Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Propaganda da Coreia do Norte ‘explode’ a Casa Branca e o Capitólio em vídeo

Enquanto isso, Trump afirma que “não estaria feliz” se a Coreia do Norte fizesse um teste nuclear

A Casa Branca e o Capitólio indo pelos ares. Um porta-aviões em chamas. O bravo Exército da Coreia do Norte saindo vitorioso. A propaganda irrompeu na escalada da tensão entre Washington e Pyongyang. Um vídeo divulgado pelo opressivo regime norte-coreano mostra imagens de destruição e vitória em um possível conflito. Ao longo de dois minutos e meio, esta obra quase pop a serviço do líder supremo do país, Kim Jong-un, lança inflamadas mensagens contra o “inimigo a ser destruído” e se vangloria da capacidade militar da Coreia do Norte: “Vamos mostrar a eles o que um país forte que lidera o mundo em tecnologia balística e nuclear pode fazer”.

A fanfarronice chega em um momento de tensão máxima entre os dois países. Ante a recusa da Coreia do Norte de parar com seus testes balísticos, os Estados Unidos optaram por aumentar a pressão em todas as frentes, mostrando até mesmo sua disposição de lançar um ataque preventivo. Como parte dessa coreografia, enviaram o poderoso porta-aviões nuclear Carl Vinson e seu grupo de combate às águas da Península Coreana. Ao mesmo tempo, instalaram seu escudo antimísseis na Coreia do Sul.

A resposta de Pyongyang foi testar sem êxito outro míssil de alcance médio e redobrar sua retórica antiamericana. Há 20 anos a tirania hereditária norte-coreana não deixa de melhorar seu armamento. O regime de Pyongyang desenvolveu uma bomba atômica de 30 quilotons (duas vezes mais potente que a lançada em Hiroshima) e uma capacidade balística suficiente para ameaçar a Coreia do Sul e o Japão.

Ainda neste final de semana, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deu ainda outro passo rumo à escala do conflito. Afirmou que “não estaria feliz” se a Coreia do Norte realizasse um teste nuclear. Em uma entrevista à rede CBS, Trump se negou a descartar uma reposta militar a uma ação de este tipo. “Não sei, veremos”, disse. Ele destacou ainda que "o líder norte-coreano fará o que tem que fazer". "Mas ele deve entender que não vamos estar muito felizes. Este era um míssil pequeno, não grande. Não se tratou da prova nuclear que se esperava que fizera três dias antes. Vamos ver o que acontece", disse Trump.

Neste cenário aterrorizante, o recurso à propaganda tem sido constante. Desfiles, iconografia militar e uma repressão feroz alimentam um regime que transformou a guerra em sua marca registrada. O vídeo atual da Coreia do Norte e seus sons marciais pertencem a esse universo paranoico. Com sua sucessão de canhões, alvos, mísseis intercontinentais, fogo pesado e tropas, ele tenta elevar o moral de um país paupérrimo que iniciou uma queda de braço suicida com a maior potência militar do planeta. O PIB da Coreia do Norte é 1.600 vezes menor que o dos Estados Unidos. O vídeo não menciona isso.

MAIS INFORMAÇÕES