Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Chaminé e livros: na Islândia, as pessoas passam a noite de Natal lendo

Todas as casas recebem em outubro um calendário com as novidades literárias do ano

Chaminé e livros: na Islândia, as pessoas passam a noite de Natal lendo

A noite de Natal na Islândia é para se descobrir histórias através da literatura. É tradição no país dar livros de presente depois do jantar, e passar o resto da noite lendo “com um pouco de calma e tranquilidade para desfrutar da leitura”, diz Kristján Andri Stefánsson, embaixador do país na França, ao EL PAÍS. “Para mim não tem Natal sem alguns dos novos romances que são lançados para essas datas”, diz.

O mercado literário está focado nessas festas. “Cerca de 70% dos títulos chegam ao mercado nos três últimos meses antes do Natal”, segundo Stefánsson. Existe até um nome para esse fenômeno: o dilúvio de livros de Natal, que eles chamam Jólabókaflóð.

Em outubro se publica um catálogo com todos os novos títulos do ano. É o bókatíðindi, que é distribuído em todos os domicílios do país e também pode ser consultado online. Segundo uma pesquisa da Associação de Editores divulgada pela embaixada, 63% dos islandeses receberam livros no Natal. Desses, mais de 48% ganharam dois ou mais.

O catálogo com as novidades literárias de 2016
O catálogo com as novidades literárias de 2016

A tradição de livros no Natal vem da Segunda Guerra Mundial, ainda que para muitos islandeses, como o embaixador (que tem 49 anos), seja algo da vida toda. Jóhann Páll Valdimarsson, diretor da Forlagið, a maior editora do país, disse em entrevista ao The Reykjavík Grapevine que, devido a restrições a importações durante a guerra, começaram com a tradição de dar livros, que eram impressos no próprio país.

“A cada ano são publicados entre 800 e 1.000 novos títulos, dos quais 70-80 são romances de autores islandeses”, segundo o embaixador. A BBC publicou em 2013 que um de cada 10 islandeses publicará um livro em sua vida.

De cada título são impressas cerca de 1.000 cópias, segundo Stefánsson. Para alguns autores muito conhecidos, como o escritor de romances policiais Arnaldur Indridason, são editados até 20.000 exemplares. Em um país com 320.000 habitantes, mesmo que sejam ávidos leitores, há quem se pergunte se não deveriam imprimir menos.

O amor da Islândia por livros levou sua capital a ser nomeada cidade da literatura pela Unesco em 2003. Este ano foram instalados em alguns bancos públicos códigos QR para que os cidadãos possam baixar audiolivros em inglês ou em islandês,

Nessa foto enviada pela Embaixada, Stefánsson posa junto a uma pilha de livros que comprou em dezembro e o catálogo de novidade deste ano. Em 2014, só 13,3% dos entrevistados pelos editores não tinha lido nenhum livro, mas os dados de leitura dos islandeses coincidem com essa torre. Segundo a pesquisa, 18,2% leram um ou dois livros; 20,9% entre três e cinco; 20,1% entre seis e sete; 15,6% entre 11 e 20; e 11,8% mais de 21!

Chaminé e livros: na Islândia, as pessoas passam a noite de Natal lendo

MAIS INFORMAÇÕES