Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

O homem que acende o cigarro em um ônibus em chamas somos todos nós em 2016

A imagem foi tomada durante os protestos em Brasília desta semana

Em 2016, muitas coisas aconteceram no Brasil. Foi destituída a presidenta e muito poucos sabem explicar por quais delitos exatamente; houve Jogos Olímpicos. Caiu um avião com uma equipe de futebol dentro. O novo Governo deu luz verde à austeridade mais crua; e, em outra ordem de coisas, a filha de Xuxa, Sasha, concedeu sua primeira entrevista à TV. Mas nenhum destes eventos resultou em uma imagem tão popular como a captada na terça-feira, 13, pelo fotógrafo Adriano Machado em Brasília.

Homem acende um cigarro nas chamas de um ônibus queimado por manifestantes antigovernamentais, durante os protestos diante do Congresso Nacional, em Brasília

Nela se pode ver um ônibus em chamas, resultado do enésimo enfrentamento entre a polícia e manifestantes neste ano, e, ao lado dele, um despreocupado homem, vamos chamá-lo de Sr. Passava por Aqui, que aproveita o fogo que sai do veículo para acender um cigarro.

A imagem foi vendida para a Reuters, que a publicou em uma de suas páginas no Facebook, onde até o momento foi compartilhada 4.500 vezes. Como observa um dos comentários com mais curtidas: “É como uma tela de videogame com Sim City, mas controlado por um psicopata. Ou seja, um resumo muito bom de 2016”.

O próprio fotógrafo tem dificuldade para explicar o que seus olhos viram. “Geralmente, pelo meu trabalho na Reuters, cubro muito política: e este ano isto significa que também cubro muitos protestos, onde se veem muitas coisas”, explica por telefone a EL PAÍS, na saída do Palácio do Planalto.

O 13 de dezembro foi um desses dias: o Senado aprovou, com pouco mais que os votos mínimos necessários, a PEC 55, o primeiro grande pacote de austeridade do novo Governo, que estabelece um teto para os gastos públicos durante os próximos 20 anos. Em um país em que a Constituição definia até agora um mínimo, e não um teto, para esse tipo de gastos, isso representa uma mudança fundamental: a manifestação que resultou disso foi especialmente destrutiva. “Vi muitos manifestantes mascarados que se dirigiam à Esplanada romperem uma barreira policial. Fui nessa direção e comecei a notar muito barulho, muitas bombas e muita fumaça. Ouvi os bombeiros. Vi uma torre de fumaça preta e a segui: vi que saía de um ônibus”, prossegue Machado. E logo chegou o Sr. Passava por Aqui.

“Não tinha nem ideia de onde esse homem saiu, mas ali estava. Todo tranquilo, despreocupado, de cara limpa, sem máscara, apesar das bombas de gás e do cheiro de plástico queimado. Como se nada fosse com ele. Eu não acreditava”, explica Machado. “Depois me dei conta de que o sujeito estava com os manifestantes, mas sua aparência sem dúvida não parece a de alguém que está aí para alguma coisa”.

A fotografia do homem andando ao lado do ônibus em chamas para acender o cigarro logo se tornou facilmente compartilhada nas redes sociais. “Acho que é pela combinação: a explosão é agressiva e o homem está tranquilo”, explica Machado. Para uns, é o resumo visual de 2016, o ano que saiu do avesso, rompeu tudo e nos deixou para que nos virássemos. Para outros, é o cúmulo do cool. Para os compatriotas de Mr. Passava por Aqui, é um símbolo da capacidade dos brasileiros de tirar proveito de qualquer situação, até das desgraças.

Assim ficou o ônibus que serviu de isqueiro ao Sr. Passava por Aqui, em uma foto tirada por Adriano Machado para a Reuters durante os protestos de 13 de dezembro.

Em um tuíte com mais de 10.000 retuítes, que mostra a imagem, está escrito: “Um dia eu quero ser tão descolado quanto esse cara acendendo o cigarro nas chamas dum ônibus queimado por manifestantes ontem em Brasília”. Machado acha que a foto tem algo de metafórico, mas não sabe dizer muito bem o quê: “Parece lembrar que tudo chega, até para as pessoas que não se importam com nada, e que tudo passa”.

MAIS INFORMAÇÕES