Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

‘Os Dez Mandamentos - O Filme’, o milagre da multiplicação dos ingressos

Lançamento da Record e Paris Filmes entra em uma de cada três salas de cinema do país

Os Dez Mandamentos foi tema de cultos da Universal e vendeu 3 milhões de ingressos antes de estrear

Gravação de Os Dez Mandamentos - O Filme
Alexandre Avancini dirige Guilherme Winter (Moisés) em 'Os Dez Mandamentos'.

Não é pouco o esforço de diretores de criação do cinema do mundo inteiro para fazer filmes que encantem plateias e, se possível, rendam dinheiro suficiente para alimentar toda a cadeia envolvida em uma produção cinematográfica (e ainda financiar outros filmes). No Brasil, esse mérito no momento é da Record, o canal de TV que pertence ao bispo evangélico, televangelista, escritor e empresário Edir Macedo. E assim será, até que alguém supere o estrondoso sucesso do filme Os Dez Mandamentos.

Primeiro, veio a novela, que, com a trama bíblica da libertação dos judeus das mãos dos egípicios por Moisés, desbancou a Rede Globo do posto de rainha da TV brasileira em seus picos de audiência (um feito inédito por 40 anos), alcançando cerca de 3,5 milhões de lares, segundo o Ibope. Agora, surge Os Dez Mandamentos - O Filme, longa-metragem de duas horas editado a partir dos 176 capítulos do folhetim – no ar de março a novembro de 2015 e disponível atualmente na Netflix e na plataforma R7 Play – e que, aonde quer que se olhe, extrapola limites.

Nem bem o filme chegou às mais de 1.000 salas comerciais (uma em cada três do país, onde há 3.001 cinemas ao total) que o esperam em todo o território brasileiro a partir desta quinta-feira, 28 de janeiro, e quase três milhões de ingressos já foram vendidos a espectadores sedentos por ver o Mar Vermelho se abrir de novo diante de seus olhos. Em números exatos, foram 2,4 milhões de ingressos só nos primeiros 20 dias de pré-venda – prática até hoje pouco comum no mercado cinematográfico nacional, mas que já se provou efetiva com um produto com tantos fãs mobilizados. Prontas para entrar para a História graças a eles, Paris Filmes e Downtown Filmes, as distribuidoras do longa, têm a meta de ultrapassar o maior hit do cinema brasileiro até hoje: Tropa de Elite 2 (2010), com seus 11 milhões de espectadores.

O enamoramento por Os Dez Mandamentos - O Filme parece natural: um profeta liberta um povo oprimido com a ajuda de sete pragas enviadas por Deus, como descreve a mais famosa das histórias bíblicas – nada menos que o maior best seller de todos os tempos e o único livro declarado como Patrimônio da Humanidade pela Unesco. E isso para entreter um Brasil em anos de crise econômica, política e social e ânimos em derrocada. “As pessoas estão pessimistas, e Os Dez Mandamentos apresenta uma mensagem de esperança, de um povo oprimido que se liberta. Acho que a escolha dessa temática foi muito feliz, porque vem de encontro com a necessidade de um entretenimento que aponte um caminho de saída”, opina Alexandre Avancini, que dirigiu a novela e o filme.

Mas há muito mais do que coincidências felizes neste case de sucesso da Record, ligada através de seu dono à Igreja Universal do Reino de Deus. Uma intensa campanha de marketing que vem acontecendo desde a novela foi turbinada com o filme, que ganhou vídeos com declarações entusiasmadas de personalidades como a funkeira Anitta e a cozinheira Palmirinha na Internet, reportagens extensas em programas como o Domingo Espetacular e menções constantes em cultos evangélicos da Universal.

No encontro em que o EL PAÍS esteve presente, aos pedidos de oferta que já são de praxe (dízimo e outras contribuições que podem ser feitas em moeda ou com pagamento através de cartão de débito ou crédito; a Igreja disponibiliza maquininhas), somaram-se envelopes com o logo do filme distribuídos por obreiros que vestiam uma camiseta preta promocional com os dizeres Os Dez Mandamentos, de um lado, e #EuVou, de outro. Na loja oficial do magnânimo Templo de Salomão (unidade da Universal da zona leste de São Paulo construída à semelhança da construção bíblica) ela é vendida a R$ 28, enquanto lojas independentes têm o modelo a R$ 29,90 (com a opção da cor branca).

Os pastores falavam em “arrecadar para comprar ingressos de cinema que serão distribuídos para os que não podem pagar” para ver uma história “de imenso valor”, “ideal para congregar a família”. Colegas de culto questionavam, preocupados: “Será que ainda vou conseguir entrada? É verdade que está acabando?”. Tamanha foi a mobilização de alguns, que sessões inteiras foram compradas para a exibição privada do filme. Só no Recife, segundo uma reportagem do UOL, um comprador que se disse “ligado à Universal” adquiriu 22.700 ingressos de uma vez – o equivalente a duas semanas inteiras de exibição, no valor total de R$ 220.000.

Novelão

Se alguém levantou falsas esperanças, é bom avisar: Os Dez Mandamentos - O Filme é uma questão de fé, de mercado, de entretenimento… não de cinema.

Em termos narrativos, fontes afirmaram ao EL PAÍS que, assim como a filha de Edir Macedo revisava ela mesma os roteiros da novela, assinados por Vivian de Oliveira, bispos ligados à diretoria da empresa fizeram o mesmo com o filme para evitar cenas não condizentes com “uma interpretação fiel da Bíblia”.

Já a edição frenética do longa, que se esforçou para fazer caber uma novela inteira em um par de horas, conta com o conhecimento prévio do espectador sobre a Bíblia para garantir a própria compreensão da história, abdicando de tramas menores e do ritmo menos acelerado da TV. As atuações caricatas, que se salvam em certas passagens sensíveis de Moisés (Guilherme Winter) e de Arão (Petrônio Gontijo), pesam aos olhos sobretudo do espectador que só viu o filme.

Esteticamente, pouco ali lembra uma obra como Os Dez Mandamentos de Cecil B. DeMille, pelo qual Charlton Heston foi indicado a um Globo de Ouro por sua atuação no papel principal, e que foi a grande referência estética de Avancini. O diretor pondera: "Espero que a crítica especializada entenda que é uma transposição da novela ao cinema”, diz, temeroso, porém ciente de que aproveitou 90% do material televisivo no longa e orgulhoso do trabalho. “Muita gente me pergunta como estou me sentindo com minha estreia no cinema. Isso não é cinema, é novela na tela grande”.

Como atrativo, a campanha de marketing de Os Dez Mandamentos - O Filme fala em cenas adicionais (que enlaçam a segunda temporada da televisão, que vem aí, em 60 capítulos a partir de março). Mas só o mar Vermelho dividido em dois no telão salva. Ou talvez nem isso.

Fe de errores

Diferentemente do publicado inicialmente, Charlton Heston não ganhou um Oscar de melhor ator pelo filme Os Dez Mandamentos, mas sim por sua atuação em Ben Hur.

MAIS INFORMAÇÕES