Governo brasileiro compra aviões suecos para equipar a Força Aérea nacional

Os Estados Unidos e a França estavam na disputa, mas a transferência tecnológica oferecida pela Saab foi decisiva

O modelo Gripen, adquirido pelo Brasil. AFP PHOTO / FABRICE COFFRINI
O modelo Gripen, adquirido pelo Brasil. AFP PHOTO / FABRICE COFFRINI

Cinco dias após a visita oficial do presidente francês, François Hollande ao Brasil, o governo brasileiro anunciou ter escolhido a Suécia, e não a França, para negociar a compra de 36 caças para a Força Aérea Brasileira (FAB). A decisão terá um custo de 4,5 bilhões de dólares ao Brasil e ocorre após 18 anos de discussões sobre o projeto de modernizar e reequipar a FAB.

A França, assim como os Estados Unidos, era uma das concorrentes na licitação brasileira. A americana Boeing disputava a compra com o modelo F-18, enquanto a francesa Dassault tentava negociar a venda dos caças Rafale. No entanto, os aviões suecos Gripen, da empresa Saab, foram escolhidos. Segundo o ministro da Defesa, Celso Amorim, a escolha levou em conta, basicamente, três critérios: a performance das aeronaves, o custo tanto da aquisição, quanto da manutenção, e a transferência de tecnologia para que o Brasil passe a construir esses aviões em casa.

A transferência de tecnologia, é, inclusive, uma reivindicação que o Governo brasileiro vinha fazendo há muito tempo. “E nessa questão, os americanos são muito mais restritivos, pois, obviamente, eles querem manter os seus segredos”, explica o professor da Fundação Getúlio Vargas, Salem Nasser.

Outra questão importante apontada por Nasser é a dependência que o Brasil teria em relação ao país com quem fechasse negócio. “Com relação à proposta americana, acho que havia um temor brasileiro de estabelecer uma dependência tecnológica e estratégica dos EUA, que é um país com que o Brasil deve ser sempre precavido”, diz.

O professor de Segurança Internacional da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), Bernardo Wahl, acrescenta que essa decisão reflete uma estratégia muito característica das relações exteriores do Brasil que é a diversificação de fornecedores. “A compra do caça sueco é um reflexo da política externa brasileira, que busca autonomia”, diz. “É a chamada autonomia pela diversificação”.

A pressão dos países em negociação com o Brasil era grande. Durante a visita de Hollande ao Brasil, Rousseff chegou a dizer que não trataria do assunto com o mandatário francês, já que estaria insatisfeita com a parceria francesa nos submarinos vendidos para a Marinha, o que pode ser um dos motivos pelos quais a companhia francesa foi preterida.

Já com os Estados Unidos, o país mais cotado para a compra, a relação com o Brasil ficou manchada após a descoberta, em agosto deste ano, que o país de Barack Obama estava espionando o Governo brasileiro. “O Brasil quis mostrar aos EUA que esse tipo de comportamento tem custos. Foi isso que Dilma quis mostrar cancelando a visita de Estado dela aos EUA e também na escolha do caça sueco”, diz Wahl.

O projeto de modernizar e reequipar a FAB é antigo. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso começou a tratar do assunto no início do seu mandato, em 1995, e em 2001 lançou o projeto batizado F-X, mas não conseguiu levar adiante. No governo do ex-presidente Lula, o projeto foi rebatizado de F-X2 e, em 2009, Lula chegou a anunciar que havia fechado acordo com o então presidente da França Nicolas Sarkozy, mas acabou recuando, após a insatisfação da FAB, por não ter sido consultada sobre a decisão. “Havia razões fortes para fechar negócio com a França por causa do preço atraente, mas quando uma coisa dessas é quase anunciada e acaba recuando, a negociação acaba enfraquecida e para voltar a fechar com os franceses seria muito mais difícil”, explica Nasser.

O epílogo dessa longa novela já é considerado uma boa notícia pelos especialistas. “Não se esperava isso no governo Dilma. O (ministro da Fazenda) Guido Mantega havia dito que a economia no Brasil está manca, e como a defesa é um assunto a longo prazo, só o fato da decisão ter acontecido, já é uma grande vitória para a área de defesa no Brasil”, diz Wahl.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete