As fortunas de Gates e Sheldon Adelson são as que mais cresceram em 2013

O fundador da Microsoft bate Carlos Slim como o mais rico, segundo dados da Bloomberg Os grandes multimilionários elevaram sua riqueza em 380 bilhões no ano passado

Bill Gates, em uma foto de arquivo.
Bill Gates, em uma foto de arquivo.

Um multimilionário que apostou na Espanha e outro que lhe deu as costas são os dois ricos que mais aumentaram sua fortuna em 2013, segundo cálculos da Bloomberg. Bill Gates, cujas empresas de investimento entraram na construtora espanhola FCC, e Sheldon Adelson, que engavetou o projeto Eurovegas, se colocaram no topo da lista dos multimilionários que mais aumentaram seu patrimônio em um ano que, graças à alta das bolsas, foi muito favorável aos mais ricos. Segundo cálculos da Bloomberg, os 300 mais ricos do planeta aumentaram sua fortuna em uns 524 bilhões de dólares (cerca de 1,256 trilhões de reais) em 2013.

O fundador da Microsoft fecha assim o ano como o homem mais rico do mundo, com uma fortuna de 78,5 bilhões de dólares (cerca de 183,85 bilhões de reais) depois de aumentar seu patrimônio em 15,8 bilhões de dólares (uns 37,87 bilhões de reais) no ano passado. O aumento da sua riqueza deveu-se, sobretudo, à escalada da Microsoft na bolsa. A empresa, da qual ainda conserva um 5% se revalorizou em torno de 40% no ano passado. Ele também tirou partido da boa evolução de outras companhias nas quais tem participação, como a Canadian National Railway e a Ecolab.

Fuente: Bloomberg.
Fuente: Bloomberg.EL PAÍS

Gates superou a Carlos Slim, o magnata mexicano, como o homem mais rico do mundo depois que a fortuna do maior acionista da América Móvil se reduziu em cerca de um bilhão (de dólares, o equivalente a 2,4 bilhão de reais) no ano passado. Amancio Ortega, fundador e máximo acionista de Inditex, é o terceiro da lista dos mais ricos e o primeiro na Europa. Sua fortuna aumentou em 8,9 bilhões de dólares (cerca de 21,33 bilhões de reais) no ano passado. Os nomes que vêm a seguir na lista dos mais ricos do mundo são Warren Buffet, com 60,8 bilhões de dólares (145,73 bilhões de reais), e o fundador de Ikea, Ingvar Kamprad, com 53,4 bilhões de dólares (128 bilhões de reais).

O outro multimilionário que teve um 2013 redondo foi Sheldon Adelson, o fundador e principal acionista de Las Vegas Sands, a maior companhia de cassinos do mundo. Sua fortuna aumentou em 14,4 bilhões de dólares (34,52 bilhões de reais) graças à alta de mais de 70% das ações da sua empresa. A Las Vegas Sands renunciou no ano passado a continuar com o projeto Eurovegas, a aposta finalmente perdedora da Comunidade de Madri. Os investidores valorizaram as perspectivas de crescimento da empresa na Ásia, onde Adelson decidiu investir. Um 58% do faturamento do grupo procede já de Macau.

Entre os ricos que mais aumentaram sua fortuna em 2013 predominam os investidores do setor tecnológico. Além do próprio Gates, figuram também nas primeiras posições os fundadores do Google, Sergey Brin e Larry Page; o da Amazon, Jeff Bezos, e o do Facebook, Mark Zuckerberg.

Os mais ricos da América Latina

Depois de Carlos Slim, a segunda maior fortunda da América Latina é o brasileiro Jorge Paulo Lemann. Sua empresa 3G Capital completou a compra de HJ Heinz Co. em junho por 29 bilhões de dólares (69,5 bilhões de reais), numa operação feita com Berkshire Hathaway, a empresa de Warren Buffett. Com seus dois sócios, o multimilionário brasileiro, um ex-jogador profissional de tênis, gere três marcas americanas que são ícones: Burger King, a cerveja Budweiser e o ketchup Heinz.

O terceiro homem mais rico da América Latina é o colombiano Luis Carlos Sarmiento, que controla mais de um quarto da indústria financeira do país através de quatro bancos que cotizam na bolsa e formam o Grupo Aval. Seu patrimônio líquido se reduziu em 7,4%, passando a 16,7 bilhões de dólares (40 bilhões de reais), segundo o ranking de Bloomberg.

Ninguém perdeu mais fortuna do que Eike Batista, cujo patrimônio líquido se reduziu mais de 12 bilhões de dólares (28,76 bilhões de reais) durante o ano. OGX Petróleo e Gás Participações SA, a petroleira que o converteu no homem mais rico do Brasil, se declarou em banca rota em outubro. Batista era o oitavo homem mais rico do mundo em março de 2012 e agora conta com um patrimônio líquido negativo, segundo os cálculos de Bloomberg.

Milionários desconhecidos

Bloomberg News descobriu 109 multimilionários em 2013 que nunca haviam aparecido em uma classificação internacional de riqueza. Entre eles está Lynsi Torres, a herdeira multimilionária mais jovem dos EUA, de 31 anos de idade que viu sua família ampliar a cadeia In-N-Out Burger de simples ponto de venda de hambúrgueres fundado em 1948 em Baldwin Park, Califórnia, até convertê-lo em um império de fast food avaliado em mais de 1 bilhão de dólares (2,4 bilhões de reais), segundo dados compilados por Bloomberg.

John Morris se fez multimilionário unindo centros comerciais para esportes ao ar livre e acrescentando um toque de diversão à mistura. Desde a fundação de Bass Pro Shops LLC em 1972 na fábrica de licores de seu pai, em Springfield, Missouri, Morris expandiu seu negócio a pelo menos 58 grandes superfícies, com outras 20 inaugurações previstas. A companhia fabrica uma variedade de barcos de pesca e marcas de lareiras e controla uma cadeia de restaurantes dentro das lojas.

Stephen Orenstein, de 50 anos, fez sua fortuna em ambientes mais hostis. Como dono da maior parte de Supreme Group BV, Orenstein fez seu negócio com a distribuição de alimentos e combustíveis a algumas das zonas mais inóspitas do mundo, entre as quais estão a Libéria, Mali e o Sudão. Seu maior negócio foi o fornecimento para militares no Afeganistão.

Jonathan Oringer, fundador de Shutterstock Inc. se converteu no primeiro multimilionário saído de Silicon Alley, um conjunto de novas empresas de tecnologia de Nova York, graças à alta de 222% das ações da sua empresa. O empreendedor de 39 anos fundou Shutterstock em 2003 com 30.000 imagens próprias e a converteu no maior mercado digital de fotos e vídeos do mundo. Sua fortuna é de 1,5 bilhões (de dólares, o equivalente a 3,6 bilhões de reais). C.James Jim Koch popularizou a cerveja artesanal nos EUA e converteu Boston Beer Co. na segunda maior cervejaria de propriedade norte-americana. As ações da sua empresa subiram 80% graças ao sucesso da sua marca Samuel Adams, convertendo-o em multimilionário.

O patrimônio líquido de Elon Musk, o fundador da fábrica de carros elétricos Tesla Motors, teve o percentual mais alto de lucro de um milionário self-made, com uma alta de 233% em 2013, o que elevou sua fortuna em 5,6 bilhões de dólares (13,42 bilhões de reais).

Os mais ricos da Ásia

Li Ka-Shing, de 85 anos, continua sendo o homem mais rico da Ásia, com uma fortuna de 30,2 bilhões de dólares (72,4 bilhões de reais). Ele controla a sociedade de investimentos propriedade Cheung Kong Holdings Ltd. e o conglomerado Huchison Whampoa Ltd.

Entretanto, o maior ganhador asiático de 2013 foi o magnata dos cassinos de Macau Lui Che Woo, que acrescentou 14,2 bilhões de dólares à sua fortuna, o equivalente a 34 bilhões de reais. Sua empresa Galaxy Entertainment Group tem uma das seis licenças no enclave de jogo chinês. A companhia é a segunda maior em renda e controla quase 20% do mercado dos cassinos da cidade. As ações de Galaxy dispararam em 2013, com alta de 129% na bolsa de Hong Kong.

O título de pessoa mais rica da China mudou de mãos duas vezes durante o ano. O multimilionário das bebidas Zong Qinghou foi eclipsado em agosto pelo magnata dos setores imobiliário e de entretenimento, Wang Jianlin, dono de Dalian Wanda Group. Robin Li, fundador de Baidu, destronou em dezembro Wang graças à subida na bolsa do site de buscas na internet mais utilizado na China, que teve alta de 77%.

O presidente de Fast Retailing, Tadashi Yanai é o homem mais rico do Japão. Ele terminou o ano com uma fortuna de 20,9 bilhões de dólares (cerca de 50 bilhões de reais) , com um incremento de 66% em 12 meses. A riqueza do presidente da companhia de telefonia móvel SoftBank Corp, Masoyoshi Son, mais que duplicou no ano passado, chegando a 19 bilhões de dólares. SoftBank pagou 22 bilhões para adquirir a norte-americana Sprint Corp em julho.