Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

“Nem a propaganda soviética era tão descarada como a de agora”

A autora bielorrussa, cronista do declínio da União Soviética, reflete sobre o futuro da nova Rússia

Ampliar foto

Para Svetlana Alexievich, a banalidade mascara a vida real com uma frequência maior do que a desejada. E a avalanche atual de informações não melhora o panorama. Por isso, para aproximar, ao máximo, seus relatos da realidade, a escritora bielorrussa de 68 anos os constrói, há décadas, a partir dos depoimentos de pessoas anônimas. Ganhadora do Nobel de Literatura 2015, sua obra é considerada uma das chaves para entender a nova Rússia e inclui livros como O Fim do Homem Soviético – Um Tempo de Desencanto e Vozes De Tchernóbil – A História Oral Do Desastre Nuclear. Em uma visita a Madri, ela conversou sobre o valor das ideias, do amor e da velhice.

Pergunta. Como você vê a Rússia em um futuro próximo?

Resposta. É impossível prever. Não sabemos o que o caldeirão russo está cozinhando. Pode ser que surja algo um pouco parecido ao fascismo ou pode haver um estancamento. Frequentemente, o fator paciência não é levado em conta. Na Rússia, a população sofre há tantos anos que já desenvolveu uma forte resistência. Podem continuar assim por anos. No entanto, estamos revivendo a filosofia de uma fortaleza ameaçada, rodeada de inimigos e tomada pela histeria militarista de tempos passados. Todos os dias nos mostram na televisão o material militar adquirido: um novo navio de guerra, um novo avião, um novo tanque… Existe uma propaganda muito agressiva contra Estados Unidos, Europa e Ucrânia. Há uma espiomania que está ressurgindo. É uma loucura. Os homossexuais são perseguidos, e a Igreja ortodoxa se tornou mais agressiva e não para de proibir peças de teatro, livros… Nem a propaganda soviética era tão descarada como a de agora.

P. Os russos são mais livres do que antes, ao menos do ponto de vista material, como o Governo de Putin costuma ressaltar. Você fala dessa liberdade como uma espécie de miragem.

R. É que ela é muito relativa. Por exemplo, sabemos que 7% da população monopoliza a riqueza do país. A grande maioria vive com o mínimo. E, por outro lado, de que liberdade podemos falar ao considerar casos como o de Mikhail Khodorkovski, que, da noite para o dia, deixou de ser milionário e passou um detento? Depois de 10 anos na cadeia ainda não sabem de que crimes acusá-lo.

P. Você disse que as ideias comunistas vão voltar para a Rússia. O que isso significa?

R. Muitos jovens russos leem Trotski, Marx e Engels e veem Stalin como uma figura a ser imitada. Ainda são inaugurados museus em sua memória. Está na moda. Por trás disso se esconde o fato de que existe muita gente que se sente derrotada e idealiza o passado. Querem que se mantenha a liberdade de poder viajar pelo mundo e que as lojas estejam cheias de produtos, mas, ao mesmo tempo, desejam um socialismo igualitário.

P. Todas as tentativas de comunismo fracassaram.

R. É verdade. China, Camboja…, em todos os países houve derramamento de sangue. Acho que é porque foram muito precipitados.

P. Então você acredita que é possível tentar se aproximar de um socialismo utópico se a sociedade estiver preparada?

R. Acredito. Mas seria um socialismo mais parecido ao que viveram sociedades próximas como França, Alemanha e Suécia. Acho que haverá um desenvolvimento paulatino quando a ideia de uma sociedade civil for aperfeiçoada. Estou convencida de que o futuro na Rússia passa pela ideia socialista, mas não podemos saber exatamente quando ela chegará.

P. O que é preciso esquecer para seguir adiante?

R. Na Rússia faz falta uma reflexão sobre o stalinismo, como aconteceu na Alemanha com o fascismo. Isso tem sido feito apenas por um pequeno grupo de intelectuais russos. É só olhar para o que aconteceu em Perm, uma cidade no norte do país. Ali existia um museu em homenagem às vítimas das repressões stalinistas. Quando Putin chegou ao poder, expulsaram os membros da direção do museu e puseram outras pessoas no lugar. Agora, o estabelecimento é dedicado aos trabalhadores do gulag. Já não homenageia os encarcerados, mas sim os carcereiros. Outro exemplo é a aprovação de uma lei que autoriza a perseguição e punição, por parte da justiça, de pessoas que questionem a vitória da União Soviética na Segunda Guerra Mundial. Estou convencida de que as mulheres que falaram comigo para o livro A Guerra Não Tem Rosto de Mulher não aceitariam dar as mesmas entrevistas agora.

“Vivemos entre 20 e 30 anos mais do que antes e ainda não existe uma filosofia que dê sentido a esse novo tempo”

P. Você está acostumada a falar sobre os tempos turbulentos que atravessamos não só na Rússia, mas em todo o mundo, por causa do terrorismo, das guerras, dos problemas de imigração e econômicos e dos desastres ecológicos. Que papel os intelectuais deveriam desempenhar?

R. Infelizmente, as ideias têm, agora, um papel menos importante em nossas sociedades. O que se impõe é a parte material, e lamento muito que essa seja a realidade. Precisamos de personalidades que sejam capazes de oferecer ao mundo uma nova visão, um novo sistema, uma nova filosofia e novos valores que continuamos necessitando. Vivemos uma época cheia de informações, na qual tudo acontece mais rápido, mas esses conhecimentos não tem nada a ver com o mistério da vida humana. Oferecem apenas um olhar superficial. A vida é muito mais complexa. O mesmo acontece com as redes sociais, onde quase tudo que se compartilha é banalidade. O que me interessa, e tento fazer com minha literatura documentário, é falar do espírito e dos sentimentos do ser humano, que giram, na minha opinião, em torno do amor e da morte.

P. Agora você está escrevendo dois livros: um sobre o amor e outro sobre o envelhecimento.

R. Sim. Já escrevi livros suficientes sobre pessoas que viviam com grandes ideias. Agora me interessa o ser metafísico, o ser humano em sua vida privada.

P. O que você encontrou?

R. Histórias de homens e mulheres que tentam ser felizes e explicam porque não conseguem alcançar esse objetivo. É muito complicado, já que as pessoas têm dificuldades para falar mais sobre seus sentimentos do que de coisas que aconteceram. Na Rússia, os cidadãos não consideram que suas vidas sejam interessantes. Ainda estamos aprendendo a construir a privacidade. O amor e a morte são os dois grandes mistérios. Por exemplo, a respeito do envelhecimento, agora vivemos entre 20 e 30 anos mais em relação à expectativa de vida anterior, e ainda não existe uma filosofia que contemple esse novo tempo extra. Faltam ideias que cubram esse novo período.

P. O acidente nuclear de Chernobyl completou 30 anos. O que significa aquela catástrofe agora?

R. As pessoas continuam adoecendo e morrendo. E o pior: não aprendemos nada com aquilo.

MAIS INFORMAÇÕES