Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Pressão após denúncia de assédio sexual cresce e Globo afasta José Mayer

Ator acusado pela figurinista Su Tonani muda versão e agora diz em carta que errou

Campanha contra assédio.

“Mexeu com uma, mexeu com todas”. A frase, em letras garrafais, veio estampada na camiseta de pelo menos uma centena de funcionárias da TV Globo que chegaram para trabalhar nesta terça-feira nos estúdios da maior emissora do Brasil. As camisetas exprimiam apoio à denúncia de assédio sexual feita pela figurinista Susllem Tonani, de 28 anos, no último dia 31, contra o ator José Mayer. Pouco depois da manifestação das funcionárias, a Globo repercutiu em telejornais da emissora uma nota em que declarou a suspensão do ator por tempo indeterminado.

Mayer, que na semana passada chegou a sugerir que Tonani estava confundindo as ações dele com as do personagem misógino Tião Bezerra, interpretado por ele, voltou atrás e pediu desculpas. Em carta, o ator, apesar de ser acusado de, nas palavras da figurinista, ter colocado “a mão na minha buceta e ainda ter dito que era seu desejo antigo”, disse que não teve “intenção de ofender, agredir ou desrespeitar”, mas admitiu que suas “brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito”.

Na retratação, que foi lida durante o Jornal Hoje, um dos maiores telejornais da emissora, Mayer ainda disse que é “fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas”. “Aprendi nos últimos dias o que levei 60 anos para aprender”, continuou. “Eu preciso e quero mudar junto com ele”.

Colocar a culpa em conflito geracional não é o suficiente, mas a manifestação das funcionárias e a admissão de Mayer de que suas ações são fruto também de um discurso naturalizado fazem lembrar mais de uma dezena de campanhas feministas que têm surgido nos últimos anos e que chamam mulheres a falarem de abusos sofridos e, muitas vezes, forçosamente reprimidos. #PrimeiroAssédio e #MeuAmigoSecreto são dois exemplos de campanhas que convidavam mulheres, como Tonani, a não se calarem. Como ela própria disse no texto publicado no blog AgoraéqueSãoElas, da Folha de S. Paulo, em que denunciou os abusos: “A opressão é aquela que nos engana e naturaliza o absurdo”.

A Globo tentou reagir rápido e, antes de ordenar a repercussão do tema nos espaços nobre da emissora, fez circular, na noite de segunda-feira, uma mensagem do diretor-geral da emissora, Carlos Henrique Schroder. O e-mail que explicava que a TV estava ciente e apoiava a manifestação feita na manhã desta terça e também deixava claro que a mobilização interna de repúdio ao caso de assédio pesou para que o canal se pronunciasse publicamente e o ator fosse afastado. “Ouvi com muita atenção cada uma das colocações de vocês, principalmente no que diz respeito a sempre nos comunicarmos melhor, e resolvi mandar este e-mail”, escreveu Schroder.

O caso do assédio de Mayer ganhou repercussão também pelo elogio feito à coragem de Tonani, que, como escreveu Carla Jimenez em análise no EL PAÍS, denunciou “um homem muito mais poderoso que ela, protegido por um aparato midiático”. O tamanho da repercussão também joga luz em um setor povoado de histórias de bastidores de assédio e o chamado "teste do sofá", a concessão, sob coação ou não, de favores sexuais em troca de posições e papéis. A também figurinista Michele Navarro, por exemplo, que trabalha com cinema e já integrou a equipe do SBT, conta ao EL PAÍS que nos sets de filmagem atitudes como as de Mayer não são exclusividade de quem está acima na hierarquia e que por estarem tão naturalizadas, continuam se repetindo. “Qualquer cara da equipe se sente no direito de abraçar, passar a mão no cabelo. Se você tenta se proteger e ignorar, vira imediatamente a chata, louca e mal comida. Não é à toa que esse ator se sentiu a vontade de chegar nesse extremo”, diz.

José Mayer: "Errei". Leia a íntegra da carta aberta do ator global

"Carta aberta aos meus colegas e a todos, mas principalmente aos que agem e pensam como eu agi e pensava:

Eu errei.

Errei no que fiz, no que falei, e no que pensava.

A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora.

Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas. Sou responsável pelo que faço.

Tenho amigas, tenho mulher e filha, e asseguro que de forma alguma tenho a intenção de tratar qualquer mulher com desrespeito; não me sinto superior a ninguém, não sou.

Tristemente, sou sim fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são.

Aprendi nos últimos dias o que levei 60 anos sem aprender. O mundo mudou. E isso é bom. Eu preciso e quero mudar junto com ele.

Este é o meu exercício. Este é o meu compromisso. Isso é o que eu aprendi.

A única coisa que posso pedir a Susllen, às minhas colegas e a toda a sociedade é o entendimento deste meu movimento de mudança.

Espero que este meu reconhecimento público sirva para alertar a tantas pessoas da mesma geração que eu, aos que pensavam da mesma forma que eu, aos que agiam da mesma forma que eu, que os leve a refletir e os incentive também a mudar.

Eu estou vivendo a dolorosa necessidade desta mudança. Dolorosa, mas necessária.

O que posso assegurar é que o José Mayer, homem, ator, pai, filho, marido, colega que surge hoje é, sem dúvida, muito melhor.

José Mayer".

MAIS INFORMAÇÕES