Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Moradores de cidade alemã comemoram incêndio de centro de refugiados

Os bombeiros tiveram dificuldades para apagar as chamas por causa da intromissão do grupo

Crise de refugiados na Alemanha
Bombeiros tentam apagar o incêndio nas instalações de um centro de refugiados em Bautzen, Alemanha. AFP

Um grande grupo de moradores de Bautzen, uma pequena cidade saxã na fronteira com a Polônia e a República Tcheca, protagonizou, na madrugada de domingo, um vergonhoso espetáculo que desanimou o país, envergonhou as autoridades da Saxônia e que voltou a mostrar que um setor da Alemanha esconde um ressentimento visceral e perigoso contra chegada de refugiados ao país. Às três da madrugada (horário local), começou um incêndio em um velho hotel habilitado para acolher cerca de 300 refugiados, mas os bombeiros tiveram dificuldades para apagar as chamas por causa de um grupo de pessoas que comemorava o ocorrido com gritos xenofóbicos e aplausos.

Segundo a polícia, diante do edifício reuniram-se grupos de moradores, inclusive crianças e bêbados, que festejavam “sem dúvida” o incêndio, cuja origem é desconhecida, mas a polícia suspeita que tenha sido provocado. “O trabalho dos bombeiros foi dificultado enormemente pelos curiosos, e alguns dos manifestantes comentavam com desdém e visível alegria o que estava acontecendo”, disse um porta-voz da polícia. O local estava vazio e não houve feridos.

Se for confirmado que o incêndio, que destruiu completamente o edifício, foi provocado intencionalmente, ele integrará uma longa lista de agressões contra refugiados na Alemanha. De acordo com fontes da Polícia Federal Criminal, ao longo de 2015, mais de 500 albergues foram atacados em todo o país, e 126 edifícios foram parcialmente destruídos.

O incêndio da madrugada de domingo em Bautzen e o que os seus moradores fizeram também deixaram escancarado que o Estado federado da Saxônia está se convertendo em um lugar perigoso para os refugiados. Na última quinta-feira, em Clausnitz (também na Saxônia), um grupo de aproximadamente 100 pessoas reuniu-se diante de um albergue para impedir a chegada de 24 refugiados, que viajavam em um ônibus. Quando o veículo chegou ao edifício, encontrou a rua bloqueada por vários carros cruzados sobre a rua, enquanto os manifestantes repreendiam os refugiados com gritos de “nós somos o povo”.

Ao longo de 2015, mais de 500 albergues foram atacados na Alemanha e 126 edifícios foram parcialmente destruídos

O bloqueio durou mais de uma hora e terminou apenas quando a polícia chegou ao local. Mas a atuação das forças da ordem, ao invés de aplacar o medo dos refugiados, provocou um escândalo que colocou em dúvida a atuação e a neutralidade da polícia. Nos vídeos gravados pelos cidadãos e publicados nas redes sociais, pode-se ver como um musculoso agente da polícia agarra brutalmente uma criança de 14 anos e a empurra para fora do ônibus, debaixo de aplausos e gritos dos manifestantes. Outro vídeo mostra como um segundo agente obriga uma mulher a descer do ônibus.

As imagens que mostram a ação violenta da polícia obrigaram as autoridades a convocarem uma coletiva de imprensa, na qual o chefe da polícia de Chemnitz, Uwe Reissman, acusou os refugiados de terem provocado os manifestantes. O oficial não deu detalhes sobre como esse incidente, que poderia ter terminado em tragédia, havia começado.

A segunda maior emissora de televisão alemã, ZDF, revelou que o responsável pelo abrigo de Clausnitz é Thomas Hetze, um militante ativo do partido eurocético e xenofóbico Alternativa para a Alemanha (AFD). A ZDF denunciou que Hetze era uma das pessoas que sabia o dia e a hora em que chegariam os refugiados.

O chefe do Governo regional da Saxônia, o democrata-cristão Stanislaw Tillich, condenou energicamente os incidentes. Tillich chamou os manifestantes de “criminosos”. “Os acontecimentos de Clausnitz e Bautzen são surpreendentes e chocantes. São repugnantes e abomináveis”, disse o político.

MAIS INFORMAÇÕES