Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine
NFL

Ex-jogador da NFL Aaron Hernández se suicida em sua cela

Norte-americano de origem porto-riquenha, que jogou nos Patriots e havia sido condenado à prisão perpétua, se enforcou numa penitenciária de Massachusetts

Aaron Hernandez
Aaron Hernandez, no julgamento de faz cinco dias. AP

Aaron Hernández se suicida em sua cela. O ex-astro do time de futebol New England Patriots foi encontrado nesta madrugada pendurado nas grades de uma janela, com um lençol enrolado no pescoço, cinco dias depois de ser absolvido em um julgamento pela acusação de duplo homicídio. O atleta, de origem porto-riquenha, que jogava na mesma equipe de Tom Brady, marido de Gisele Bündchen, já cumpria há dois anos uma pena de prisão perpétua sem direito a sursis pelo homicídio do namorado da irmã da sua noiva.

O trágico desenlace foi confirmado no começo da manhã pelo departamento carcerário de Massachusetts. Os funcionários do centro penitenciário Souza Baranowski, em Shirley, encontraram-no enforcado às 3h05 da madrugada (hora local, 2h05 em Brasília). Tentaram reanimá-lo enquanto era transportado a um hospital, onde foi declarado morto uma hora depois.

Aaron Hernández chegou a ter um contrato de 40 milhões de dólares (124,5 milhões de reais) como jogador da NFL, a liga profissional de futebol americano. Foi apontado desde o início como suspeito pela morte de Odin Lloyd, um jogador semiprofissional que saía com a irmã da sua noiva. Levou seis tiros. Os motivos do homicídio nunca ficaram claros. Também foi considerado culpado, em abril de 2015, por posse ilegal de armas de fogo e munição.

A polícia encontrou no bolso de Lloyd as chaves de um carro que o jogador dos Patriots havia alugado. Poucas horas depois de ele ser detido, o time rompeu o contrato. Mais de cem testemunhas participaram do julgamento. A defesa tentou atribuir o assassinato a dois amigos de Aaron Hernandez, que também foram acusados de homicídio. Durante o processo, o jogador admitiu que havia presenciado o crime.

O atleta, de 27 anos, enfrentou então outro julgamento por causa de um tiroteio no qual dois homens morreram – o processo no qual foi absolvido na semana passada. Foi condenado, porém, por posse ilegal de uma arma de fogo, que se somou à sentença anterior de prisão perpétua pelo assassinado do Odin Lloyd. O atleta era apontado como uma das grandes promessas do futebol americano.

MAIS INFORMAÇÕES