Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Ex-funcionário mata cinco e comete suicídio em loja de Orlando, nos EUA

Segundo a polícia, o atirador estava “descontente” porque havia sido demitido em abril

Local do incidente em Orlando.

Um tiroteio em uma loja no distrito industrial de Orlando (Flórida, EUA) deixou seis mortos na manhã desta segunda-feira. Entre eles está o atirador, um antigo funcionário que cometeu suicídio após o ataque, segundo informou a polícia do condado de Orange. As autoridades definiram o tiroteio como "um trágico incidente". "Sem nenhuma relação com atividades terroristas", declarou o delegado. O agressor era um "ex-empregado descontente" que foi despedido em abril.

Quatro das vítimas morreram no local, e uma quinta pessoa chegou a ser socorrida, mas morreu ao chegar ao hospital. No momento do ataque, dentro da loja Fiamma, que vende toldos para trailers (motorhomes), havia outros funcionários, que não foram feridos.O assassino usou uma pistola para disparar de diferentes partes da loja. Ele também levava uma faca, mas não foi possível confirmar se chegou a utilizá-la.

Shelley Adams, irmã de uma das funcionárias da loja, disse a uma rede de televisão que sua irmã estava no banheiro quando começou a ouvir os tiros. Sobreviveu. Ao sair, viu um homem caído no chão. Por telefone, ela contou à Shelley: "Meu chefe está morto".

O governador da Flórida, o republicano Rick Scott, informou em um comunicado que o que aconteceu foi um "ato de violência sem sentido". "Ann (sua esposa) e eu estamos rezando pelas famílias que perderam seus entes queridos".

O incidente ocorre a uma semana do primeiro aniversário do assassinato de 49 pessoas em um clube noturno, pelo atirador Omar Siddique Mateen, um cidadão norte-americano de pais afegãos. O atentado foi o maior ocorrido nos EUA depois do 11 de setembro. O local do tiroteio desta segunda é o distrito industrial da rua Forsyth, a 15 km da discoteca Pulse.

MAIS INFORMAÇÕES