Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Identificado na Argentina o neto 116, sequestrado durante a ditadura militar

Desaparecido esteve há três meses na sede das Avós da Praça de Maio para realizar testes

Estela de Carlotto na Feira Internacional do Livro de Guadalajara Ampliar foto
Estela de Carlotto na Feira Internacional do Livro de Guadalajara EFE

O neto da presidenta das Avós da Praça de Maio, Estela de Carlotto, foi o número 114 em uma lista aproximada de 500 desaparecidos durante a ditadura militar argentina (de 1976 a 1983). Sua identidade biológica foi descoberta em 5 de agosto, depois de mais de três décadas de buscas. E nesta quinta-feira o próprio Ignacio Guido Carlotto, que descobriu sua identidade biológica aos 36 anos, anunciou no Twitter: “Enorme alegria por mais um neto, o 116. Vamos!”. Trata-se do filho do estudante de arquitetura Hugo Alberto Castro e da professora e estudante do terceiro ano de Economia, Ana Rubel, ambos desaparecidos na Escola de Mecânica da Armada (ESMA), o último lugar onde foram vistos com vida, em 1977. Os amigos e parentes sabiam que Rubel foi detida quando estava no segundo mês de gravidez.

O menino nasceu na sede da ESMA e foi criado na casa de um médico da fundação beneficente Casa Cuna, conforme informou a presidenta das Avós da Praça de Maio, Estela de Carlotto, que estava em Guadalajara (México). Ainda existem muitas avós na Argentina que continuam buscando seus netos sabendo que já lhes resta pouco tempo de vida. Nesse caso, os quatro avós biológicos do neto 116 já morreram. Dessa forma, a notícia foi comunicada para seus tios.

Desde 5 de agosto, quando foi descoberta a identidade do neto de Estela de Carlotto, centenas de pessoas foram à sede das Avós em Buenos Aires para realizar testes biológicos. No final de agosto apareceu a neta 115, cuja avó, Licha de la Cuadra, foi a primeira presidenta da organização. “Faleceu em junho de 2008 sem poder abraçá-la”, disse De Carlotto no dia.

 

MAIS INFORMAÇÕES