Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

O neto de Estela de Carlotto: “Tudo isso parece maravilhoso e mágico para mim”

A avó da Praça de Maio passou quase 40 anos buscando o bebê tomado de sua filha, morta na ditadura

Foto publicada no perfil do Twitter de Ignacio Hurban, neto de Estela de Carlotto, presidenta das Avós da Praça de Maio, seguido da mensagem: "Obrigado, muito obrigado".
Foto publicada no perfil do Twitter de Ignacio Hurban, neto de Estela de Carlotto, presidenta das Avós da Praça de Maio, seguido da mensagem: "Obrigado, muito obrigado".

“Tudo isso que está acontecendo parece maravilhoso e mágico para mim”, declarou nesta sexta-feira Guido Montoya Carlotto, o neto recém restituído de Estela de Carlotto, titular das Avós da Praça de Maio, em sua primeira aparição pública ao lado da mulher que o procurou durante 36 anos. “Sou Ignacio ou Guido”, foi como se apresentou o neto recuperado de número 114, que se declarou “emocionado”.

Horas antes, Ignacio Hurgan postou em seu perfil do Twitter uma foto com sua avó, Estela de Carlotto, presidenta de Avós de Praça de Maio, que passou quase quatro décadas procurando seu neto. Até a segunda-feira ele se chamava Ignacio Hurban, mas nesta terça descobriu que também se chamava Guido Montoya Carlotto. E que foi sequestrado durante a última ditadura argentina (1976-1983). Sua mãe, Laura Carlotto, teria hoje 60 anos se não tivesse sido assassinada aos 24. Guido é o nome que ela colocou, embora só permitiram que ficasse com ela por cinco horas. E Montoya é o sobrenome de seu pai biológico, Walmir Óscar Montoya, cujo apelido familiar era Puño (Punho).

O esperado encontro entre Estela de Carlotto e Guido aconteceu na cidade de La Plata, capital da província de Buenos Aires. Ela, de 83 anos, participou com seus três outros filhos: Claudia - responsável pela Comissão Nacional pelo Direito à Identidade (Conadi), que se ocupa de atender as pessoas que desejam averiguar de forma voluntária se são filhos de desaparecidos apropriados durante a ditadura -; Remo - presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados - e Kibo - secretário de Direitos Humanos da província de Buenos Aires. O neto, de 36 anos, foi com sua namorada e com vários amigos. A reunião durou das três da tarde até as nove e meia da noite. E tudo aconteceu na mais restrita intimidade. Nesta sexta, está previsto que Guido compareça à sede da associação presidida por sua avó.

MAIS INFORMAÇÕES