Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

A volta por cima do “Messi brasileiro”

Tiago Luís ofuscou Neymar no Santos, já foi comparado ao craque argentino e hoje vive seu melhor momento em Goiás

Tiago Luis Messi
Atacante que já foi comparado a Messi defende o Goiás.

Uma ascensão meteórica no início de 2008. Os oito gols que anotou na Copa São Paulo de Juniores, maior competição de base do Brasil, lhe garantiram a artilharia do torneio e a fama de maior promessa do Santos, superando até mesmo o status de Neymar, que era reserva da equipe. Tiago Luís tinha apenas 18 anos. Ganhou visibilidade internacional, a ponto de o diário Marca, da Espanha, estampar em sua capa a foto do jovem atacante com um prenúncio: “O [Real] Madrid negocia com o ‘Messi brasileiro’”. Foi o suficiente para alterar os rumos de sua carreira.

Tiago Luís e seu então empresário, Wagner Ribeiro, chegaram a se encontrar com um representante do Real Madrid, mas a conversa não passou de uma sondagem. Entretanto, o agente foi o inventor do apelido. Aos quatro ventos, ele dizia que o Santos tinha um jogador que poderia se tornar o novo Messi. Porém, Tiago Luís nunca conseguiu se firmar no Santos. Acabou emprestado para um clube da Europa – não o Real Madrid, mas o União de Leiria, de Portugal –, onde também não teve grande destaque.

“Essa história de ‘Messi brasileiro’ virou uma coisa chata. Em todos os lugares, achavam que eu jogaria como o Messi”, conta Tiago ao EL PAÍS. “Era um rótulo do qual eu não conseguia escapar. Quando saí do Santos e passei a jogar em clubes pequenos, as pessoas levaram isso como uma gozação para tentar me diminuir. Mas eu me acostumei com a comparação. Foi uma honra ter sido comparado ao Messi, mas, felizmente, já superei essa fama e isso agora faz parte do passado.”

Messi brasileiro
Apelido de capa de jornal "grudou" em Tiago Luís.

Wagner Ribeiro, que hoje não é mais empresário de Tiago, admite que o apelido prejudicou a carreira de seu antigo cliente. Depois do interesse do Real, o Santos renovou o contrato do atacante por cinco anos, mas, nesse período, ele teve poucas chances de provar que o paralelo com o craque do Barcelona fazia mesmo algum sentido. “Eu subi para a equipe principal em uma fase ruim do Santos, que brigou para não ser rebaixado no Campeonato Brasileiro. Quase não tive oportunidades para mostrar meu valor. Quando o Neymar surgiu no ano seguinte, por exemplo, ele pegou um time melhor, com mais jogadores de nome. Isso é fundamental para um garoto que sobe da base. Talvez, se eu tivesse pegado uma equipe como aquela de Neymar e [Paulo Henrique] Ganso, minha história no Santos poderia ter sido diferente. Mas o clube não teve paciência comigo.”

Ao deixar o Santos, em 2013, Tiago Luís entrou na Justiça contra o clube alegando irregularidades em seu contrato e falta de pagamentos. Um desfecho melancólico para quem um dia ofuscou Neymar e Ganso nas categorias de base, mas, ao mesmo tempo, um aprendizado para o atacante. “Não guardo mágoa. Eu poderia ter me transferido para o Real Madrid, mas preferi fazer minha história no Santos antes de ir para o exterior. É claro que me senti frustrado por não ter tido as oportunidades que gostaria. De qualquer forma, guardo com carinho a época no Santos e as amizades que fiz por lá, como Neymar e Ganso. Fico feliz por ter atuado com jogadores que hoje estão no alto nível do futebol europeu”, diz Tiago.

Hoje, superado o rótulo de “Messi brasileiro”, ele vive sua melhor sequência da carreira. Aos 28 anos, passou a atuar também como meia, sem perder o apreço pelo gol. No ano passado, com a camisa do Paysandu, marcou seis vezes e deu sete assistências na segunda divisão do Campeonato Brasileiro. O bom desempenho chamou a atenção do Goiás, líder do Campeonato Goiano, onde já acumula quatro gols e três assistências. “De seis meses para cá, as coisas têm conspirado a meu favor. Estou fazendo gols, dando passes e me sentindo muito bem em campo. Ainda sonho em chegar à seleção principal. Quero continuar nesse ritmo para ajudar o Goiás a ser campeão goiano e conseguir o acesso para a primeira divisão do Brasileiro.”

À Chape, com carinho

Os três anos na Chapecoense foram um divisor de águas para Tiago Luís. Além de ter sido uma peça importante na campanha que levou o time à Série A do Campeonato Brasileiro pela primeira vez, foi em Chapecó que o atacante conheceu a esposa Laura, com quem tem dois filhos. “Devo muito à Chapecoense. O clube me deu a oportunidade de ser reconhecido novamente. Eu estava desacreditado, vinha de uma saída conturbada do Santos e passagens por clubes pequenos. Mas eles confiaram no meu potencial e vivi três temporadas muito felizes por lá.”

Tiago defendeu a Chapecoense por três temporadas.
Tiago defendeu a Chapecoense por três temporadas.

Justamente pelas boas recordações do clube e da cidade, Tiago perdeu o chão em novembro do ano passado, quando recebeu a notícia do acidente de avião que matou 71 pessoas na Colômbia. Ele, inclusive, havia programado uma viagem em família para Punta Cana, na República Dominicana, com quatro ex-companheiros que morreram na tragédia. “Nosso embarque estava previsto para 10 dias depois do acidente. Eu fiquei muito abalado. Assim que soube, mandei cancelar a viagem e fui para Chapecó dar força às pessoas do clube. Eu conhecia praticamente todo mundo que estava no voo. Éramos uma verdadeira família”, afirma Tiago, que tatuou no peito um escudo da Chape com os dizeres “Somos mais que onze”.

MAIS INFORMAÇÕES