãe de Silva chegou ao local da prisão, ela viu a cena e pediu para pararem de bater no rapaz. Os policiais o revistaram novamente e o colocaram no camburão. O amigo dele foi posto em outro carro e ambos seriam levados até uma delegacia, onde ficariam detidos. “O tempo passou e não vi meu filho chegar na delegacia. O amigo dele chegou, mas ele não. Foi quando me disseram que ele tinha sido levado para o hospital. Fui para lá correndo”, afirmou Cláudia Bertaioli.

No hospital, a informação dada a ela foi que, mesmo trancado no camburão, algemado com as mãos para trás, o rapaz tinha se matado com um tiro na cabeça. “Era impossível ele ter se matado. Ele foi revistado várias vezes e não estava armado. Eu vi quando os policiais retiraram uma arma do banco de trás da viatura”, disse a mãe, desolada.

Como a Polícia Civil se negou a registrar a morte como homicídio, a própria família começou a investigar o caso. Desde então, os familiares se depararam com ao menos quatro pontos que podem esclarecer a morte do servente de pedreiro.

O primeiro ponto foi levantado pelo vereador Wilson Nunes Cerqueira, da Comissão de Direitos Humanos de Limeira, que está acompanhando o caso. “O tiro entrou do lado direito da cabeça e o Guilherme era destro. Seria impossível que a bala percorresse essa trajetória, já que ele estava algemado, com as mãos cruzadas para trás”, disse ele ao blog do jornalista Bruno Paes Manso.

A segunda questão foi o cômico laudo do perito que analisou o suposto suicídio de um homem algemado. Afirma o especialista no documento: “isso envolve um estudo personalíssimo da habilidade do agente que encontra-se algemado. E é sabido nos meios policiais tanto sobre a habilidade de movimento de alguns detidos, bem como sua condição pessoal de burlar a revista”.

A outra dúvida levantada foram os cinco meses de demora da entrega do projétil que teria atingido a vítima do supermercado. Essa bala pode provar se o tiro que atingiu a vítima de assalto partiu da mesma arma que matou Silva.

Por último, e não menos intrigante, foi o sumiço de trecho da gravação da conversa entre a central da PM e os policiais que estavam na viatura que transportava o rapaz. A maioria dos diálogos entre policiais com sua central é gravada e acaba sendo usada como prova no Judiciário. Neste caso, o arquivo entregue aos investigadores foi editado, conforme a família de Silva, e omite um dos trechos que poderia esclarecer se o rapaz conseguiu se matar algemado ou se foi cruelmente assassinado.

Desde que o caso foi revelado, pouco se avançou na apuração. Questionada sobre o assunto, a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo enviou uma nota na qual diz que a Polícia Civil e a Corregedoria da PM farão uma investigação rigorosa sobre o episódio. A falha que resultou na morte de Silva, segundo o documento da secretaria, foi no procedimento adotado pelos policiais, que revistaram de maneira errada o jovem e não notaram que ele ainda teria uma arma. A nota diz ainda que um novo laudo de perícia deve ser elaborado e, de qualquer maneira, já é possível constatar que o tiro teria partido de uma distância aproximada de 50 centímetros, de baixo para cima. Ou seja, isso poderia, sim, configurar um suicídio.

“Não estou defendendo meu filho à toa. Ao que parece foi ele mesmo quem cometeu o assalto no mercado. Mas se ele já estava algemado, se já tinha sido preso, por qual razão ele seria assassinado? Ele deveria enfrentar um julgamento e pagar pelo seu erro na cadeia. Não pelas mãos de policiais dentro de um camburão”, desabafou Cláudia.

MAIS INFORMAÇÕES