Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Província do Canadá quer o fim da obrigatoriedade do salto alto no trabalho

A primeira-ministra da Colúmbia Britânica apoia proposta que impede a obrigação do uso de calçado em função do gênero

sexismo
Duas mulheres, com saltos, em um escritório.

A Columbia Britânica, província do Canadá com mais de quatro milhões de habitantes, uniu-se ao movimento para pôr fim às normas que obrigam as mulheres a usar salto alto no trabalho. A primeira-ministra provincial, Christy Clark, mostrou-se completamente a favor de que esse requisito deixe de ser obrigatório para as mulheres e anunciou que vai se mobilizar para isso.

Clark manifestou sua opinião depois que o deputado Andrew Weaver, do Partido Verde, apresentou um projeto de lei para evitar que sejam adotados requisitos de calçados com base no gênero. “Em alguns locais de trabalho na Colúmbia Britânica, as mulheres ainda são obrigadas a usar salto alto. Além de estar fora de moda, isso é inaceitável em 2017”, escreveu Clark em um post do Facebook em 12 de março. A obrigação de usar um tipo de calçado em função do gênero foi discutida recentemente pelos deputados do Reino Unido.

Weaver apresentou um projeto de lei que modifica a Lei de Compensação de Trabalhadores quanto aos requisitos para calçados e que “tornaria ilegal um empregador exigir que o calçado seja diferente dependendo do gênero, expressão de gênero ou identidade de gênero”, declarou o deputado à emissora CBC News. Não ficou claro, segundo a imprensa canadense, se Clark apoiará o projeto de lei de Weaver ou fará uma legislação própria. Em entrevista coletiva na segunda-feira, Clark declarou que seu governo está estudando a maneira “mais rápida e simples” de conseguir essa mudança.

 

MAIS INFORMAÇÕES