Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Governo Maduro demite ministra que divulgou relatório sobre mortalidade infantil

Demissão fulminante de Caporale ocorre três dias depois de sua pasta publicar dados sobre a deterioração da saúde na Venezuela

Venezuela
Maduro exibe exemplar da Constituição venezuelana durante discurso. REUTERS

Tornam-se evidentes novas contradições no seio do Governo de Nicolás Maduro. Nesta quinta-feira, foi anunciada a destituição de sua ministra da Saúde, Antonieta Caporale, à frente da pasta desde janeiro passado. Sua demissão fulminante ocorre apenas três dias depois de seu ministério ter divulgado um relatório que registra um aumento das taxas de mortalidade infantil, mortalidade materna e epidemias entre 2015 e 2016.

O documento, divulgado na segunda-feira, é o Boletim Epidemiológico, um relatório semanal publicado pelo Estado desde 1938, mas que estava sob embargo desde 2014 para evitar, segundo representantes do governo, “interpretações políticas”. O boletim divulgado no começo da semana contém informações sobre as 52 “semanas epidemiológicas” de 2016. As estatísticas mostram que a mortalidade infantil cresceu 30% e a materna, 65%. A difteria, doença erradicada há 20 anos, ressurgiu no país, com mais de 300 casos. A malária voltou a ser endêmica, com quase 250.000 casos.

Não se conhecem as circunstâncias políticas que levaram a que essa informação circulasse e se isso ocorreu de forma deliberada. De todo modo, fica claro que o fato custou o cargo à ministra Caporale. Ainda assim, o decreto 2.448 da Presidência da República, que indica Luis López Chejade como novo ministro da Saúde, não afirma isso. Segundo o texto, a nomeação decorre do “compromisso e da vontade determinantes de obter uma eficácia política maior e qualidade revolucionária na construção do socialismo e na refundação da pátria”.

O novo ministro da Saúde é farmacêutico e atuava como diretor regional da Saúde de Aragua desde 2012, quando o atual vice-presidente do país, Tareck El Aissami, governava essa província. López Chejade é formado pela Universidade de Los Andes (ULA), alma mater de El Aissami e parte do grupo mais próximo do vice-presidente.

MAIS INFORMAÇÕES