Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine
Jeremy Corbyn | líder do partido trabalhista britânico

Jeremy Corbyn: “Deve ficar claro que aceitamos o ‘Brexit”

Líder do Partido Trabalhista defende o “direito incondicional” dos europeus de permanecer no Reino Unido e diz que “o problema não é controlar a imigração, mas a exploração”

Jeremy Corbyn, durante a entrevista.
Jeremy Corbyn, durante a entrevista.

Os britânicos votaram pelo Brexit [a saída do Reino Unido da União Europeia], e muitos acusam o líder trabalhista de não ter se empenhado o bastante na defesa do projeto europeu. Os deputados britânicos aprovaram, há duas semanas, a autorização para que Theresa May inicie a ruptura, sem que prosperasse uma única emenda ao seu projeto. A primeira-ministra se dispõe a iniciar o caminho rumo a um rompimento limpo e radical com a UE e, para Jeremy Corbyn, o polêmico líder da esquerda, “a verdadeira luta começa agora”. Na véspera de pronunciar seu segundo discurso do ano sobre o Brexit e de conhecer o resultado de duas eleições que podem aprofundar ainda mais a crise no seu partido, o veterano socialista recebeu na quarta-feira três jornalistas da Aliança Europeia de Jornais Líderes (LENA, na sigla em inglês) para falar de sua postura ante um processo que transformará seu país.

Pergunta. A que se refere com “a verdadeira luta começa agora”?

Resposta: A votação parlamentar foi um procedimento para dar início às negociações. A luta começa agora sobre os direitos dos nacionais europeus, sobre nossa relação comercial com a Europa, os direitos dos trabalhadores, o meio ambiente e o tipo de economia que queremos. May ameaçou nos transformar numa espécie de paraíso fiscal ao lado da Europa, uma ideia que me assusta. Quero uma boa e efetiva relação com a Europa.

P. Ante uma decisão que definirá uma época, o senhor impôs a disciplina do voto para impedir que muitos dos seus deputados votassem de forma diferente. Por quê?

R. Estamos numa posição única entre os partidos britânicos. A grande maioria dos deputados votou pela permanência, mas dois terços das jurisdições que representam apoiaram o Brexit. Por isso, acredito que devemos fazer duas coisas. Primeiro, estabelecer qual deve ser nossa futura relação com a Europa. Segundo, deixar claro que aceitamos o resultado do referendo. Foi o maior processo eleitoral da história britânica, e deve ficar claro que o respeitamos. Por isso tomei essa decisão. Qualquer outra alternativa teria sido pior.

P. Há quem defenda que a luta podia ter começado na campanha.

R. Fizemos uma campanha duramente a favor da permanência e da reforma da UE. Não está isenta de críticas, como a desregulação e a privatização dos serviços públicos. Minha mensagem era que devíamos permanecer e reformar.

P. Se a Câmara dos Lordes (câmara alta), que atualmente debate o projeto de lei do Brexit, aprovar emendas, o que farão quando o projeto voltar para a câmara baixa?

R. As emendas terão o nosso apoio. Acreditamos que podem aprovar duas: a necessidade de que haja um verdadeiro voto no final do processo e a garantia dos direitos dos europeus residentes no Reino Unido. Somos claros: todos os nacionais da UE devem ter um direito incondicional de permanecer no Reino Unido.

P. Acredita realmente que pode ser melhor para o Reino Unido ficando fora da UE?

R. Depende do comportamento de nossa economia. A indústria britânica comercializa muitíssimos bens e serviços com a Europa. Se não tivermos uma relação comercial fluida, será difícil para a nossa indústria manter o vigor. Os fundos regionais da UE também são importantes. Se não os tivermos, deverão ser substituídos pelo Governo britânico. Mas também temos uma oportunidade de controlar esse investimento. Propomos um banco nacional de investimentos com uma base regional para substituir os fundos europeus. O problema do Reino Unido é a desigualdade, o número de pessoas com emprego que vivem na pobreza.

P. A imigração é alta demais na atualidade?

R. Não defino cifras para a imigração. Reconheço que, sem o trabalho dos nacionais europeus na saúde e na educação, estaríamos em condições muito piores do que as atuais.

P. Por que os trabalhistas têm tanta dificuldade de oferecer um discurso claro sobre a imigração?

R. A maneira em que grupos de trabalhadores são recrutados nos países centro-europeus para trabalhar na construção no Reino Unido é uma exploração grotesca. Prejudica as condições laborais e cria tensões enormes nas comunidades locais. A chave é não controlar a imigração, e sim a exploração.

P. Os crimes xenófobos dispararam após o referendo. O Governo fez o suficiente para combatê-los?

R. É preciso fazer muito mais. Os crimes de ódio aumentaram, a xenofobia aumentou, não há dúvidas quanto a isso. Devemos tornar as comunidades mais coesas. Por isso, a mensagem que transmiti nas eleições parciais desta quinta é que o Partido da Independência do Reino Unido (UKIP) não oferece nenhuma solução, só busca alguém para culpar. Continuar com a cultura da acusação não constrói casas nem escolas.

P. O senhor se preocupa com o efeito do Brexit no auge da direita nacionalista na Europa?

R. Fico alarmado. A Europa se beneficiou enormemente dos trabalhadores imigrantes. O populismo de direita sempre é um perigo. Mas não é menos relevante o auge, no mundo todo, de uma esquerda que desafia a ortodoxia econômica e as supostas soluções à crise de 2008, em que o sistema bancário foi resgatado em troca de dívidas do setor público. Há uma posição econômica de esquerda que é muito diferente, e fui eleito para representá-la nas duas batalhas pela liderança que ganhei.

P. As pesquisas não parecem trazer esperanças para seu projeto...

R. A militância do partido cresceu muito. Sei que membros e votantes não são necessariamente a mesma coisa, mas nunca tivemos tantos filiados. A maior parte de nosso apoio vem de pessoas que obtêm informações por conta própria nas redes sociais. Não temos tanto sucesso entre os que leem jornais de direita. Acredito que nosso apoio cresce à medida que difundimos nossa mensagem sobre saúde, educação, oportunidades, habitação. Creio que poderei vencer as eleições.

MAIS INFORMAÇÕES