Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

A voz da periferia insatisfeita que (ainda) não foi protestar contra Dilma e o PT

O EL PAÍS esteve nas zonas leste, norte e sul de São Paulo para falar com quem não se manifestou

Ainda assim, os entrevistados estão insatisfeitos com o Governo e a maioria quer o impeachment

Os amigos Kaio e Karoline, no terminal Itaquera, neste domingo.

Enquanto milhões de pessoas participavam neste domingo dos protestos em todo o Brasil, Eliane de Jesus visitava o seu filho na Fundação Casa (antiga FEBEM). Lá, aos 17 anos, está preso por tráfico de drogas. Ele e sua mãe são parte de um outro Brasil, cuja voz não ecoou nas ruas desde que os protestos contra o Governo de Dilma Rousseff e o PT começaram a vestir verde e amarelo: o que vive na periferia das grandes cidades e longe do local onde normalmente ocorrem as manifestações. Eliane também é contra o Governo e quer que "essa mulher saia de uma vez". Afinal, "o preço do arroz, do feijão, da luz e do aluguel subiram muito", conta esta moradora de Vila Calu, no extremo sul da cidade de São Paulo. Nunca pensou em ocupar as ruas para exigir seus direitos. Mas caso o fizesse, seria por dois motivos: "Primeiro contra os maus-tratos lá na FEBEM. Eles tratam mal a família e até batem no meu filho. Tá certo que ele é um safado, mas isso não pode não, né? E também pela merenda escolar. Meus outros filhos passam o dia todo na escola e só servem café e bolacha, ao invés de comida".

O EL PAÍS esteve na tarde deste domingo nas zonas norte, sul e leste da capital paulista para falar com pessoas que, como Eliane — auxiliar de limpeza que cuida de seis filhos com o seu salário mínimo e os 1.100 reais de seu marido —, estiveram alheias ao que acontecia na avenida Paulista. Enquanto isso, 500.000 pessoas protestavam na principal via da capital, segundo o Datafolha. O mesmo instituto e os pesquisadores da USP-Unifesp-OpenSociety chegaram à conclusão, a partir de várias pesquisas, que cerca de 70% dos que costumam participar dos protestos anti-Dilma ganham mais de cinco salários mínimos por mês. Em suma, trata-se de uma minoria social num país onde a maioria vive com pouco, mas com uma capacidade de mobilização decisiva. Algo que a liberal revista britânica The Economist chamou de "a revolução do cashmere".

Apesar de não se somarem aos protestos deste domingo, todos os entrevistados por este jornal não estão satisfeitos com o Governo Dilma — algo que não chega a surpreender, já que a popularidade da presidenta não supera os 10%, segundo todas as pesquisas. A maioria deles é favorável ao impeachment, mas são céticos com relação a qualquer mudança para melhor. Afinal, por pertencerem às classes C, D, e E, são os mais afetados pela crise econômica. Principalmente pelo aumento da inflação e do desemprego, que já superam 10%. Só na Grande São Paulo, a taxa de desocupação superou os 13%. Já a renda média dos brasileiros caiu 7,4% em um ano, para 2.242,90 reais em janeiro, após anos de crescimento.

Por que então não participam dos protestos? O que opinam sobre o Governo e a crise política?

Anderson, por exemplo, acha que ajuda mais mobilizando as pessoas pela Internet. Até tem vontade de deixar as redes sociais para se manifestar nas ruas a favor da destituição. "Mas é complicado", diz, após um longo suspiro. "Moro longe, em Cidade Tiradentes. Sai muito caro, e você sai para a rua e não acontece nada!", argumenta este subgerente de produção, na fila para pegar o ônibus no terminal Itaquera, na zona leste de São Paulo, ponto final da linha 3 vermelha de metrô e ponto de encontro dos que vivem nesta região. Já Rodrigo, um professor de história de 25 anos e morador do mesmo bairro, lembra que o impeachment é constitucional e argumenta que, "se o Governo está  incomodando", a população tem o direito de protestar. "Acho os protestos super válidos. Afinal, é como em uma empresa: o Executivo é empregado da população e temos o direito de pedir sua demissão... Só não sei se resolve".

Eliane de Jesus, moradora de Vila Calu, no extremo sul de São Paulo.

A poucos metros de distância, também em uma fila de ônibus, estão os amigos Kaio Vinícius Lima e Karoline Luz do Carmo, ambos de 20 anos. Moradores de Recanto Verde do Sol, se dizem insatisfeitos com o Governo. "Mas acho que as pessoas não estão com as ideias muito claras. Não foi feita uma reflexão. Precisamos pressionar por medidas que tenham relevância na vida da população", defende ele, que é auxiliar de vendas em um atacadista de material de construção, estudante de Rádio e TV e evangélico. "Olha, não entendo muito de política não. O pouco que eu sei, pergunto para ele. Eu votei na Dilma por ela ser mulher, achei que dessa vez ia dar certo. Mas tem muita coisa suja, então fico com o pé atrás. Mas acho melhor deixar ela que colocar alguém pior", argumenta Karoline, recém-desempregada após anos trabalhando em uma fábrica de brinquedo. "Para ser sincera, acho que protestar é uma perda de tempo. Mas se fosse a uma manifestação, seria por melhor transporte e saúde pública. Você acorda cedo para trabalhar e sustentar sua família, pega o metrô lotado e demora para chegar no trabalho. Aí você fica doente e tem que enfrentar fila no SUS".

O trem do metrô deixa o terminal Itaquera cheio, mas ninguém parece estar vestido para a manifestação. Rodrigo Costa, que voltava do trabalho, comenta rapidamente o por que, antes de sair na estação Artur Alvim. "Não adianta, né?". Passa a sua estação. E outra. E mais outra. Conforme o metrô se afasta da zona leste e se aproxima das zonas oeste e centro, as regiões mais nobres da cidade, o vagão começa a encher de pessoas vestidas de verde e amarelo que vão em direção à Paulista. Toda a cidade parece mobilizada, todos parecem ter uma resposta na ponta da língua sobre política.

Rose, no entanto, nem sabia direito do que se tratava. "O protesto é contra a Dilma, né? Não gosto dela não, mas sei lá, nunca pensei em protestar. Minha família nunca protestou. A gente não é disso não", conta essa mulher de 38 anos e moradora de Parada Inglesa, na zona norte de São Paulo. Alaíde, de 33 anos, tampouco é de protestar. "Nunca nem votei!", explica. Neste domingo, entretanto, confessa que estava com uma "enorme" vontade de se manifestar, de participar do processo democrático. No final, suas amigas furaram e ela decidiu não ir sozinha. Ela não entende direito esta vontade súbita de ir ao ato, mas se diz preocupada com os seus amigos, muitos deles sem emprego após se formar na universidade. “Não tenho estudos e trabalho em casa de família, cuidando de criança. Agora, se eu fosse engenheira, iria querer trabalhar com isso, e não cuidando de criança! E vejo meus amigos que estudaram para caramba tendo que aceitar qualquer coisa... Protestaria por eles, por causa do desemprego”.

Alaíde mora em Santo Amaro, na zona sul da cidade. Duas estações de trem antes, no Morumbi, manifestantes vestidos de verde e amarelo saem em massa do trem. Uma estação de trem depois, em Socorro, a paisagem é cinza. Sentada com a bolsa no colo, encolhida, Eliane de Jesus acabava de ver o seu filho na Fundação Casa. Para ela, a escola de seus filhos deveria se reunir com as famílias para debater mais, explicar mais, e arranjar mais ocupações para manter as crianças afastadas do tráfico de drogas.

— Mas nem merenda dão direito!

— Senhora, sabia que este é um problema causado pelo Governo Estadual?

— Pois é, né, me falaram. Sabe o que é? Não costumo falar dessas coisas de política com ninguém não. Você é o primeiro a vir conversar comigo.

A mãe petista e a filha tucana em tempos de polarização

Lília e sua filha Larissa.

Lília, de 37 anos, foi, durante muitos anos, militante do PT, partido que sua mãe ajudou a fundar na zona norte de São Paulo. Ainda vota no mesmo partido em todas as eleições porque acredita que ainda há pessoas honestas dentro do partido, apesar de várias decepções. “A Marta Suplicy [hoje no PMDB] ampliou as creches, deu auxílio gás, auxílio leite, criou o bilhete único... Quem é mãe sabe da importância dessas coisas”, explica esta gerente de administração, moradora do bairro Jardim São Paulo. “Erundina foi excelente e o Haddad é muito bom. E o Governo Lula levou luz para muitos lugares no interior de São Paulo”.

Já a sua filha a Larissa, de 18 anos, não quer saber do PT. Nas últimas eleições votou no PSDB. Estudante e vendedora na loja Fast Shop, de produtos eletrônicos, se diz completamente favorável ao impeachment da presidenta Dilma Rousseff. “Mas não vou ao protesto por respeito a minha mãe”, explica. Esta acrescenta: “Eu até iria se as manifestações fossem contra a corrupção em geral, e não apenas contra o PT. Mas concordo que o partido tem que varrer o que não presta”.

MAIS INFORMAÇÕES