Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Atentado duplo deixa 12 mortos no centro de Teerã

Estado Islâmico assumiu a autoria dos ataques no Irã, que deixou pelo menos 42 feridos

Pelo menos 12 mortos e 42 feridos – esse foi o resultado dos dois atentados contra o Parlamento do Irã e o mausoléu do fundador da República Islâmica, Aiatolá Sayyid Ruhollah Musavi Khomeini, situado no sul de Teerã, informa a agência France Presse (AFP). Várias pessoas foram tomadas como refém, segundo fontes parlamentares citadas pelas agências semioficiais persas ILNA e Tasnim.

O Estado Islâmico (EI) assumiu a autoria, segundo a agência de notícias Amaq, o braço informativo do ISIS (sigla em inglês do grupo terrorista). O ataque acontece em plena crise entre os países do Golfo em função da decisão da Arábia Saudita e seus aliados de romper relações com o Catar, a quem acusam de apoiar grupos terroristas e favorecer a agenda política do Irã, potência rival do reino sunita.

Às 12h30 no horário local (5h30 no horário de Brasília), um homem se explodiu no quarto andar de um edifício do Parlamento iraniano, em pleno centro de Teerã, depois de tomar a sede durante mais de duas horas, ao lado de três outros agressores, disfarçados de mulher, segundo o vice-ministro do Interior, Hussein Zolfagari, informa a AFP. Dois deles estavam armados com fuzis Kalashnikov, informou a rede de televisão pública.

Durante o ataque, um dos terroristas saiu para a avenida que fica junto à Câmara dos Deputados e atirou contra os transeuntes. As forças de segurança abriram fogo contra ele, obrigando-o a voltar ao interior do edifício. Apesar disso, os deputados mantiveram a sessão, dirigida pelo presidente da Casa, Ali Larikhani, que denunciou um ato de “terroristas covardes”.

Pouco depois do primeiro ataque no Parlamento, a 20 quilômetros, começou um segundo tiroteio em outro ponto da capital iraniana: o mausoléu de Khomeini. O túmulo do aiatolá, o principal protagonista da Revolução Islâmica de 1979 que pôs fim ao regime do xá do Irã, recebe a visita diária de numerosos peregrinos de vários lugares do país. Um jardineiro perdeu a vida quando um grupo de agressores entrou na região do mausoléu de Khomeini, informou a agência ISNA.

A agência Fars destaca que um dos quatro agressores do mausoléu se suicidou com um cinto de explosivos, outro se suicidou com uma pastilha de cianureto, um terceiro foi abatido pelas forças de segurança e o quarto, uma mulher, foi presa.

O Estado Islâmico divulgou um vídeo que diz ter sido filmado por um dos agressores dentro do parlamento iraniano, segundo a BBC. O vídeo, de 24 segundos, foi transmitido pelo grupo de notícias Amaq no aplicativo de mensagens Telegram. O suposto conteúdo mostra um dos supostos atacantes (fora da câmera), que parece disparar sua arma duas vezes contra um homem que jaz imóvel no chão.

O país e seus vizinhos estão envolvidos, de forma direta ou por meio de terceiros, nos principais conflitos regionais. Na guerra civil da Síria, o Irã combate ao lado do Governo de Bashar al-Assad, enquanto no Iêmen se alia aos al-Houthis, que desafiam a autoridade do Governo de Abd Rabbuh Mansur Al-Hadi, apoiado pela Arábia Saudita.

MAIS INFORMAÇÕES