Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Com jogo duplo do Governo, Câmara desiste de votar nova lei de repatriação

Receita Federal se opunha a mudanças na lei. Pressão de governadores foi ineficiente

Deputados na sessão desta segunda-feira. Câmara

A Câmara dos Deputados desistiu de votar as mudanças na lei da repatriação de recursos que estavam escondidos no exterior. A decisão foi tomada no fim da tarde desta segunda-feira depois de uma reunião entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o relator da proposta, Alexandre Baldy (PTN-GO). A justificativa apresentada pelo relator foi a de que faltou acordo com todas as bancadas partidárias e os aliados do Governo Michel Temer não quiseram correr o risco de ver o polêmico projeto alterado no plenário da Câmara.

“Colocarmos para votar no plenário é desafiador no momento em que emendas poderiam prejudicar o projeto”, afirmou Baldy após uma série de reuniões com líderes partidários e depois de conversar com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Na prática, o Governo Temer não se empenhou tanto na aprovação desta proposta como já atuou em outras ocasiões. Acabou fazendo uma espécie de jogo duplo. O Palácio do Planalto dizia que era a favor da proposta, mas não determinou que o seu líder na Casa, o deputado André Moura (PSC-SE), o defendesse e acabou liberando sua equipe econômica a dizer o que bem entendesse. Mesmo com uma base aliada de quase 400 deputados, a gestão Temer não quis entrar de corpo inteiro nessa disputa. Baldy e Maia botaram a culpa na não votação na mudança nos deputados do oposicionista PT, que obstruiu os trabalhos. Mas ambos sabiam que a proposta corria o risco de ser derrotada ou completamente modificada durante a votação.

O novo projeto previa uma série de alterações na lei 13.254/2016 e era mal visto pela Receita Federal e pelo Ministério Público Federal. A primeira entidade previa uma queda na arrecadação, já que teria de dividir parte dos recursos com Estados e Municípios e porque os impostos e as multas obtidos com a repatriação seriam cobrados a partir dos valores registrados no dia 31 de dezembro de 2014. Na atual lei, sancionada no início do ano, os valores eram calculados a partir da movimentação entre 2010 e 2014. Já o Ministério Público, por sua vez, entendia que as mudanças poderiam facilitar a entrada de dinheiro sujo no país, sem a comprovação de sua origem.

Quando foi sancionada, ainda no Governo Dilma Rousseff, havia uma expectativa de se arrecadar entre 11 bilhões de 40 bilhões de reais com essa lei. A alteração dela elevou essa estimativa para 80 bilhões de reais. O valor, contudo, seria dividido com Estados e Municípios a partir do momento em que se arrecadasse acima de 25 bilhões de reais.

O anúncio desta segunda-feira foi um aviso principalmente para os sonegadores que queriam aderir ao programa assim como para o mercado financeiro, que esperava uma definição do assunto. “A colocação para o mercado e para todos que esperavam esse retorno é de que não houve acordo e que, sem acordo, está impossibilitado de se colocar o projeto para se alterar a lei vigente”, afirmou Baldy.

Assim, os que quiserem repatriar recursos e serem anistiados de crimes como falsidade ideológica, sonegação e evasão de divisas têm até o dia 31 de outubro para aderir ao Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária. A estimativa é que cerca de 12 bilhões de reais já tenham sido arrecadados em impostos e multas.

MAIS INFORMAÇÕES