Bolívia renova os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado

Evo Morales fará na quarta-feira o seu último discurso à nação no começo de um ano marcado pelas eleições presidenciais

Evo Morales em um discurso em La Paz.
Evo Morales em um discurso em La Paz.AFP

A Assembleia Legislativa Plurinacional da Bolívia (ALP) renovará na segunda-feira as direções da Câmara dos Deputados e do Senado no último período da administração constitucional de Evo Morales e no início de um ano eleitoral no qual o partido governista pretende exercer o poder político por mais cinco anos.

Com a aprovação do presidente da Bolívia e líder do Movimento ao Socialismo (MAS), Evo Morales, o aimará Eugenio Rojas, de La Paz, foi nomeado presidente do Senado. O novo presidente da Câmara dos Deputados será Marcelo Elío, de Oruro.

Rojas, um professor rural do altiplano, ocupará o cargo de Gabriela Montaño, de Santa Cruz. O deputado Elío, comunicador social, substituirá Betty Tejada, também de Santa Cruz. Ambos assumirão seus cargos na segunda-feira, na abertura da legislatura de 2014, depois de terem sido escolhidos na sexta-feira por consenso com os demais membros das direções das Casas do Congresso.

De acordo com o comunicado oficial, ocorrerá neste fim de semana a eleição dos novos presidentes das 22 comissões e 57 comitês de ambas as Casas, de modo que todas as nomeações e os cargos devem ser renovados antes de segunda-feira à tarde, depois de o ano legislativo de 2013 ser encerrado de manhã. Morales fará na quarta-feira seu último discurso à nação. Será durante uma sessão do Congresso, quando termina uma gestão que começou em 2010 na sequência da aprovação da nova Constituição que criou o Estado Plurinacional.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ainda não convocou oficialmente as eleições, nem definiu uma data. Apesar disso, Morales disse em setembro que o dia do pleito será 5 de outubro de 2014.

O senador Rojas e o deputado Elío manifestaram a sua intenção de cumprir com suas funções legislativas, mas também dedicar seu tempo e esforço para as eleições gerais – para presidente, vice-presidente e parlamentares – a fim de garantir o terceiro mandato de Morales e seu companheiro, o vice-presidente Álvaro García Linera, e a vitória do MAS nas urnas.

Rojas também revelou que pretende aprovar em 2014 os chamados “códigos Morales” e outras regras destinadas à reforma do sistema judiciário boliviano que, de acordo com Linera, está em “estado de coma”. Trata-se de cerca de vinte projetos pendentes de aprovação relativos a terras, florestas, água e saúde, entre outros.

Um dos primeiros projetos de lei que passará por suas mãos está relacionado com a proteção de animais. A sociedade exigiu esta medida depois de um abate cruel e deplorável de dezenas de gatos e cães por um suposto caso de raiva canina no município de Santa Cruz.

Há quem acredite que a consideração deste projeto em defesa dos animais seja ironia do destino, pois Rojas – quando era prefeito de Achacachi – assumiu toda a responsabilidade pela decapitação de três cães pendurados vivos durante um ato político na principal praça da cidade. O sacrifício foi realizado como um aviso de que isso poderia acontecer com os líderes da chamada “Media Luna” – nos departamentos do Leste do país – que tinham aspirações independentistas, em novembro de 2007.

Em uma entrevista à Cadena A, o recém-eleito presidente do Senado explicou que ele era apenas um convidado do evento e não sabia o objetivo final da manifestação do povo de Achacachi naquele dia, mas teve que assumir o ato de protesto de seus concidadãos como autoridade.

“Me chamavam de prefeito assassino de cães e me sentia muito mal”, admitiu em outra entrevista ao jornal La Razón. Em ambas as ocasiões, Rojas pediu desculpas pelo incidente e assegurou que, sem dúvida, o projeto de defesa aos animais será aprovado.

O trabalho na Câmara também será intenso, como observou o presidente Tejada, tanto na aprovação de leis como em sua divulgação. Durante 2013 foram aprovados 135 projetos em 217 sessões, mas pouco se sabe sobre eles. Um sobre a proteção de mulheres contra a violência, por exemplo, não tem recursos suficientes para ser totalmente implementado.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: