Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Britânico de 47 anos é identificado como autor do ataque a muçulmanos em Londres

Theresa May disse que endurecerá combate ao extremismo. Ação deixou um morto e dez feridos

Mulher presta homenagem às vítimas do atentado no Finsbury Park.
Mulher presta homenagem às vítimas do atentado no Finsbury Park. EFE

O homem suspeito de realizar, na noite de domingo, um ataque terrorista contra um grupo de muçulmanos em Londres é Darren Osborne, de 47 anos, de acordo com a BBC. A Scotland Yard – polícia londrina – o considerou suspeito de "cometer, preparar ou instigar o terrorismo". Uma pessoa morreu e outras dez ficaram na ação. Elas foram atropeladas por uma caminhonete em frente a uma mesquita, pouco depois da 0h20 (20h20 em Brasília), na rua Seven Sisters, no bairro de Finsbury Park, zona norte da cidade, quando haviam acabado de fazer a oração da 0h do Ramadã.

A primeira ministra Theresa May disse a jornalistas nesta manhã, diante da residência oficial da Downing Street, que o incidente está sendo tratado como “um ataque terrorista contra a comunidade muçulmana”. Este seria o quarto atentado no Reino Unido em três meses. Todas as vítimas do caso de domingo, duas delas em estado grave, pertencem à comunidade muçulmana, segundo Neil Basu, coordenador da brigada antiterrorista da polícia.

O agressor, que aparentemente agiu sozinho, foi dominado por pedestres que estavam no local, antes de ser preso pela polícia. “Foi levado ao hospital como medida de precaução, e será posto sob custódia policial quando receber alta. Também será submetido no devido momento a um exame de saúde mental”, disse a polícia em nota.

Na manhã desta segunda-feira, a rua Seven Sisters, assim como algumas adjacentes, permanecia interditada na altura da estação Finsbury Park do metrô. Junto ao cordão policial, Mohammad, um jovem morador do bairro, mostrava em seu celular um vídeo, gravado por um amigo, no qual se vê a polícia colocando um homem corpulento – supostamente o autor do ataque – dentro de um furgão policial. “Se fosse muçulmano, teriam lhe dado um tiro sem pensar duas vezes”, protestou Mohammad. “Isto acontece por causa de como a mídia nos retrata, isto é produto da islamofobia. Isto é obra de um terrorista, não de um louco.”

Também se vê no vídeo os moradores socorrendo a vítima, estendida no chão, enquanto um homem tentava uma reanimação cardiopulmonar. Trata-se de um idoso que, segundo diversas testemunhas, morava muito perto da mesquita, aonde sempre ia rezar. Segundo Mohammad e outros moradores, quando os transeuntes dominaram o agressor este gritou: “Me matem, me matem, já terminei meu trabalho!”.

“É o mesmo que aconteceu em Westminster”, diz Mona, uma moradora de origem somali, em referência ao ataque de 22 de março, quando Khalid Masood atropelou dezenas de pessoas em frente ao Parlamento britânico, matando cinco delas. “Aqui os meios de comunicação disseram que era um acidente, e lá disseram na hora que era um ataque terrorista. Mas é a mesma coisa, por isso me entristece.”

Respondendo às críticas dos moradores, a primeira-ministra May afirmou, após reunião do comitê de emergência Cobra, que havia agentes da polícia nas imediações e eles chegaram ao local “um minuto depois do ataque”. “A polícia declarou que se tratava de um incidente terrorista após oito minutos”, acrescentou.

O líder da oposição trabalhista, Jeremy Corbyn, manifestou, pelo Twitter, sua “comoção” por este ataque, acrescentando que se solidariza com a comunidade afetada. O local do atropelamento pertence à circunscrição eleitoral de Islington North, que Corbyn representa no Parlamento.

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, qualificou o ocorrido de ataque contra “valores compartilhados de tolerância, liberdade e respeito”. Em nota, o prefeito pediu aos londrinos que “mantenham a calma” e fiquem “vigilantes” enquanto o incidente é investigado.

Finsbury Park é uma área particularmente diversa e multicultural, poucos quilômetros ao norte do centro da capital, que conserva sua essência de bairro popular e operário, apesar dos sinais de uma incipiente elitização, já maciça algumas ruas mais ao sul. É o bairro do Arsenal: nos dias de jogo, os torcedores saem da estação de metrô e trem para irem andando até o estádio Emirates.

No caminho da estação para o estádio fica a mesquita de Finsbury Park, famosa nos anos 90 porque era nela que o clérigo extremista Abu Hamza fazia seus sermões diários. Hamza foi condenado à prisão perpétua por terrorismo nos Estados Unidos em 2015. A mesquita foi fechada em 2003 e reaberta dois anos mais tarde com uma nova liderança, que procurou reabilitar sua reputação.

O Conselho Muçulmano do Reino Unido definiu o incidente da noite de domingo como uma “manifestação violenta” de islamofobia. O Conselho assinalou que os pedestres atingidos, que estavam na rua Seven Sisters, tinham acabado de sair da mesquita. “Recebemos informações de que uma van atropelou vários fiéis na saída da mesquita de Finsbury Park”, afirmou por meio de sua conta no Twitter.

O secretário do Conselho Muçulmano, Harun Khan, condenou o ataque. “Estou em choque pelo que ocorreu e sinto raiva”, afirmou. Khan, lembrando que o atropelamento ocorreu a poucos dias do fim do Ramadã, que acabará no sábado.

Uma testemunha que vive em um apartamento no bairro disse à rede britânica BBC que viu pessoas “gritando e assustadas”. “O furgão branco parou diante da mesquita de Finsbury Park e depois começou a atropelar as pessoas”, acrescentou.

Nos últimos meses, o Reino Unido foi alvo de ataques similares assumidos posteriormente pelo grupo Estado Islâmico (EI). No dia 3, uma van atropelou dezenas de pedestres na London Bridge, na capital britânica. Depois, continuou circulando até o Borough Market, onde seus ocupantes desceram e esfaquearam a várias pessoas. Esse atentado deixou sete mortos e mais de 40 feridos.

Em março, um jipe atropelou vários pedestres e, em seguida, o homem que o dirigia atacou a facadas os agentes que vigiavam o Parlamento britânico, deixando cinco mortos e dezenas de feridos. O autor do ataque foi morto pela polícia.

Além disso, em maio, 22 pessoas morreram em uma explosão durante um concerto da cantora americana Ariana Grande no Manchester Arena, na cidade britânica de Manchester.

O ataque de domingo ocorreu com Londres ainda em estado de choque pelo terrível incêndio no edifício Grenfell, há cinco dias, no qual morreram ou desapareceram 79 pessoas. Além disso, o ataque foi lançado no início de uma semana-chave na política britânica. Nesta segunda-feira começam em Bruxelas as negociações para a saída de Reino Unido da União Europeia, e na quarta-feira a rainha Elizabeth deve fazer o discurso que abrirá formalmente os trabalhos do Legislativo eleito no dia 8, no qual a primeira-ministra Theresa May tentará levar adiante seu Governo minoritário, com a ajuda dos unionistas norte-irlandeses do DUP.

MAIS INFORMAÇÕES