MOBILE WORLD CONGRESS

O Brasil sela um convênio para evitar o roubo de um milhão de celulares por ano

O Governo do país que tem a maior taxa mundial de aparelhos furtados depois da Argentina quer evitar que sejam exportados

Duas mulheres verificam celulares no Mobile World Congress.
Duas mulheres verificam celulares no Mobile World Congress.M. Martínez (ap)

O Brasil tem a segunda taxa mais alta de roubo de celulares no mundo, com mais de um milhão de aparelhos roubados por ano, sendo superado apenas pela Argentina, onde se roubam anualmente dois milhões, embora a população total seja de quase um quinto da brasileira.

Para frear esse fenômeno e com vistas aos grandes acontecimentos que se organizarão no país como a Copa do Mundo deste ano ou os Jogos Olímpicos de 2016, a GSMA –a associação que agrupa todos os operadores do mundo– e o Governo brasileiro assinaram no Mobile World Congress de Barcelona (MWC14) um acordo para reduzir os furtos, com o objetivo principal de que os aparelhos roubados não possam ser exportados ilegalmente.

Para isso, todos os operadores de telefonia móvel do Brasil –Algar Telecom, Claro, Nextel, Oi, Sercomtel, TIM Brasil e Vivo– se comprometem a compartilhar os códigos únicos de identificação de dispositivos roubados através do banco de dados da GSMA, que guardará um arquivo centralizado com todos os IMEI –o número único de identificação de cada celular que aparece na caixa ou na bateria– com a intenção de bloquear os celulares roubados para um futuro uso. Um simples telefonema da vitima servirá para inutilizar para sempre o aparelho furtado.

O acordo vai além. Com aproximadamente 268 milhões de dispositivos móveis atualmente ativos no Brasil, o spam de SMS tornou-se um problema crescente. Para proteger os clientes diante das mensagens não requisitadas e identificar os spammers, os operadores vão lançar o serviço Spam Reporting Service onde os usuários podem enviar textos a *SPAM (*7726) para evitar as mensagens indesejadas.

Uma outra área de colaboração é o da proteção à infância. A SaferNet Brasil, por exemplo, é uma organização nacional fundada especificamente para proteger as crianças que se comunicam on-line e promover os direitos humanos na Internet.

Esse programa se complementa com o Disque 100, uma linha de telefone gratuita para ajuda que funciona sob os auspícios da Secretaria Nacional de Direitos Humanos. Para ajudar a conscientizar sobre os perigos para as crianças, os operadores brasileiros enviarão um SMS regular para todos os clientes, informando dos serviços da SaferNet Brasil e do Disque 100.

Paulo Bernardo, ministro das Comunicações do Brasil e Anne Bouverot, diretora geral da GSMA, assinaram o acordo que inclui o apoio para acelerar a adoção da banda larga móvel e a prestação de novos serviços de telefonia móvel no país. "Com cerca de 115 milhões de assinantes únicos e 277 milhões de conexões móveis, o Brasil é o maior mercado de telefonia móvel da América Latina", disse Bouverot.